16°/ 30°
Belo Horizonte,
24/OUT/2014
  • (13) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mais de 100 cachorros são resgatados em Santa Luzia Animais foram levados para abrigo, tratados e tosados. Alguns dos cachorros poderão ser adotados

Felipe Canêdo

Publicação: 05/12/2013 06:00 Atualização:

 Poodles estavam na casa de idoso que cuidava deles com dificuldade e contava com ajuda de amigos (Projeto Lobo Alfa/Divulgação)
Poodles estavam na casa de idoso que cuidava deles com dificuldade e contava com ajuda de amigos

Na ficção, a personagem Cruela quer transformar a pele de 101 dálmatas em um casaco. Na vida real, em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, mais de 100 poodles mestiços foram resgatados por um advogado defensor dos animais. Eles viviam com pouca comida e sujos, mantidos por um senhor apaixonado por bichos, mas que não conseguia cuidar deles mesmo tendo ajuda de algumas pessoas. Pinchers também estavam na casa quando Crispim Zuin Neto chegou para levá-los a uma organização não governamental.

De todos os poodle-latas – mistura de poodle com vira-latas –, 28 já foram vacinados, castrados, tosados e examinados pela ONG Cão Viver, que tem sede no Bairro Braúnas, na Região da Pampulha, em Belo Horizonte. Desses, quatro machos foram adotados e 15 fêmeas estão sob tutela de outra ativista da causa dos animais. Uma feira será realizada dia 14 em busca de novos donos para os oito machos restantes e algumas das fêmeas.

Idealizador do projeto Lobo Alfa, Crispim foi contatado por um vizinho do “colecionador” de poodles por meio da página do movimento na internet. “Fui lá e convenci o dono a tratar alguns machos que já estavam castrados. Um outro grupo tinha feito a castração de alguns, mas deixou dois cachorros inteiros, o que era suficiente para fecundar todas as fêmeas”, conta. Com os pelos embolados, sujos e vivendo com pouca ração, muitos estavam em um local sem sequer uma sombra.

Com o tempo e com o trabalho da Cão Viver, o dono foi ganhando confiança em Crispim, que então levou mais cães para serem tratados. Nesse meio-tempo, o dono doou mais de 30 cachorros, conta o advogado, que trabalha com animais de forma voluntária. “Esse senhor na verdade gosta bastante de cachorro e faz o melhor que pode, mas ele tem um apego excessivo a eles e não consegue doar. Ele permitia que os poodles se reproduzissem livremente, nascendo aos montes, e tinha dificuldade de perceber que eles não estavam bem. Por isso chegou neste extremo”, avalia.

“Os cachorros chegaram aqui em péssimo estado, todos com um cheiro insuportável, sem tosa e muito acuados. Até hoje eles não conseguem socializar direito, ficam tremendo de medo e só andam em bando”, afirma José Bandeira, que trabalha cuidando dos animais na Cão Viver. “Vão demorar a sair desse trauma, mas já melhoraram muito. Quando chegaram eles até avançavam na gente, estavam péssimos”, lembra ele. No canil, oito cães castrados, vacinados, vermifugados e tosados estão vivendo em uma cela e já se dão bem com o cuidador.

SIGILO

A localização da casa onde viviam os poodles é segredo guardado por Crispim. Ele chama o lugar de Campo dos Poodles, como descreve na página do projeto Lobo Alfa na internet. “Prometi sigilo a esse senhor e está dando certo. Ele está acenando com a possibilidade de reduzir o número de cães em casa e talvez fique com apenas seis. Ainda há mais de 30 vivendo lá que precisam de cuidado”, diz.

A feira de adoção dos poodles será no dia 14. A ONG Cão Viver, que está apoiando o processo de recuperação dos animais, tem cerca de 140 cachorros uma clínica veterinária que funciona com preços populares. Parte da receita da entidade provém de doações, uma taxa de R$ 35 cobrada por adoção, referente a castração e remédios. “Ninguém faz um trabalho como esse se não for por amor”, relata Crispim.

SAIBA MAIS: ABRIGO PARA ANIMAIS


A ONG Cão Viver foi criada em agosto de 2003 por um grupo de quatro amigos com o objetivo de acolher e abrigar cães e gatos em situação de abandono. Os animais atendidos passam por um processo de triagem e são encaminhados para o canil de quarentena. Se for constatado que o cachorro está com leishmaniose, é feita eutanásia, através de anestesia e injeção letal. Quando os bichos – cães e gatos – estão saudáveis, são feitas esterilizações e, após os procedimentos, são disponibilizados para adoção.
Tags:

Esta matéria tem: (13) comentários

Autor: José Neto
Gomes, basta ver seus comentários nas notícias ao longo dos anos, verdadeiras gomas, para ver quem você é, indigno. | Denuncie |

Autor: Jefferson Neves
Governo de Minas tem que criar vergonha,doar recursos pra Ongs que vivem juntando migalhas, executando serviço público ao conscientizar a sociedade sobre importancia dos cuidados com animais além de evitar doenças causadas por eles nas ruas.Basta de usar discursos, votaremos em quem cumpre deputados | Denuncie |

Autor: Fê Fê
As ONGs de proteção animal fazem o trabalho q os governos deveriam fazer. E tudo o q elas fazem ainda é pouco diante da ignorância da população sobre guarda responsável e necessidade de castração. Enquanto as prefeituras não se envolverem seriamente no assunto, não haverá solução. Parabéns, LoboAlfa. | Denuncie |

Autor: MARCONI GOMES
Esse Zé Neto é tão fofinho quando fala dos seus cachorrinhos... | Denuncie |

Autor: Antonio Brito
Conheço o trabalho incansável do guerreiro Crispim. E quem está cobrando de ONGs a solução do problemas, não está sendo justo. Cada um deve fazer a sua parte, e após isso, cobrar do Poder Público que cumpra o seu papel: centros de castração e de atendimento veterinário público e gratuito. | Denuncie |

Autor: Antonio Brito
Alô pessoal, temos que cobrar é do Município a responsabilidade pela tutela dos animais abandonados, como está na Constituição. Não sou da Cãoviver, mas as ONGs tem limites e sobrevivem de doações. E cada um tem que fazer a sua parte, castrando e cuidando também. | Denuncie |

Autor: Maria Christina
José Neto, também passei por isto, passei e-mail falando que ia doar alguns de meus cachorros. Recebi em resposta um ficha para preencher e teria que pagar R$ 300,00 por cada cachorro. Ai desisti, como vou pagar se estou pedindo ajuda? | Denuncie |

Autor: Verônica Severino
Em parte concordo com José Neto, quando precisei tambem nao obtive ajuda da Cão Viver, disseram que não tinha vaga. De toda forma arquei com todos os custos do cão que resgatei, e fico feliz que ele esteja bem agora. Admiro o amigo que cuidava de todos esses cães, mas não dá pra abraçar o mundo. | Denuncie |

Autor: José Neto
Eu cuido de alguns animais de rua. O Crispim é um cara abençoado, conheço. Já a ONG Cão Viver, pelo o que está escrito, parece que também realiza um trabalho nobre. Mas em momentos difíceis recorri a tal ONG, mas nunca consegui que eles acolhessem um animal sequer. Tive uma grande má impressão. | Denuncie |

Autor: FAUSTÃO FAUSTÃO
Patrabens e Muito Obrigado Dr. Crispim por isto é que sempre te achei uma otima pessoa. Não sabe quem eu sou mas fui muitas vezes em seu escritorio para buscar e levar documentos para Isothermo. um Grande abraço. | Denuncie |

Autor: Maria Domingos
Parabéns para a Cão Viver pelo excelente trabalho! Há pessoas desumanas que muitas vezes adotam os cães e depois não querem mais e os abandonam! Se não pode cuidar é melhor nem adotar! O sr. que estava cuidando dos cães quis ajudar, tirando das ruas, mas é muito dificil cuidar de tantos! | Denuncie |

Autor: Junia Rabelo
Parabéns ao Dr. Crispim! Pessoas com atitudes de amor e compaixão fazem o mundo melhor. | Denuncie |

Autor: Teo Fernandes
Certíssimo. Animais nas mãos de uma louca. Precisam é ir a outros lugares que também tem, inclusive nas ruas, revirando lixo doméstico. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.