17°/ 30°
Belo Horizonte,
31/OUT/2014
  • (26) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Obras de duplicação da BR-381 serão licitadas em oito lotes Construção de variante de 45 quilômetros, no Vale do Aço, ainda não tem previsão para ser iniciada

Mateus Parreiras

Publicação: 26/07/2012 06:00 Atualização: 26/07/2012 07:13

São Gonçalo do Rio Abaixo e Nova Era – Os R$ 4 bilhões anunciados para a execução da obra e a promessa de licitação em até dois meses escondem que o projeto de ampliação da BR-381-Norte, entre Belo Horizonte e Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, não será totalmente iniciado no prazo previsto. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) admite que apenas os lotes de um a oito farão parte da concorrência pública e os lotes nove e 10, que correspondem a uma variante de 45 quilômetros, entre São Gonçalo do Rio Abaixo e Nova Era, ficarão para depois. Na prática, o que será feito é simplesmente duplicar o traçado já existente, de 311 quilômetros.

Especialistas e membros de ONGs que representam usuários da via, vítimas e parentes de acidentados temem que a execução completa da ampliação, tida como solução para reduzir acidentes e melhorar o fluxo de veículos se arraste por anos, como ocorreu com o projeto inicial. Eles também destacam a necessidade de modernizar e refazer o traçado, eliminando as curvas perigosas, a principal causa dos desastres que deram à BR-381 o título de “Rodovia da Morte”.

Na avaliação do mestre em transporte e trânsito e professor da PUC Minas, Paulo Rogério da Silva Monteiro, a simples duplicação terá efeitos limitados. “Os acidentes frontais serão reduzidos com a separação do tráfego oposto. Mas, com o aumento da velocidade, as saídas de pista e colisões com objetos fixos tendem a aumentar. O fluxo pesado só será aliviado de forma satisfatória com a variante”, afirma.

Para o especialista, a duplicação será boa, mas não vai resolver totalmente a situação. “A população e os usuários têm de continuar a cobrar para que o bom não substitua o ótimo. Minas Gerais merece o projeto completo”, destaca Monteiro.

Dados divulgados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) comprovam o perigo que é viajar pela 381. No ano passado foram registradas 121 mortes em 2.459 acidentes no trecho Belo Horizonte-Governador Valadares. “A sinuosidade da rodovia requer habilidade e atenção maior. A inobservância de tais cuidados, aliada ao excesso de velocidade, é responsável pelos acidentes graves no trecho”, considera a porta-voz da PRF, inspetora Fabrizia Nicolai.

SEM CONSULTA

Segundo a policial, a corporação não foi consultada em nenhum momento pelo Dnit sobre a ampliação. “A PRF tomou ciência da audiência pública (que apresentou o projeto executivo para a rodovia em quatro cidades) via Diário Oficial da União, ou seja, não fomos formalmente convidados”, disse. “Entretanto, o superintendente regional determinou a presença de policiais rodoviários, pois trata-se, além da duplicação, da segurança viária em rodovia federal sob nossa circunscrição”. Neste ano, ainda segundo dados da PRF, a Rodovia da Morte apresentou a maior razão de mortes por acidentes, chegando à média de uma vítima a cada 16,9 batidas e atropelamentos.

A variante de 45 quilômetros foi concebida para desviar o tráfego de Governador Valadares, Ipatinga e Bahia, do fluxo de João Monlevade e Espírito Santo. Os acessos seriam feitos pelas cidades de Nova Era, na Região Central, e São Gonçalo do Rio Abaixo, no Vale do Aço. A nova estrada cortará morros e fazendas nesses municípios e em áreas de Itabira e João Monlevade, eliminando trechos sinuosos da via atual e o trânsito pesado das grandes cidades metalúrgicas. O trecho atual voltaria a ser a BR-262, sentido Espírito Santo e passando em João Monlevade.

Falta de informação preocupa

A variante de 45 quilômetros que vai desviar a BR-381 de João Monlevade, no Vale do Aço, por meio de acessos em São Gonçalo do Rio Abaixo e em Nova Era, não tem sequer projeto ou levantamento de impactos ambientais e arqueológicos. Estudos que são elementares e sem os quais o projeto executivo para construção não pode seguir. A informação é do Dnit, que tenta minimizar esse fato afirmando que, para compensar, a duplicação do traçado antigo seguirá em obras, independentemente dos estudos da variante, admitindo que não licitará o projeto completo de ampliação da BR-381. A reportagem do Estado de Minas onde será construída a variante. Os moradores desconhecem o projeto e se preocupam com os reflexos da obra em suas vidas. Além disso, temem a destruição do que consideram patrimônio arqueológico da região.

Descendentes de imigrantes ingleses e alemães, eles alegam que suas terras guardam resquícios de demarcações de terras feitas por escravos no século 18, chamados “valos”, e ruínas de estruturas esquecidas no campo, como antigos moinhos d’água e fundações de casarões dos primeiros imigrantes. Nenhum desses assuntos foi tratado nas audiências públicas feitas pelo Dnit.

No povoado do Cedro, na zona rural de São Gonçalo do Rio Abaixo, podem ser encontrados sinais dos sulcos feitos para demarcar terras no século 18. Há perfurações que cabem pessoas dentro. Valas mais elaboradas ainda apresentam o revestimento de pedras original, que foi assentado pela mão dos negros que trabalhavam nas fazendas. “A prefeitura está preocupada e parte desses valos foi levantada. Mas ainda não se sabe quantos são e onde estão todos. É preciso um trabalho grande para saber de todas as estruturas históricas”, alerta o secretário de desenvolvimento econômico de São Gonçalo do Rio Abaixo, João Vitor Dias.

A arqueóloga do Museu de História Natural da Universidade Federal de Minas Gerais, Martha Maria de Castro e Silva, considera que os valos, moinhos e outras ruínas, mesmo ainda desconhecidas, são importantes e merecem ser estudadas, além de isso ser exigido por lei. “Essa área é tradicionalmente ligada à mineração dos períodos colonial ao republicano. E pouco se conhece sobre esse nas áreas rurais. Como não há registros, restam as ruínas e vestígios para investigar a história”, destaca.

MAIS PROBLEMAS

O Dnit confirmou que no trecho de 72 quilômetros da 381, entre Governador Valadares e Belo Oriente, a duplicação será feita apenas nas proximidades das cidades de Periquito e Naque. Ao todo, 54 quilômetros da rodovia na região continuarão com pista simples. De acordo com o órgão, o fluxo de veículos nessa área é reduzido e não justifica o investimento para a duplicação da pista.

Tags: celular

Esta matéria tem: (26) comentários

Autor: SCHUPAH KIEDIUVHA
mala esse Eduardo, hein... | Denuncie |

Autor: Edilson Guimaraes
Onde estão os gestores públicos desse Estado, para botarem "ordem nesse galinheiro"? Isso é um absurdo, um descaso. "Num tá bão dimais da conta não sô". Nós queremos uma obra completa como são feitas lá na "côrte". Com a palavra os "inúteis" lá do Congresso. 53 deputados e 3 senadores. E aí gente? | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Esse povo brasileiro tbm é um saco de vez enquando,pois se n tem obra,reclama e se tem,reclama do mesmo jeito.Querem acordar e ter uma rodovia duplicada para passearem,mas n aceitam os transtornos imediatos da construção da via.Sítios arqueológicos são importantes sim,mas e a vida dos transeuntes? | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Gelder,o governo federal é de qual partido:será o q vc presta saudações - talvez até irônicas,n sei-? | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
N podemos aceitar q levem rios de dinheiro nosso em impostos e nos devolvam um remedo de duplicação,qdo os bilhões de impostos estão indo é p banqueiros na fogueira dos juros da dívida pública.Ficam sempre tapando buraco e depois gastando mais pra tratar da tragédia:negligência criminosa o q está aí. | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Nós mineiros,n podemos aceitar q tenhamos uma presidente q veio aqui e fez um monte de bravata,dizendo q MG estaria no poder-como se fosse crível isso-,c obras do metrô e a duplicação da BR-381.O q vemos é MG esquecida até mesmo nos altos escalões do gov.,c um só Min. q n faz nada p MG se destacar. | Denuncie |

Autor: Gelder Ribeiro Assuncao
COMO DIRIA MAIS FALACIAS DO GOVERNO FEDERAL. E AINDA QUEREM ASSUMIR A PREFEITURA DE BH, NOVA LIMA ESTÁ UM CAOS. POVO ACORDEM. PT SAUDAÇÕES. | Denuncie |

Autor: Alex Soares
Por que só agora que existe um movimento no sentido de acabar com a canificina da 381, esses chatos arqueólogos vêem apresentar os indícios de alguma coisa lá? Por que não estão trabalhando lá a mais tempo? Provavelmente estão é sentados numa cadeirinha bem fofinha e dentro de uma sala aconchegante.. | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Qdo o bom substitui o ótimo,aí o resto do q seria pra ser ótimo vai para o bolso das ratazanas de barriga branca q estão no poder e só sabem carcomer os cofres públicos... | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Onde estão os bilhões da CIDE,q foi criada para manunutenção e construção de novas estradas?Será q pagamos rios de impostos e só temos investimento a conta gotas?Será q estão roubando tanto q n sobra nem pra fazer uma duplicação?Está ficando difícil ser brasileiro,c essa balbúrdia da Adm. Públ.. | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
Enquanto países desenvolvidos oferecem uma rodovia q parece um tapete,como as autobahns alemãs,c helicóptero na via para prestação de socorro.Aqui são buracos e vias mau projetadas p o fluxo atual,provocando acidentes evitáveis.Claro q o motorista tem culpa,mas o Estado n pode ter nenhuma... | Denuncie |

Autor: José Basílio
Isto para nós cidadãos brasileiros é uma vergonha. É muito fácil político resolver problemas atrás de cadeiras sem saber realmente o que acontece no dia a dia. O mais importante deve ser o cachoeira o resto é resto até quando? Acordem. Eleição vem ai acordemos. | Denuncie |

Autor: Mpm Assessoramento E Repres.ltda
Colegas, se o problema é político, na essência e configura-se uma ajuda federal a SP e RJ da qual Minas é alijada, há algo de errado é com nossos deputados federais e senadores. Os de lá trabalham e conseguem as verbas, os daqui conversam e veem a procissão passar. Temos que cobrar nossos políticos | Denuncie |

Autor: Patrick Alves
Daqui a uns tempos, eles irão publicar um comunicado, alegando que, pela demora em iniciar os trablhos, os recursos tiveram que ser "transferidos" para outra prioridade, portanto, não terá duplicação ( novamente). Triste !!! | Denuncie |

Autor: Eduardo
Concordo plenamente com Carlos Bresses, Rio e SP, recebem tubos de investimentos do Gov. Federal, há anos é o cenário, outros Estados também vem nesse embalo bem na frente de nosso estado. Ex. nossa Capital e região.... não temos, vias expressas, metrô, rodoanel, avenidas, ônibus articulados e bi... | Denuncie |

Autor: marcio gomes
E brincadeira um negocio desse,falar que o fluxo de veiculos entre valadares e ipatinga e reduzido,uma barbaridade,sou da prf, e isso nao e veradade,a necessidade sim de duplicação pois o fluxo de veiculos e intenso,nesse trecho. | Denuncie |

Autor: André Lustosa
O único mineiro de verdade em Brasília faleceu, seu nome é Itamar Franco. Brasília acha que Minas Gerais é um estado rico e não precisa de ajuda da União. | Denuncie |

Autor: Wander Paiva
Ninguém havia manifestado interesse nessas ruínas antes, agora que começou a engatinhar o processo de duplicação já estão barrando por causa da história cultural blá blá blá. Tem gente querendo ganhar dinheiro nesse caso. E as famílias que perderam pessoas na rodovia, não tem passado, estória? | Denuncie |

Autor: Wander Paiva
Será que mais vale o estudo sobre a história dos "vales e moinhos" que até hoje onde estão do que as vidas que são ceifadas na estrada? Porque não estudaram essas "arqueologias" antes? Agora vem complicar ainda mais!! Temos que trabalhar para os que estão vivos, escravos portugueses já morreram!!!! | Denuncie |

Autor: Marco Tulio
Esse DNIT é uma piada. Se pra reformar o retorno do Ponteio já vai quase 1 ano e nem começou, pode-se imaginar quanto tempo e quantas vidas ainda vamos perder pra duplicar de 300km... | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
O MP já deveria ter acionado algum mecanismo de regularização dessa situação,pois a negligência do poder público diante de tantas mortes n pode ser simplesmente passado em branco,pois várias pessoas precisam daquela rodovia para fazer sua vida e fazer o país crescer tbm.. | Denuncie |

Autor: alexandre Sousa
Digo mais, Carlos Bresses. MInas foi, e é perseguida pelo governo federal a despeito de ter sido decisiva nas ultimas três eleições presidenciais. Vamos mudar isso e começa já em outubro aqui em BH! | Denuncie |

Autor: Nelson Gusmao
No último parágrafo da reportagem se vê como a mentalidade dos nossos orgãos de governo é pequena. No trecho Valadares-Belo Oriente dizem que o fluxo é pequeno. Construam já pensando no futuro, pensando que o fluxo irá aumentar, com pista duplicada. Deixa de incompetência DNIT. Cadê as obras da BR367 | Denuncie |

Autor: Mpm Assessoramento E Repres.ltda
As obras de reconstrução da BR381 carecem de dois problemas básicos. Primeiro o DNIT, que só concluirá as licitações após os "acertos" prévios com as empreiteiras. Segundo, nossos senadores e deputados federais, incompetentes, lenientes e preguiçosos, totalmente alheios ao problema. | Denuncie |

Autor: Reinaldo Faria-Tavares
Que coisa, para vocês nada tá bom......... | Denuncie |

Autor: Carlos Bresses
Reafirma-se a constatação: Minas não foi contemplada com a prosperidade econômica que o mundo e o país viveram nos anos 2000! Ah, se as rodovias da morte ficassem em SP ou RJ... Ah, se os "mineiros" amigos do governo federal de plantão fosse mineiros... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.