19°/ 34°
Belo Horizonte,
30/SET/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Minas tem 84 bens tombados que nunca tiveram proteção Risco ao patrimônio é ainda maior

Mateus Parreiras

Publicação: 06/03/2012 06:00 Atualização: 06/03/2012 06:44

Duas faces do patrimônio de Santa Luzia: o Museu Aurélio Dolabella/Casa de Cultura, do século 19, está com alarmes desligados, e a igreja matriz do século 18, que é referência em segurança, do outro lado da praça (Beto Novaes/EM/D.A Press)
Duas faces do patrimônio de Santa Luzia: o Museu Aurélio Dolabella/Casa de Cultura, do século 19, está com alarmes desligados, e a igreja matriz do século 18, que é referência em segurança, do outro lado da praça


 (Beto Novaes/EM/D.A Press)

 

No alto da Rua do Cartório, entre a mata de eucaliptos, uma pequena praça que serve de retorno e um descampado ermo, a Igreja do Sagrado Coração de Jesus passa noites solitárias na comunidade do Marzagão, em Sabará, na Grande BH. Ali perto ficam os sobrados da antiga vila operária erguida para abrigar funcionários da primeira tecelagem implantada no local, nos anos 1920. A fragilidade do patrimônio estadual tombado em museus, igrejas e sítios históricos de Minas vai muito além das 40 edificações em 25 cidades onde os sistemas de alarmes deixaram de funcionar por falta de pagamento do programa Minas para Sempre, do Iepha, conforme o Estado de Minas denunciou. Pelo menos outras 84 construções históricas em 43 cidades, que deveriam ser protegidos pelo instituto, nunca receberam equipamentos de segurança, como ocorre no Marzagão.

Os 124 prédios históricos foram listados no memorando enviado à Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) pedindo reforço no policiamento, como parte das medidas emergenciais tomadas no último dia 17 pelo Iepha para reforçar a vigilância, seja onde o alarme foi desligado ou onde o equipamento nunca foi instalado. Em muitos casos, para preservar os bens, a solução foi o bloqueio com tijolos das entradas de algumas edificações para impedir saques. Na igreja de Marzagão, por exemplo, apenas a grade do entorno e os vitrais das portas impedem que imagens como a do Sagrado Coração de Jesus sejam levadas. Ainda em Sabará, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, na Praça Getúlio Vargas, está desprotegida, porque o alarme foi desligado por falta de pagamento.

“A falta de segurança reflete o desinteresse sobre nosso patrimônio. Muito já se perdeu. Nos sobrados, por exemplo, tínhamos móveis de época como banheiras de louça esmaltada”, conta o cenógrafo Valney Reginaldo de Almeida, de 38 anos, que nasceu e sempre viveu ali, ao lado da igreja. Ele também se preocupa com as imagens do templo. “Para nós, elas têm grande valor, pois são usadas em procissões desde o início da vila. A segurança aqui, à noite, não existe”, define.

Os 84 locais históricos podem ser considerados privilegiados, pelo menos por terem sido alvo de um pedido de reforço do policiamento. Situação pior é a de locais que abrigam peças históricas e sacras importantes para comunidades religiosas e que nem sequer têm expectativa de receber investimentos em segurança. Como no Marzagão, o distrito de Pinhões, em Santa Luzia, também na Grande BH, tem um templo importante isolado na pequena comunidade. Ao redor da capelinha em estilo gótico de Nossa Senhora do Rosário, construída em 1906, há apenas um curral, um cemitério, a casa paroquial e uma praça desolada. Não há alarmes nas paredes, sensores de movimento em corredores, trancas sofisticadas nos acessos ou sequer vigilantes. “Estamos completamente vulneráveis aqui. Somos vítimas de assaltos sempre. Já levaram quatro vezes os alto-falantes, roubaram uma bateria e o sistema de som”, lembra a tesoureira da igreja, Aparecida de Jesus Lima, de 55 anos.

As marcas das invasões podem ser vistas nos acessos do templo isolado. A madeira original da porta lateral ficou lascada de tantos arrombamentos e precisou ser reforçada com tábuas novas e parafusos. Nas janelas, os pés de cabra dos arrombadores também deixaram rombos. “Temos obras importantes para a comunidade, como imagens do início do século 20 e crucifixos usados desde que a capelinha foi construída”, afirma.

Só pela fé: alarme desligado abriga imagens em Sabará (Beto Novaes/EM/D.A Press)
Só pela fé: alarme desligado abriga imagens em Sabará
Onde o sistema foi restabelecido a comunidade voltou ter menos preocupações. Na Igreja de Nossa Senhora da Lapa, em Ravena, distrito de Sabará, as reformas feitas no local seguem com mais segurança com o restabelecimento do sistema de vigilância eletrônica, reativado na última semana. De acordo com o vice-presidente do Iepha, Pedrosvaldo Caram Santos, oito dos 40 edifícios contemplados pelo programa Minas para Sempre, já estão com os sistemas operantes. “Nossa expectativa é de que até março tudo esteja normalizado”, afirma.

 

 

Contraste na vigilância

As finas portas azuis de madeira talhada em 1818 e as janelas sem vidros foram as barreiras físicas deixadas pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha) para servir de segurança às relíquias da história colonial mineira abrigadas no Museu Aurélio Dolabella/Casa da Cultura. Os alarmes e sensores de movimento do prédio que fica em Santa Luzia, na Grande BH, ainda não foram religados, mesmo com o anúncio de renovação de contrato do instituto com as empresas de vigilância que administram os aparelhos, anunciado no dia 17. A situação de fragilidade só não é pior porque o município, a título emergencial, deslocou quatro seguranças para o prédio. A vulnerabilidade contrasta com a abundância em equipamentos que garantem a paz de imagens e obras tombadas da Igreja Matriz de Santa Luzia, edificada entre 1744 e 1778, a 10 metros do Museu, do outro lado da Rua Direita.

Além das trancas, cadeados e barras transversais que fortificam os portais do templo do século 18, no Centro Histórico da cidade, foram distribuídos aparatos de vigilância por todos os acessos e passagens da igreja barroca. São seis câmeras internas, nove externas e sete sensores de movimento pelos corredores e escadarias de madeira. Nem as escadarias dos sinos, que se erguem em torres com mais de 10 metros de altura, escapam ao mapeamento a laser dos alarmes. A igreja, tombada pelo município, tem uma central de segurança onde ocorrem os ajustes dos instrumentos e a gravação das imagens dos circuitos fechados. “A manutenção e a checagem dos sistemas são feitas diariamente. Desde que roubaram todas as imagens do interior da igreja, há 40 anos, a preocupação com segurança aumentou muito”, afirma o representante da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Santa Luzia, Fábio Júnio da Silva.

O episódio causou muita comoção na comunidade. O templo sem proteção teve 15 obras tombadas levadas por ladrões. Foram três anjos barrocos que compunham as decorações entalhadas nas paredes internas da igreja e 12 imagens de santos, inclusive a pequena Santa Luzia que é alvo de devoção em várias partes do Brasil. Declarações emocionadas pediram o retorno das peças pelos meios de comunicação da época e até pragas foram lançadas na tentativa de reaver o material, rogando que “ficassem cegos” os ladrões da Santa Luzia.

 

Igreja de N. Senhora da Lapa teve vigilância eletrônica restabelecida (Beto Novaes/EM/D.A Press)
Igreja de N. Senhora da Lapa teve vigilância eletrônica restabelecida
Aos poucos, cada uma das peças foi restituída. O custo, contudo, foi alto: todas as relíquias criadas no século 18 foram danificadas. “Por isso, é importante prevenir os roubos. Os materiais que constituem as imagens e obras sacras são difíceis de serem encontrados. O original pode ser perdido para sempre”, pondera Silva. Um dos exemplos é a estatueta de Santo Hilário. Ela tinha rendas de ouro em sua túnica que foram perdidas e precisaram ser substituídas na restauração por tecido comum dourado.

As câmeras e os sensores vêm sendo instalados há 10 anos e inibiram arrombamentos desde então. Os ataques que o templo sofreu nos últimos anos são ações de vândalos, como os que atearam fogo a um dos portais, no fim do ano passado, e os rabiscos deixados por pichadores ainda visíveis em algumas paredes externas.

Seja por fé ou para admirar a arquitetura e a exuberância das construções tombadas, turistas e frequentadores apoiam a decisão de ampliar a segurança dos edifícios e criticam a não renovação dos serviços. “Infelizmente, hoje, os equipamentos (de vigilância) são essenciais. Não fosse por isso, não teríamos como ver essas belezas da nossa terra, como eram na época de sua construção”, disse a aposentada belo-horizontina Leda Viegas, de 68 anos, que não vinha à Igreja Matriz de Santa Luzia há 63 anos. “Vim com minha falecida mãe e está tudo como era antes. Isso é emocionante.” (MP)

Análise da notícia

Preservar é preciso

Paulo Nogueira

O patrimônio histórico é uma das maiores atrações turísticas de Minas, se não for a maior. É essencial que ele esteja devidamente protegido contra ataques de ladrões e vândalos. A melhor solução parece mesmo ser a tecnologia, por mais onerosa que seja, porque dificilmente haverá policiais disponíveis para garantir definitivamente a segurança de tantos bens espalhados por todo o estado. Uma boa ideia seria estender um programa que já funciona em BH para o todo o estado, que é a adoção de bens culturais por empresas ou instituições, como já ocorre com canteiros e praças.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Geraldo Santos
Aqui em Minas Novas no Vale do jequitinhonha tem preciosidades em fase de desmancho.Faz pena vêr que o Estado não esteja nem ai. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.