SIGA O EM

Artista é preso por ato obsceno durante apresentação de mostra teatral

Segundo a PM, solicitação partiu de populares que ficaram incomodados porque 'havia um homem nu' no local

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1135687, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Tathy Yazigi/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Cena do espet\xe1culo DNA de DAN, de Maikon K', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/07/16/884280/20170716143106632474o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 16/07/2017 14:28 / atualizado em 16/07/2017 14:41

Humberto Rezende /

Tathy Yazigi/Divulgação

Uma performance artística interrompida pela Polícia Militar nesse sábado à tarde, em frente ao Museu Nacional da República, em Brasília, fazia parte da programação do evento Palco Giratório, mostra teatral promovida pelo Serviço Social do Comércio (Sesc). Na ação da PM, o dançarino e performer paranaense Maikon Kempinski acabou detido e levado para a 5ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), onde precisou assinar um termo circunstanciado de ato obsceno.

A reportagem falou com o artista na manhã deste domingo. Maikon K, seu nome artístico, se mostrou indignado com a situação e lamentou que o cenário tenha sido rasgado pelos militares, mas preferiu não comentar mais sobre o caso por esperar um posicionamento da organização do Palco Giratório. Os responsáveis pelo evento não foram encontrados até a publicação desta matéria.  

Na apresentação - chamada DNA de DAN, e que já passou por palcos de várias cidades do país -, o artista fica dentro de uma bolha plástica e tem aplicado sobre o corpo nu uma substância que se resseca aos poucos, até formar uma espécie de segunda pele. Para não rompê-la, o artista é obrigado a respirar cada vez menos. 

O rompimento, no entanto, é inevitável e, quando acontece, Maikon dá início a uma dança desenvolvida a partir de uma pesquisa sobre arquétipos e elementos espirituais. Em um vídeo feito sobre a apresentação, Maikon explica que sua dança é inspirada no arquétipo da serpente.



DNA de DAN foi programada para ser apresentada em frente ao Museu Nacional da República. No entanto, no meio da apresentação, Maikon foi interrompido por policiais militares, que ordenaram que ele se vestisse. Depois, ele foi colocado na traseira de uma viatura e levado à delegacia.

Segundo a PM do Distrito Federal, os militares foram ao local depois de populares solicitarem a presença da polícia porque "havia um homem nu ao lado do Museu da República". Ainda segundo a PM, os policiais foram informados por um homem que ali ocorria uma exposição de arte. No entanto, "como não foi apresentada nenhuma documentação /autorização do museu tampouco da Administração de Brasília, foi determinada a paralisação da referida exposição e foi dada voz de prisão ao elemento nu", informa uma nota.
 
Nas redes sociais, muitos internautas se mostraram indignados com a detenção de Maikon. Na página do artista no Facebook, vários comentários criticam a ação da polícia e mostram apoio ao paranaense "A ditadura tá aí, na cara de todo mundo, só não enxerga quem não quer", escreveu uma internauta. "Já que não tem onde fazer justiça em BrasíLA, vamo prender performer, né...", protestou outra.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Alberto
Alberto - 21 de Julho às 15:46
Sem autorização está fora a lei. Pelado na rua vai preso sim. Se tivesse alguma documentação /autorização do museu não teria ido preso. Brasileirim precisa entender que existem leis e que devem ser cumpridas e ponto final. E não adianta me retrucar pq não volto a páginas que comento. Guarde sua observação indignada pra você mesmo.
 
Diego
Diego - 20 de Julho às 08:11
Coloca uma melancia da cabeça, vai aparecer do mesmo jeito e não vai ser preso. Ninguém é obrigado a aturar o cara pelado na rua, a lei é clara! Se for para abrir excessão para ele, tem de abrir para todo mundo que quiser andar pelado na rua!
 
Júlio
Júlio - 19 de Julho às 17:17
Arte? kkkkkkkkkkkkkkk Tem que prender mesmo,muito tosco.
 
mario
mario - 18 de Julho às 12:11
tinha que prender aqueles que estavam cheirando a bunda um do outro também.
 
Guilherme
Guilherme - 17 de Julho às 11:57
Ficar pelado na rua agora é "arte". so no brazil zil zil mesmo
 
Daniel
Daniel - 17 de Julho às 09:09
Com tanta baixaria que acontece em Brasilia, é obvio que eles iriam encontrar alguma que pudesse ser presa!
 
Deocleciano
Deocleciano - 17 de Julho às 08:34
Coisa de .....
 
Paulo
Paulo - 16 de Julho às 21:21
O mais ridículo são os papagaios de pirata repetindo o mantra da esquerda "a ditadura aí", como se a polícia agisse por conta própria. Foram os civis que pediram a intervenção da polícia, que agiu conforme a lei. Mas, um idiota é quase incurável.
 
Celso
Celso - 17 de Julho às 10:45
Então parabéns também à essa população civil esclarecida. E melhor ainda a sintonia ainda entre a Polícia e o povo. Saiba expor sua opinião sem agressão. Tenha civilidade, cidadão.
 
claudio
claudio - 16 de Julho às 21:16
Aritsta??..um merda querendo fama!! cadeia neste fdp p/ ele entender e passar a respeitar as leis!!
 
Jose
Jose - 16 de Julho às 20:34
Nada contra, mas a lei não permite ficar pelado na rua. Até que a lei mude, melhor fazer esse tipo de coisa dentro de algum lugar e não na rua.
 
Julio
Julio - 16 de Julho às 20:22
Lastimável o que se chama de arte e cultura hoje em dia. Deveria ser preso por falta de criatividade.
 
Celso
Celso - 16 de Julho às 18:56
Respeito toda e qualquer manifestação artística. Contudo, o artista precisa entender que vivemos em sociedade regida por valores e costumes diversos, e que a sua arte tem que respeitar tais padrões dentro de uma razoabilidade. Ora, por mais que vivamos em um país avacalhado, se expor nu em público, por mais que se tenha uma mensagem artística associada, ainda sim é um ato chocante para a maioria dos cidadãos. Parabéns à PM.
 
Alexandre
Alexandre - 16 de Julho às 17:00
Lugar de nu artístico é dentro de teatros. Senão daqui a pouco vão querer legitimar cenas de sexo em público sob argumento de arte.