14°/ 26°
Belo Horizonte,
23/SET/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Faixa de ônibus faz lentidão de carros crescer 16%


Agência Estado

Publicação: 27/08/2014 08:49 Atualização: 27/08/2014 09:34

O estudo anual mais importante da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) mostra que, em São Paulo, nas vias que ganharam faixas exclusivas para ônibus, os carros passaram a ficar presos no trânsito 16% mais tempo em 2013 do que ficavam em 2012 - isso apenas no horário de pico da manhã. No horário de pico da tarde, esse tempo extra no trânsito cresceu 7%.

Analisando o conjunto da cidade - não apenas os lugares que receberam faixa exclusiva -, os motoristas passam 30% do tempo que estão em viagem parados, presos por causa do trânsito ou por causa de semáforo fechado. No horário de pico da tarde, esse porcentual é de 33% do tempo de viagem.

A Pesquisa de Monitoração da Fluidez é um relatório de contagem de veículos, de aferição da velocidade média de vias e, ainda, do chamado "tempo de retardo" - porcentual do tempo. É calculado por técnicos que passam os horários de pico percorrendo as vias, cronometrando tempo andando e parados.

É feito em 220 quilômetros de vias - todos os principais corredores da cidade, Os dados de 2013 foram publicados no site da CET na semana passada.

Segundo o estudo, a velocidade média dos carros nas vias que receberam faixa exclusiva, que até 2012 já era de apenas 18,5 km/h no pico da tarde, chegou a 17,7 km/h em 2013.

A proposta das faixas é justamente livrar os ônibus dessa lentidão toda. Segundo dados da SPTrans também referentes a 2013, depois de implementadas as faixas exclusivas, a velocidade média dos ônibus cresceu de 14 km/h para 20 km/h, em média (45%).

Vale destacar ainda que, segundo os especialistas, a redução da velocidade média e o aumento do tempo que os carros ficam parados não são "culpa" das faixas. Eles vêm caindo desde que o estudo começou a ser feito, nos anos 1990. "As vias já não têm mais espaço para receber os carros", diz o engenheiro Horácio Augusto Figueira.

Faixas. Os números mostram contradições pela capital. Em locais como o corredor formado pelas Avenidas Paulista e Doutor Arnaldo, que contam com uma rede de transporte de massa (metrô), a chegada das faixas exclusivas fez o tempo médio que os carros ficam parados, presos no trânsito, cair 4% no horário da manhã.

Mas não espere dados animadores: isso significa que a velocidade média ali subiu de 7 km/h para 10 km/h.

Por outro lado, na Avenida Pedro Álvares Cabral, no Ibirapuera, os carros agora ficam 177% mais tempo parados, esperando o semáforo abrir ou o trânsito fluir. A velocidade média caiu de 14,2 km/h para apenas 6,7 km/h (velocidade de uma pessoa andando), na pista sentido Ibirapuera, no horário de pico da tarde.

"Tem locais em São Paulo que eu decidi evitar. Só passo se é madrugada, se é manhã de domingo. Aqui é um", afirma o engenheiro João Zanutto Peres, de 44 anos.

Volumes

O diretor de Planejamento, Projetos e Educação de Trânsito da CET, Tadeu Leite Duarte, um dos 15 profissionais que assina o estudo, lembra que as faixas de ônibus tiram de 33% a 50% do espaço destinado para os carros de cada via - porque pegam um espaço de ruas com duas ou três faixas. "O tempo de congestionamento, ou a extensão da lentidão, não cresceu nesta proporção justamente porque deve ter ocorrido a migração de parte dos motoristas para o transporte público", avalia.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.