Servidores tentam invadir plenário da Câmara de SP

Grupo de engenheiros e arquitetos são contrários às propostas apresentadas pelo governo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 26/08/2014 18:31 / atualizado em 26/08/2014 21:13

Agência Estado

Cerca de 150 funcionários públicos da Prefeitura, a maior parte engenheiros e arquitetos, tentaram invadir o plenário da Câmara Municipal de São Paulo na tarde desta terça-feira, 26, causando confusão nos corredores do Palácio Anchieta. O grupo que tentava fazer a invasão não conseguiu lugar para assistir à audiência pública marcada para discutir nesta tarde projetos do governo Fernando Haddad (PT) com aumentos para as carreiras de arquitetos, engenheiros, fiscais e guardas civis metropolitanos.

Os funcionários tiveram a entrada barrada após as 200 vagas do plenário principal da Casa lotar, inclusive com dezenas de pessoas em pé. Mas o grupo que ficou de fora acusou a presidência da Casa de tentar deixar de fora do plenário a maior parte dos funcionários que são contrários às propostas de aumento - eles são contra a concessão de subsídios, como quer o governo, e defendem a incorporação de aumento real nos holerites.

Houve empurra-empurra entre funcionários e GCMs que fazem a segurança do Legislativo no primeiro andar, ao lado do plenário. Por pouco a invasão não ocorreu. Após 20 minutos de confusão, os funcionários concordaram em voltar a assistir a audiência nas galerias do plenário, e não nas cadeiras no térreo.

As propostas de aumento em análise foram apresentadas pelo governo do PT após greve de servidores durante o mês de julho. Os professores chegaram a ficar parados por 42 dias. A paralisação dos 3 mil engenheiros e arquitetos da Prefeitura durou 22 dias.
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.