• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Estudantes da USP protestam por cotas

Agência Estado

Publicação: 24/06/2014 21:37 Atualização:

São Paulo, 24 - Cerca de 150 estudantes da Universidade de São Paulo (USP), segundo a Polícia Militar, fizeram um protesto na noite desta terça-feira, 24, na região central da capital paulista, a favor de cotas na instituição. Até as 19h30, não havia nenhuma ocorrência e o grupo pretendia marchar até a Praça Roosevelt, no centro. Policiais militares acompanham o ato em bicicletas.

Os manifestantes se reuniram às 17h no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e iniciaram a marcha quase uma hora e meia depois. Por volta das 19h20, o grupo descia a Rua da Consolação. O protesto era pacífico. Com gritos, faixas e tambores, eles afirmam que a USP é elitista e reivindicam mais políticas de inclusão, como cotas no vestibular e reforço na assistência estudantil. “A quantidade de negros na USP ainda é muito pequena, bem abaixo do que poderia ser caso a universidade seguisse a lei federal de cotas”, afirmou Cristiane Alves Avelar, integrante do Núcleo de Consciência Negra da USP e aluna de Letras.

A lei federal de cotas prevê reserva de 50% das vagas, com distribuição proporcional de cadeiras para negros, pardos e indígenas de acordo com a população de cada Estado, nas instituições públicas federais até 2016. A USP adotou sistemas de bonificação, mas recusou as cotas raciais e sociais.

Futebol.

A Pró-reitoria de Graduação, entretanto, já afirmou que pretende rediscutir neste ano as fórmulas de ingresso na instituição. Sem entender exatamente as causas do protesto que tomava a Paulista, o turista belga Nordin Beniz, de 40 anos, fazia fotos da passeata dos alunos. "Não é o que imaginávamos do Brasil. Pensávamos que o País inteiro parava para assistir ao futebol", disse.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Geraldo Nascimento
É bom que os estrangeiros saibam que nem só de samba e futebol vivem os brasileiros. Já é passada a hora da USP entender que o Brasil mudou, nossa população mestiça como somos quer, exige mudanças de mente e de estrutura no país, portanto, é tempo de mudanças. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.