17°/ 31°
Belo Horizonte,
01/NOV/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

1/4 da Medicina da USP fez Fuvest 4 vezes

Agência Estado

Publicação: 22/06/2014 10:07 Atualização:

São Paulo, 22 - Se a preparação para o vestibular significa ansiedade e noites mal dormidas, o sacrifício é ainda maior para quem tenta entrar em Medicina na Universidade de São Paulo (USP). No processo seletivo deste ano, 84% dos futuros médicos não passaram na primeira tentativa - bem acima da média geral da USP, de 61%. Dos calouros de Medicina de 2014, no câmpus da capital, quase 26% fizeram o vestibular quatro ou mais vezes antes da sonhada aprovação.

Mariângela Alves conhece a prova da Fuvest, exame para ingresso na USP, quase tão bem quanto muitos professores de pré-vestibular. Hoje aluna de Medicina da universidade, ela teve de enfrentar a prova cinco vezes. "A pior parte era ver os amigos passarem enquanto eu ficava para trás", conta ela, de 25 anos. "Mas as dificuldades até se apagam agora. Valeu a pena", reconhece a jovem, que destaca o apoio dos pais e do namorado como principais estímulos para persistir no objetivo.

Como vários outros candidatos de Medicina, Mariângela chegou a trocar a opção de curso para encurtar o caminho até a faculdade. No segundo vestibular, optou por Enfermagem e começou o curso na USP. "Voltei ao pré-vestibular no ano seguinte porque percebi que deveria correr atrás da minha vocação. Meu desempenho sempre esteve bem perto da nota de corte", diz. Segundo ela, a experiência na faculdade também a ajudou para que tivesse mais foco nos estudos.

Jessica Costa, de 20 anos, espera ter a mesma sorte de Mariângela. Embora a USP seja sua prioridade, a candidata também vai arriscar vestibulares de outras instituições públicas e privadas neste ano. "A pressão e a ansiedade, às vezes, pesam mais do que as dificuldades em algumas matérias", avalia a estudante, que tenta a Fuvest pela quarta vez. "No segundo semestre, já começa a bater desespero em relação à prova e dá vontade de desistir", afirma.

A aluna, que até terminou um namoro para se dedicar aos livros, recorre a todos os artifícios na preparação: cantarola trechos das apostilas e escreve fórmulas na porta do guarda-roupa, para memorizar. Jessica sabe, porém, que não existe fórmula mágica para conquistar a vaga. "A experiência nos cursinhos me mostrou que compensa diminuir a quantidade de estudo, mas aumentar a qualidade", diz ela, que sempre reserva algumas horas do fim de semana para relaxar. As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.