Protesto do Movimento Passe Livre termina em confronto em São Paulo

Grupo mascarado começou a agir depois que o pessoal do MPL se dispersou. Lojas foram depredadas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 19/06/2014 20:02 / atualizado em 19/06/2014 20:15

Estado de Minas

Miguel Schincariol / AFP
Pessoas mascaradas depredaram carros e atiraram rojões em direção a viaturas da Polícia Militar (PM) em ruas do bairro Pinheiros, na zona oeste da capital paulista nesta quinta-feira. Os mascarados começaram a agir após um ato feito pelo Movimento Passe Livre (MPL), que pediu tarifa zero no transporte público, encerrado na marginal Pinheiros por volta das 19h.


Após os manifestantes do MPL se dispersarem pela marginal, os mascarados entraram no bairro e atearam fogo em sacos de lixo e em sucata. Parte deles portava pedaços de pau e pedras nas mãos. Lojas de carros e bancos foram destruídos pelos vândalos. A PM revidou com bombas de gás lacrimogênio e de efeito moral.

Mais cedo

A manifestação do Movimento Passe Livre (MPL) fechou todas as faixas da Marginal Pinheiros, no sentido da Rodovia Castello Branco, na altura da Ponte Eusébio Matoso. O movimento faz no local um ato reivindicando tarifa zero no transporte público do município. Os manifestantes queimaram catracas feitas de papelão.

Havia pouca presença de policiamento no local. No entanto, equipes da Cavalaria e da Força Tática da Polícia Militar (PM) estavam dispostas na Rua Sumidouro, a algumas dezenas de metros dos manifestantes. Até as 18h30 não havia registro de confronto entre policiais e manifestantes.

Durante todo o trajeto da manifestação a presença da polícia foi pequena. Ao menos três agências bancárias e uma concessionária foram depredadas por manifestantes mascarados na Avenida Rebouças. No entanto, parte dos ativistas conseguiu impedir a depredação de outros bancos no caminho da passeata.

De acordo com a PM, havia cerca de 1,3 mil pessoas na manifestação, que ocorre um ano após o movimento ter conseguido barrar a elevação nos preços do transporte público da capital paulista.

Há exatamente um ano, em 19 de junho de 2013, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e o governador do estado, Geraldo Alckmin, anunciaram, após intensas manifestações na capital paulista, que haviam abdicado do aumento de R$ 0,20 que seria aplicado nas tarifas dos ônibus do transporte público e do metrô de São Paulo.

(Com Agência Brasil)

Miguel Schincariol / AFP

Tags: