Sob pressão, reitores das estaduais reabrem negociação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 06/06/2014 16:49

Agência Estado

São Paulo, 06 - O Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) decidiu nessa quinta-feira, 5, reabrir as negociações salariais com professores e funcionários, em greve há quase três semanas. A proposta de reajuste zero para 2014 fez as duas categorias cruzarem os braços na Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Estadual Paulista (Unesp).

O congelamento das remunerações, conforme o Estado revelou em maio, foi motivado, principalmente, pela crise financeira da USP, que gasta 105% das receitas com a folha de pagamento. No mês passado, o conselho determinou que as negociações salariais seriam retomadas somente a partir de setembro, a depender do comportamento da transferência de recursos do Tesouro estadual.

O Cruesp decidiu, segundo comunicado desta sexta-feira, agendar reunião com as entidades sindicais das três universidades, "desde que não haja obstruções e invasões (ocupações) em qualquer dependência" das instituições. O documento, assinado pela presidente do Cruesp e reitoria em exercício da Unesp, Marilza Vieira Cunha Rudge, também pede que o acesso de docentes, servidores e alunos não seja prejudicado nos câmpus das universidades. Ainda não há data para o novo encontro entre o conselho de reitores e as entidades.

Repercussão.

O presidente da Associação de Docentes da USP, Ciro Correia, avaliou a sinalização do Cruesp como positiva. "Esperamos agora que a reunião seja marcada o quanto antes. A nossa postura é sempre de diálogo e negociação, que foi interrompida intempestivamente pelo Cruesp", disse. "E o direito de greve das categorias também precisa ser respeitado", acrescentou Correia.

A greve nas universidades estaduais também teve a adesão dos estudantes, que participaram de protestos que para reivindicar a reabertura das negociações salariais. As categorias pedem 9,78% de reajuste nos vencimentos. Outro pleito é de que os reitores peçam ao governo estadual mais verbas para o ensino superior público paulista.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.