Motoristas mantêm greve e bloqueiam 12 garagens em SP

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 21/05/2014 09:07

Agência Estado

São Paulo, 21 - Motoristas de ônibus de quatro empresas concessionárias do transporte coletivo na cidade de São Paulo mantêm o protesto iniciado ontem que, nesta quarta-feira, 21, paralisa 12 terminais. As empresas são Santa Brígida, Via Sul, Gato Preto e Sambaíba e os terminais parados ou praticamente vazios são Lapa, Vila Nova Cachoeirinha, Casa Verde, Santana e Sacomã.

O Expresso Tiradentes também está parado por causa do protesto dos motoristas e cobradores de ônibus. Além disso o terminal Lapa está fechado.

Durante entrevista para a Rádio Estadão, secretário municipal de Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, afirmou que "Estes manifestantes não foram na Assembleia da categoria nem votaram. Agora estão fazendo isso. Eles são uma dissidência. Esta é uma briga política dentro sindicato, mas que acaba afetando cidade". Tatto defende uma investigação policial para descobrir os líderes dessa manifestação. "Esse grupo não tem interlocutores, as lideranças por não aparecem, não atendem o telefone."

Segundo afirmou hoje o presidente do sindicato de Motoristas e Cobradores(Sindmototoristas), José Valdevan de Jesus Santos, a paralisação dos motoristas de ônibus não tem previsão de acabar.

Ônibus incendiados

Cinco ônibus foram incendiados por volta das 19h desta terça-feira, 20, na Avenida Dona Belmira Marim, no Grajaú, zona sul de São Paulo. O problema, segundo policiais militares da região, teria começado durante um protesto de moradores sem-teto que vivem em uma área conhecida como Barro Branco. Um posto de gasolina foi saqueado, lojas tiveram as fachadas destruídas e caçambas de lixo em chamas foram atiradas no meio da avenida. Por causa do caos generalizado na região, a PM enviou carros e motos da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), Força Tática e Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas (Rocam). Não há relatos de pessoas feridas ou presas.

Segundo a São Paulo Transportes (SPTrans), os ataques que deixaram três veículos queimados e os outros dois parcialmente destruídos não têm relação com a paralisação de motoristas e cobradores de ônibus. Os veículos não transportavam passageiros, mas estavam em movimento, no sentido Terminal Grajaú. Nesta segunda, a operação dos coletivos aconteceu de forma normal na região, segundo moradores.

Protesto

Sem avisar as autoridades e a população de São Paulo, motoristas e cobradores de ônibus estacionaram os veículos nas principais vias da cidade, mandaram os passageiros descer no meio do trajeto e deflagraram nesta terça-feira, 20, uma paralisação surpresa. Os grevistas fecharam 16 dos 28 terminais urbanos municipais da capital e ao menos 205 linhas foram afetadas pelo movimento. O prefeito Fernando Haddad (PT) informou não saber a motivação do protesto e prometeu acionar a Polícia Federal para investigar a ação.