Terminal 3 de Cumbica é aberto com falhas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 12/05/2014 10:07

Agência Estado

São Paulo, 12 - O primeiro dia de funcionamento do Terminal 3 do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, teve problemas de manutenção nos elevadores e nas esteiras rolantes. Em geral, os passageiros elogiaram o novo terminal e destacaram a semelhança com estruturas internacionais. O que mais causou estranheza foi a falta de cadeiras nos saguões.

Acompanhada de seu marido, que é cadeirante, a professora aposentada Maria do Pilar, de 70 anos, teve de enfrentar dois elevadores quebrados e uma esteira rolante interditada ao chegar de um voo de Lisboa. "É o primeiro dia, tudo bem, mas fica complicado assim. Quero ver na Copa", disse Maria.

Para piorar, a amiga que foi buscá-la no aeroporto teve de passar mais de 30 minutos em pé porque não há cadeiras no saguão de desembarque internacional. "Não ter banco para sentar é muito ruim. Basta ver essas pessoas que sentaram no chão", disse a artesã Isaura Araújo Torres, de 65 anos.

De acordo com a GRU Airport, que administra o aeroporto, a ausência de bancos estava prevista no projeto para que os saguões tivessem "amplos espaços livres para facilitar o fluxo de passageiros até o acesso à área restrita". Entretanto, a concessionária admitiu que vai avaliar o funcionamento nos próximos dias para decidir se colocará bancos ou não.

Sobre as esteiras e elevadores quebrados, a GRU Airport informou que está registrando todas as reclamações dos passageiros e informou que o Terminal 3 "está sujeito a ajustes como qualquer obra desse porte".

Surpresa

Se por um lado houve críticas, por outro o terminal de 192 mil metros quadrados, exclusivamente internacional, surpreendeu positivamente a maioria dos que passaram pelo local ontem. "A primeira impressão foi muito boa, é coisa de primeiro mundo", disse a estilista Natalia Maia, de 27 anos.

O empresário português Francisco Pinheiro, de 50 anos, que vem todos os meses ao Brasil, também ficou impressionado. "É uma diferença de estrutura brutal", afirmou.

Apenas três companhias estão no terminal: Lufthansa, Swiss e TAP, que foram responsáveis pelos 13 voos operados ontem. Até a Copa do Mundo, mais cinco companhias estarão no local. A transferência gradual é para evitar "impactos operacionais" na Copa, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.