17°/ 30°
Belo Horizonte,
31/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Prefeitura do Rio faz cadastro das famílias desabrigadas Manifestantes temem que cadastro não dê em nada e protesto perca força

Agência Estado

Publicação: 14/04/2014 17:31 Atualização: 14/04/2014 17:56

Desabrigados retirados de terreno resistem à chuva em protesto em frente à prefeitura (Tânia Rêgo/Agencia Brasil)
Desabrigados retirados de terreno resistem à chuva em protesto em frente à prefeitura

Cerca de 500 pessoas acampadas em frente à sede da prefeitura do Rio, na Cidade Nova, no centro, que estavam no prédio da empresa de telefonia Oi, desocupado na última sexta-feira, 11, formavam longas filas na tarde desta segunda-feira, 14, para embarcar em vans da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS).

O destino é um dos quatro postos de cadastramento na zona norte onde os nomes serão registrados para análise. Aqueles que comprovadamente não tiverem residência serão incluídos em projetos municipais.

A maior parte do grupo aceitou o acordo proposto pela secretaria para a saída da frente da Prefeitura, mas muita gente está desconfiada de que de nada vai adiantar desmontar o acampamento e ter o nome cadastrado. "Meu medo é de ter ficado aqui (acampada na frente da Prefeitura) esse tempo todo à toa", disse a dona de casa Aída Barbosa, de 50 anos. Os descontentes acreditam que a desmobilização vai enfraquecer o movimento e, com isso, será mais difícil conseguir casas para todos.

Mais cedo, a secretaria informou, por meio de nota, que quatro Centros de Referência de Assistência Social (Cras) na zona norte fazem o cadastramento das famílias para inclusão em programas sociais municipais. Segundo a nota, a prefeitura oferece transporte para os desabrigados chegarem aos Cras no Lins de Vasconcelos, Manguinhos, Engenho de Dentro e Cachambi, bairros nos arredores do Engenho Novo, onde fica o terreno da empresa de telefonia Oi.

"A Prefeitura do Rio permanece em diálogo constante com as famílias. As conversas estão sendo conduzidas pessoalmente pelo vice-prefeito e secretário municipal de Desenvolvimento Social, Adilson Pires. Durante todo o fim de semana, diversas reuniões foram realizadas entre representantes da prefeitura e das famílias. Ontem, foi montado um posto avançado em São Cristóvão, para atendê-las, mas ninguém compareceu", diz a nota.

"Na sexta-feira, 11, equipes de assistentes sociais estiveram no terreno no Engenho Novo, mas apenas 177 pessoas aceitaram apoio. Os custos da Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) e da Seconserva (Secretaria Municipal de Conservação)na operação de desocupação serão repassados para a Oi, proprietária do terreno, a fim de que o município seja ressarcido", completa a nota.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Alberto Haas
"Manifestantes temem que cadastro não dê em nada" . Esses aí são "ixpertos", como dizem os cariocas! Descobriram o que todos já sabem à muito tempo. Afinal, não foram eles mesmos que elegeram o atual prefeito? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.