20°/ 35°
Belo Horizonte,
01/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Tropas federais iniciam ocupação do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro Batizada de São Francisco, operação conta com 2,7 mil homens

Agência Brasil

Publicação: 05/04/2014 10:15 Atualização: 05/04/2014 10:49

Operações no complexo intensificam a quase dois meses para a Copa do Mundo (YASUYOSHI CHIBA / AFP)
Operações no complexo intensificam a quase dois meses para a Copa do Mundo

Começou às 6h30 da manhã deste sábado a ocupação das forças federais no Complexo da Maré, na zona norte do Rio. A operação, batizada de São Francisco, tem 2,7 mil homens, sendo 2.050 da Brigada Paraquedista do Exército, 450 da Marinha e 200 da Polícia Militar.

Às 11h, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e o Ministro da Defesa, Celso Amorim, assinarão a formalização do Acordo de Emprego da Força de Pacificação no Complexo da Maré, que vai durar ao menos até o dia 31 de julho. A reunião será no Palácio Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste.

As tropas atuarão em 15 comunidades, em uma área de aproximadamente 10 quilômetros quadrados, e serão comandadas pelo comandante da Brigada de Infantaria Paraquedista, o general de brigada Roberto Escoto.

A sede da Força de Pacificação será no Centro de Preparação dos Oficiais da Reserva (CPOR), situado em uma região próxima ao complexo de favelas. Na operação, os militares usarão a experiência adquirida na ocupação do Complexo do Alemão e na operação de paz no Haiti.

A operação foi motivada por um pedido do governo do estado, por meio do instrumento jurídico de Garantia da Lei e da Ordem, em que o governador autoriza o governo federal a intervir em uma área delimitada. A ocupação precede a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na Maré, que deve ocorrer no segundo semestre deste ano.

Ações antes da ocupação mataram 16 criminosos

As ações policiais no Complexo que antecederam a ocupação da região pelas Forças Armadas resultaram na morte de 16 criminosos, segundo balanço divulgado pela Secretaria de Segurança. Outros oito, sendo dois menores, foram feridos. Houve 36 confrontos entre policiais militares e bandidos, diz a nota.

A operação preliminar durou duas semanas, entre os dias 21 de março e 4 de abril e envolveu as Polícias Militar, Civil, Federal e Rodoviária Federal. As mortes ocorreram durante ações da PM. O balanço aponta ainda 162 prisões e 51 menores apreendidos. Foram apreendidas armas, munições e drogas como maconha, cocaína, crack e heroína.

Na véspera da ocupação da Maré, a Polícia Federal apreendeu armas, munição e drogas transportadas em um caminhão frigorífico na Rodovia Presidente Dutra, altura de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Uma investigação da PF indica que o carregamento, que saiu do Paraná, seria distribuído em favelas que já têm Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), como Jacarezinho, Manguinhos e Rocinha. A intenção era reforçar o poderio dos grupos responsáveis por ataques recentes a UPPs e que resistem à pacificação da Maré.

A operação terminou com a prisão do traficante Illan Nogueira de Sales, o Capoeira. Foram apreendidos seis fuzis, 38 pistolas, munições, carregadores e sete kits de rajada de pistola Glock, que aumentam o poder de fogo da arma. O motorista do caminhão frigorífico teria recebido R$ 10 mil para fazer o transporte.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Woshigton Lima de Carvalho
Tomara que os militares das forças armadas não se corrompem, como fizeram os estaduais e policiais civis. Caso contrário, de nada adianta esta manobra. Se o Rio está deste jeito as forças policiais são as principais culpadas devido à tamanha corrupção desde os tempos do Escadinha... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.