Serviços dos 260 telecentros são suspensos por 15 dias

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 02/04/2014 09:49

Agência Estado

São Paulo, 02 - Os serviços dos 260 telecentros de São Paulo foram suspensos por 15 dias pela Prefeitura. De acordo com a Secretaria Municipal de Serviços, a paralisação

ocorre enquanto toma providências para restabelecer o funcionamento das unidades. Frequentadores reclamaram na terça-feira, 1, ao encontrar as unidades fechadas.

Em nota divulgada no Diário Oficial da Cidade, a secretaria lembra que, em dezembro de 2013, publicou pregão para licitar serviços de operação e manutenção dos telecentros.A licitação foi suspensa por questionamento do Tribunal de Contas do Município, que apontou inconsistências no processo.

Para continuar mantendo os telecentros, a Prefeitura tentou estender o contrato com a Zênega e Instituto Idort, responsáveis pela gestão das unidades.

"Entretanto, a documentação apresentada pela entidade (o Instituto Idort) estava com a validade vencida. Fomos surpreendidos por isso, não restando outra alternativa senão a suspensão das atividades dos telecentros", informa a secretaria, que não teve o mesmo problema com a Zênega.

Procurado, o Instituo Idort disse que não teria tempo hábil para responder aos questionamentos da reportagem.

"Vamos fazer uma reunião na quinta-feira com as entidades sociais e com os secretários de cultura e de educação para tentar resolver o problema o mais

rápido possível", disse ontem o secretário municipal de Serviços, Simão Pedro.

"A história do Idort foi uma surpresa. Na hora de assinar a Renovação do contrato,eles não apresentam a certidão. O contrato terminava e só nos informaram o problema na sexta-feira,porque acreditavam que conseguiriam uma

liminar contra a decisão da Prefeitura", afirmou Pedro. "A medida de contratar

Emergencialmente uma empresa não foi possível. A única saída foi suspender por um período os telecentros." O investimento nos telecentros diminuiu neste ano: estão previstos R$ 25 milhões, ante R$ 38 milhões em 2013.

As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.