Pai avalia segurança para decidir escola, revela censo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 10/03/2014 21:19

Agência Estado

Sorocaba, 10 - A segurança oferecida aos alunos já pesa tanto ou mais que a qualidade do ensino quando os pais matriculam filhos em escolas da rede privada paulista. É o que indicam os números do censo da educação básica na escola particular, do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp).

Segundo o vice-presidente da entidade, José Augusto de Mattos Lourenço, as escolas com itens de segurança mais sofisticados passaram a ser tão procuradas quanto as que têm nota alta nos sistemas de avaliação mais conhecidos. O fenômeno, segundo ele, não se restringe à capital. Em cidades como Limeira, Campinas, Sorocaba e Ribeirão Preto, no interior, as escolas com segurança especializada têm filas de alunos à espera de vagas.

Itens como câmeras, seguranças profissionais e cartões personalizados já não bastam, segundo ele. “Muitos estabelecimentos estão reformando as instalações para que os pais entrem com o carro na escola, em vez de parar na rua”, exemplificou. Algumas já oferecem serviço de motorista com segurança para transportar o aluno entre a casa e a escola.

Dia todo.

Outro indicador dessa tendência, relata Lourenço, é o crescimento na oferta do período integral, em razão da demanda crescente. “Além do ensino, as escolas passaram a oferecer serviços como natação, judô, academia e restaurante para que o aluno não precise se deslocar para outro lugar, ficando a maior parte do dia em um ambiente que os pais consideram seguro”, diz o vice-presidente do Sieeesp.

A maior segurança está entre os fatores que têm levado a escola particular a um crescimento de até 5% ao ano na última década. Na elaboração do censo, apresentado nesta segunda-feira, 10, em Bauru, o Sieeesp analisou os dados levantados em sua rede de escolas e comparou aos números do Ministério da Educação e da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.