Capitania dos Portos investiga acidente com catamarã em Búzios

O acidente com o catamarã da empresa Tour Shop ocorreu na tarde de ontem. Cerca de 35 pessoas, sendo cinco crianças, estavam a bordo, mas todas foram resgatadas com vida

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 05/03/2014 12:00 / atualizado em 05/03/2014 12:49

Estado de Minas

A Capitania dos Portos abriu inquérito para investigar o acidente com um catamarã, que adernou nesta terça-feira (4) na Praia da Tartaruga, em Búzios, na Região dos Lagos fluminense. A investigação deverá ser concluída em 90 dias.

O acidente com a embarcação da empresa Tour Shop ocorreu na tarde de ontem. Cerca de 35 pessoas, sendo cinco crianças, estavam a bordo, mas todas foram resgatadas com vida pelo Corpo de Bombeiros. Segundo a assessoria de imprensa dos bombeiros, uma senhora identificada como Julieta Guimarães, de 73 anos, teve hipotermia e foi encaminhada ao Hospital Municipal Doutor Rodolfo Perissé, em Búzios. Ela foi liberada em seguida.

A catamarã está sendo içada com boias nesta quarta-feira, para então ser rebocada para a marina da cidade. Lá, a embarcação será vistoriada pela Capitania dos Portos. O barco fazia um circuito turístico padrão da empresa, passando pela Praia João Fernandes, pela Ilha Feia e terminando na Praia da Tartaruga. Segundo César Fernandes proprietário da Tour Shop, a tripulação verificou que um dos dois cascos da catamarã (esse tipo de embarcação tem dois cascos chamados de "bananas") estava enchendo de água, quando o barco chegou à ilha.

Em seguida, uma bomba foi acionada. Mas o problema persistiu e, no percurso até a Praia da Tartaruga, a quantidade de água aumentou. Pouco antes de chegar lá, por volta de 15h, o barco adernou (inclinou), pois um dos cascos começou a afundar. Então, todos os passageiros foram ao mar, a uma distância de 1 quilômetro da costa, segundo o Corpo de Bombeiros.

Segundo Fernandes, o barco estava a 300 metros da costa. O catamarã tem capacidade para 40 pessoas, sendo dois tripulantes. O proprietário da Shop Tour classificou o incidente como "fatalidade". "Esse barco foi todo reformado em novembro", disse Fernandes, ressaltando que na própria terça-feira o barca passou por fiscalização de rotina da Capitania dos Portos antes de partir. A Shop Tour ofereceu assistência aos passageiros, segundo Fernandes.

Com Agências
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.