16°/ 30°
Belo Horizonte,
24/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mulher está algemada em uma cadeira há 9 dias no Maranhão Acusada de tráfico de drogas não pode ser transferida para presídios do estado, que estão superlotados ou destruídos

Agência Estado

Publicação: 27/02/2014 14:02 Atualização: 27/02/2014 16:55

Por falta de cela feminina na Delegacia Regional de Codó, distante 220 quilômetros da capital, uma mulher, acusada de tráfico de drogas, está há nove dias algemada em uma cadeira, à espera de uma vaga no Presídio Feminino do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís.

Com prisão preventiva decretada pela justiça, Clenúbia de Souza, de 29 anos, foi presa na noite do dia 19 de fevereiro com o seu companheiro, Juscelino Borges da Silva. A dupla foi flagrada com 14 pedras de crack.

Desde então, Clenúbia não saiu do corredor da Delegacia Regional de Codó e está algemada em uma cadeira a espera de uma vaga em uma prisão feminina. Ela diz que até para ir ao banheiro ela precisa ser acompanhada por carcereiros, pela falta de estrutura. Seu companheiro está recolhido a uma cela na mesma delegacia e também teve prisão preventiva decretada.

Segundo o delegado regional de Codó, Rômulo Vasconcelos, até 22 de fevereiro de 2013, todas as mulheres presas na regional eram transferidas para a delegacia de Coroatá, cidade maranhense distante 178 quilômetros da capital, que tinha celas femininas, porém esta delegacia foi destruída por um incêndio provocado pelos presos durante um motim há pouco mais de um ano e nunca foi recuperada.

Superlotada, a Delegacia Regional de Codó foi projetada para receber apenas presos que estavam sendo interrogados, porém suas duas celas hoje abrigam cerca de 20 presos de três cidades - além de Codó, há homens presos em Timbiras e Coroatá.

Sem alternativas para as mulheres, as detidas ficam esperando por vagas em presídios de outras cidades, como é o caso de Clenúbia. "Nós não temos celas femininas em Codó e estamos esperando que essa vaga seja aberta em São Luís", disse Vasconcelos.

Um fato curioso é que no início da crise do sistema carcerário maranhense, autoridades do estados chegaram a cogitar a possibilidade de desativar o Presídio Feminino do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, para dar mais espaço para detenção de homens. Até o fechamento desta matéria o caso não havia sido resolvido e a acusada continuava algemada a uma cadeira, no corredor da Delegacia Regional de Codó.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Nazaaha Nazaaha
qual o problema, ela é uma das "pessoas" que ajudam bandidos a causar o mal estar social, deveriam deixa-la algemada no chão, para ver se aprende! trabalhar, não quer... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.