18°/ 28°
Belo Horizonte,
17/ABR/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Suspeito de matar cinegrafista com rojão está preso no Complexo de Gericinó Caio Silva de Souza foi detido nesta madrugada, na Bahia. Ele foi levado para o Rio de janeiro e passou por exames no Instituto Médio Legal antes de ser transferido para presídio em Bangu

Agência Brasil

Publicação: 12/02/2014 20:04 Atualização: 12/02/2014 20:57

 (FABIO MOTTA/ESTADAO CONTEUDO)

Caio Silva de Souza, suspeito de ter acendido o rojão que provocou a morte do cinegrafista da TV Band, Santiago Ilídio Andrade, está preso na Cadeia Pública José Frederico Marques, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro, e permanecerá detido na unidade. Antes de ser levado para o presídio, esteve no Instituto Médico Legal (IML), onde fez exame de corpo de delito.


Caio foi preso na madrugada desta quarta-feira, em Feira de Santana, na Bahia. Ele saiu do Rio em direção à cidade de Ipu, no Ceará, mas foi convencido pela namorada a se entregar. Os contatos foram feitos por telefone celular. Segundo o delegado Maurício Luciano, responsável pela investigação da morte de Santiago Andrade, ele tinha dois celulares, vendeu o mais caro para pagar a passagem de ônibus para o Ceará, onde moram os avós paternos. O outro aparelho foi usado para os contatos com a namorada.

O tatuador Fábio Raposo, que estava junto com Caio no momento em que o rojão foi aceso, também está preso no Complexo de Gericinó, mas em outro local. Desde segunda-feira (10), Fábio Raposo encontra-se na Penitenciária Bandeira Stampa. Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) somente a Justiça poderá decidir por quanto tempo eles permanecerão detidos no complexo penitenciário.

O delegado Maurício Luciano disse que recebeu hoje as informações que estavam faltando para formalizar o inquérito. Segundo ele, ainda será colhido o depoimento de uma testemunha antes de o documento ser encaminhado ao Ministério Público. “Foram complementadas quase todas [as informações] hoje, e foram juntados o exame cadavérico da vítima, o laudo de local e o laudo do artefato explosivo. Está faltando apenas o depoimento de uma testemunha, e esperamos enviar o inquérito na sexta-feira (14) ao Ministério Público, devidamente relatado”, disse em entrevista à Agência Brasil.

Quanto às denúncias do advogado Jonas Tadeu Nunes, que representa os dois suspeitos, sobre o aliciamento de manifestantes para atos violentos nas manifestações, e que em troca recebem R$150, o delegado disse que o advogado vem falando à imprensa, mas deveria se dirigir a uma autoridade policial para dar informações sobre o assunto. “O que o advogado está falando pode ser objeto de alguma investigação. Ele tem falado à imprensa. É preciso que ele vá a uma delegacia e diga o que sabe. Ficar denunciando na imprensa, noticiando, não vai resolver. Tem que ir até a delegacia, trazer os elementos que ele tem para fazer tais afirmações, e aí a gente pode investigar de maneira isenta e cautelosa”, esclareceu.

O delegado informou que o advogado não chegou a conversar com ele sobre o assunto. “Não comentou, e comentários a gente não pode levar em consideração, se não for reduzido a termo, se ele não prestar informações como testemunha”, disse.

Maurício Luciano negou que tenha sido formada uma força-tarefa para apurar a possibilidade de aliciamento de manifestantes. O policial explicou que têm ocorrido várias manifestações, e quando há atos de vandalismo e de desordem, elas geram investigações. “Todas as investigações em que há informações sensíveis, contamos com a colaboração dos órgãos de inteligência necessários a alimentar o banco de dados para fazermos as investigações. Portanto, são investigações feitas a partir de investigações, mas não há formação propriamente de força-tarefa".

Por isso, ele destacou que são diferentes dos inquéritos que apuram a morte do cinegrafista e o aliciamento de manifestantes. “O que ficou claro, e eu reforcei esta ideia, é que nós apuramos no caso Santiago um crime de homicídio. Então o que nós fizemos em cinco dias foi identificar a autoria e apresentar a materialidade do crime. A gente não vai misturar investigações que eventualmente venham apurar financiamento para atos de vandalismo em manifestações. Serão objeto de novos inquéritos para que não haja nenhum tipo de prejuízo à investigação que identificou os autores do homicídio do cinegrafista da Bandeirantes”, explicou.

Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.