17°/ 29°
Belo Horizonte,
25/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mais Médicos: ajuda de custo de municípios será vigiada

Agência Estado

Publicação: 11/02/2014 09:49 Atualização:

Brasília (AE), 11 - O Ministério da Saúde vai editar nesta semana uma portaria com regras para o descredenciamento de municípios que descumprirem as regras para a ajuda de custo aos profissionais do Mais Médicos.

A medida é adotada depois de a reportagem revelar, na edição de domingo, 9, que intercambistas instalados nas periferias de grandes cidades e no interior do País estão sem receber os benefícios. Para driblar o problema, os médicos vivem de cestas básicas e moram em “repúblicas”.

A portaria deixa claro quais passos devem ser seguidos no caso de descumprimento das regras: prazo para defesa, prazo para regularização da situação e o descredenciamento, que implicará a retirada do profissional da cidade. A medida faz parte da “operação pente-fino” que o ministro da Saúde, Arthur Chioro, deve lançar para evitar descumprimento das regras do programa.

Municípios que participam do Mais Médicos são obrigados a providenciar alimentação, moradia e transporte para os intercambistas, como contrapartida ao pagamento da bolsa dos profissionais, o que é feito pelo Ministério da Saúde. No entanto, há registros de municípios que não respeitam o acordo.

Até agora, a pasta notificou 37 prefeituras acusadas de não providenciar o auxílio. Desse grupo, 27 regularizaram a situação. Somente uma, Ceará-Mirim, no Rio Grande do Norte, foi descredenciada. O município ficou dois meses sem pagar o auxílio a três médicos integrantes do programa.

Chioro disse acreditar que a lista de municípios denunciados deve aumentar com a “operação pente-fino”. Ele avalia, no entanto, que o crescimento não será muito expressivo.

Em entrevista, afirmou que os problemas constatados são localizados e não comprometem a legitimidade do programa.

As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Marcos Pimenta
Se houvesse relação de trabalho normal, dentro da lei, não seria necessária a participação dos municípios no custeio dos médicos. Voltamos, no caso, ao tempo da senzala! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.