20°/ 35°
Belo Horizonte,
01/OUT/2014
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Após divulgação de vídeo com execução, Cabral condena ação de justiceiros no Rio Jornal do Rio de Janeiro divulgou hoje vídeo que mostra jovem sendo executado no meio da rua. Cabral afirmou que ação de "poder paralelo" não será tolerada

Estado de Minas

Publicação: 06/02/2014 16:11 Atualização: 06/02/2014 16:18

Em meio a novas denúncias de ações de justiceiros no estado, o governador Sérgio Cabral condenou nesta quinta-feira ações do "poder paralelo" e prometeu investigar e prender responsáveis pelos crimes. Hoje, o jornal Extra divulgou um vídeo que mostra homens executando uma pessoa na Baixada Fluminnese.

Vídeo mostra jovem sendo executado no meio da rua (Reprodução/Youtube)
Vídeo mostra jovem sendo executado no meio da rua
No início da semana, um adolescente foi espancado, despido e, posteriormente, preso a um poste pelo pescoço com uma tranca de bicicleta, no bairro de classe média Flamengo, na zona sul da capital. A Polícia Civil investiga o caso e já prendeu 14 suspeitos.

"Nosso governo reagirá a justiceiros, perseguindo e prendendo esses assassinos. Isso é inadmissível", afirmou Sérgio Cabral, após inaugurar uma unidade de saúde, em Duque Caxias, município que também fica na baixada fluminense.

O governador reforçou que repudia qualquer tipo de ação de milicianos e justiceiros e deu como exemplo o combate a esses grupos, durante seu governo. "Quando chegamos eram 20 milicianos presos, hoje são mais de mil, incluindo ex-policiais que foram mandados embora [da corporação]", declarou.

Perguntado sobre a ação policial que deixou seis jovens mortos no Morro do Juramento, na zona norte da cidade, o governador disse que somente a perícia poderá esclarecer as circunstâncias das mortes. "Nossa política de segurança pública tem que ser sempre a da paz. Paz é o nosso caminho", comentou Cabral.

Ele informou que, nos último anos, foi implementado um bônus para policiais que reduzissem crimes violentos como latrocínio e homicídios, além de mortes em confrontos. Os crimes no Morro do Juramento são resultado de uma operação policial que buscava os culpados pela morte de uma soldado da Polícia Militar, no domingo.

O governador deu as declarações ao participar da inauguração de uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) pediátrica no estado. A instalação custou cerca de R$ 450 mil e tem capacidade para atender 350 pacientes até 13 anos por dia.

 

As informações são da Agência Brasil

Tags:

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Afonso reichert
Isso é atitude de animais. O Cabral e a polícia não tem como controlar esse tipo de comportamento, é assutador saber que existem pessoas capazes disso. Tenho a certeza que o governador vai tomar atitudes drásticas em relação a essa atrocidades. | Denuncie |

Autor: sebastião costa
Ô sô Cabral, para acabar com bandido, tem que matar. Essa praga, só prolifera. Hoje no Brasil, uma cidade com 200 mil habitantes, 160 mil é de bandidos. | Denuncie |

Autor: Humberto C B
Aposto que não tomo estes tiros de graça .... | Denuncie |

Autor: Nil matrix matrix
Isto é fruto da era Brizola. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.