10°/ 20°
Belo Horizonte,
31/JUL/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Operação de limpeza remove 3,2 mil litros de óleo do Lago Paranoá em Brasília Ainda é preciso identificar a substância, que atingiu o espelho d'água na última sexta-feira. Por enquanto, não se sabe a proporção do estrago em área militar do reservatório

Arthur Paganini

Publicação: 21/01/2014 11:21 Atualização:

O Corpo de Bombeiros e a Transpetro encerraram as operações de limpeza e contenção da área do Lago Paranoá, em Brasília, atingida por derramamento de óleo na última sexta-feira. A substância vazou de três manilhas da rede de galerias pluviais, no Setor de Clubes Norte. Segundo a corporação, todo o material, ainda de origem desconhecida, foi retirado por barreiras de absorção instaladas no espelho d%u2019água. Dezesseis tambores de metal comportaram os 3,2 mil litros do material não identificado. Ontem, o governo promoveu uma reunião a portas fechadas entre técnicos das instituições que tratam do problema, mas não divulgou, oficialmente, nenhuma informação.

A proporção do estrago ambiental também não foi informada. No entanto, até as primeiras barreiras de contenção serem instaladas no reservatório, no início da tarde de sexta-feira, cerca de 100m do espelho d%u2019água haviam sido contaminados, segundo a Companhia Fluvial do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA). A unidade também atuou na contenção dos estragos, assim como a Transpetro, empresa da Petrobras responsável pelo transporte de petróleo e derivados. Apenas uma barreira de absorção é mantida em uma das três manilhas como precaução a eventuais acidentes. A boia fica entre o Clube Almirante Alexandrino e o Grupamento de Fuzileiros Navais, em área militar protegida pela Marinha.

A Novacap atua no local do incidente com o monitoramento da rede de galerias de águas pluviais, feito por meio de um robô com equipamento infravermelho e capaz de detectar rachaduras nas tubulações. O trabalho foi iniciado no fim de semana, mas as chuvas atrapalharam a conclusão da análise, pois a água que escorreu pelos tubos pode ter lavado o local e deslocado eventuais resquícios do óleo.

Ontem, a máquina operou, mas não identificou a origem do problema. Pelo menos três quilômetros de tubulações foram vistoriados. A avaliação da substância recolhida pelo Instituto Brasília Ambiental (Ibram), ligado à Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), é feita por um laboratório da Universidade de Brasília (UnB) e só deverá ficar pronta em fevereiro.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.