Polícia Civil paulista já ouviu 18 testemunhas de chacinas em Campinas

Como há suspeita da participação de policiais militares na ocorrência, os trabalhos também recebem apoio da Corregedoria da Polícia Militar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 16/01/2014 15:50 / atualizado em 16/01/2014 15:02

Agência Brasil

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo informou nesta quinta-feira que a Polícia Civil já ouviu 18 testemunhas das chacinas ocorridas em Campinas, no início desta semana. A maioria das testemunhas prestou depoimento na terça-feira e as demais, na tarde de quarta-feira. A secretaria não revelou a identidade de nenhuma das testemunhas.

As investigações estão sendo acompanhadas pelo Ministério Público estadual, pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil e pelo Departamento de Polícia do Interior de Campinas (Deinter 2). Como há suspeita da participação de policiais militares na ocorrência – levantada pelas testemunhas –, os trabalhos também recebem apoio da Corregedoria da Polícia Militar.

Por volta do meio-dia do último domingo, o policial militar Arides Luiz dos Santos foi morto, ao reagir a um assalto na periferia de Campinas. Entre as 23h de domingo e as 2 horas de segunda-feira, foram registradas 12 execuções na mesma região, nas partes oeste e sudeste da cidade. A maioria das vítimas foi morta em duas chacinas. Os relatos são de homens encapuzados que usaram pistolas 380 e 9 milímetros para efetuar disparos na a cabeça e no rosto das vítimas.

Foram recolhidas 15 cápsulas no local onde quatro pessoas, com idade entre 17 e 30 anos, foram mortas no Recanto do Sol II. Em outro bairro da periferia de Campinas, Vida Nova, cinco pessoas, com idade entre 20 e 24 anos, foram mortas em um único ataque. Três pessoas foram mortas isoladamente.
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.