SIGA O EM

Volkswagen aposta em carro elétrico para superar 'dieselgate'

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 22/11/2016 16:40

AFP /Agence France-Presse

A Volkswagen anunciou nesta terça-feira sua intenção de se transformar em líder mundial dos carros elétricos antes de 2025, em uma tentativa de deixar definitivamente para trás o escândalo dos motores a diesel adulterados.

O mercado americano, onde o escândalo estourou, terá um papel-chave nessa transformação, segundo o presidente da marca Volkswagen, Herbert Diess, explicando que o objetivo é começar a construir carros elétricos na América do Norte a partir de 2021.

"Em 2025 queremos vender um milhão de carros elétricos ao ano e também ser líderes mundiais em eletromobilidade", disse Diess na apresentação de seu projeto.

"O avanço nos carros será o selo da Volkswagen", disse à imprensa em Wolfsburgo, sede do grupo Volkswagen que também comercializa outras marcas.

A guinada aos carros elétricos será possível com novos investimentos e economias de escala, segundo Diess, e significa também uma tentativa de reinventar-se após o 'dieselgate'.

Na sexta-feira, a Volkswagen já havia anunciado um plano histórico para reduzir 30.000 postos de trabalho e poupar 3,7 bilhões de euros (3,9 bilhões de euros) ao ano até 2020, aumentando ao mesmo tempo o investimento tecnológico nos carros elétricos e sem motorista e em digitalização.

"Nos próximos dez anos nossa indústria precisa se submeter mais do que nunca a mudanças fundamentais", disse Diess, que prevê um avanço significativo dos carros elétricos nos quatro ou cinco próximos anos, estimulado pelas preocupações ambientais.

"Para a maioria dos consumidores, o carro elétrico logo será a melhor alternativa", disse.

A guinada da principal marca do grupo Volkswagen coincide com a vontade de deixar definitivamente para trás sua pior crise da história, quando no ano passado admitiu ter adulterado 11 milhões de veículos a diesel para que parecessem menos poluentes.

Entre os carros afetados estavam modelos Volkswagen, como também de outras marcas do grupo, como Audi, Seat e Skoda.

O escândalo afetou gravemente as vendas e a reputação de uma das companhias alemãs consideradas mais sólidas até então, levando o grupo a registrar perdas pela primeira vez em 20 anos.

"Eletrizar a América"

Mesmo antes do escândalo, a Volkswagen já tinha problemas de rentabilidade por causa dos altos custos e da baixa produtividade.

"A imagem da nossa marca sofreu com a crise do diesel, muita gente já não confia em nós", admitiu Diess, explicando que seu objetivo é "recuperar essa confiança".

Os consumidores americanos foram especialmente duros com a Volkswagen, uma marca que nunca foi muito popular no país.

Isso é algo que a fabricante quer mudar, com uma campanha chamada "Electrify America" que começará a produzir carros elétricos a partir de 2021.

Alguns especialistas, no entanto, são céticos quanto a essa mudança.

O analista Frank Schwope, do banco Nord/LB, lembra que a Volkswagen já concordou em pagar nos Estados Unidos 14,7 bilhões de dólares em compensações após o acordo com as autoridades.

Os Estados Unidos "são um poço sem fundo" para a marca considerando que chegarão novas reclamações, considera Schwope.

Ao contrário, Stefan Bratzel, especialista da indústria do automóvel, é mais otimista. "Não será fácil, mas não é impossível porque na América existe uma cultura das segundas oportunidades", disse à AFP.

Segundo as previsões da Volkswagen, sua nova estratégia deveria triplicar a margem de lucro de 2% de 2015 para 6% em 2025.

Uma meta realista, segundo Bratzel, "considerando que os demais fabricantes já estão conseguindo margens parecidas".



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600