SIGA O EM

Polícia investiga restos mortais em Sete Lagoas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/08/2010 06:26 / atualizado em 06/08/2010 15:12

Arnaldo Viana

A Polícia Civil pode ter em mãos a maior prova de que precisa para concluir com sucesso as investigações sobre o desaparecimento e suposto assassinato da modelo Eliza Samudio, de 25 anos, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes de Souza, também de 25. Fontes não oficiais informaram que restos mortais de uma pessoa teriam sido encontrados em uma gruta na região de Sete Lagoas, município a 70 quilômetros de Belo Horizonte, e estariam sendo analisados pela perícia.

A informação, se confirmada, corrobora as declarações do adolescente J., de 17 anos. Ele contou que a modelo – mãe de um bebê, hoje com 5 meses, suposto filho do jogador –, foi sequestrada no Rio de Janeiro e agredida por ele (o menor) a coronhadas, na Range Rover do goleiro, na viagem para Minas. Em seu primeiro depoimento, ele acrescentou que a jovem foi mantida em cárcere privado em um sítio de Esmeraldas, Grande BH, de propriedade de Bruno e, em seguida, levada à casa do ex-policial Marcos Aparecidos dos Santos, o Bola, em Vespasiano, também na região metropolitana da capital, onde foi executada.

Ainda de acordo com o adolescente, depois do assassinato, uma das mãos de Eliza foi atirada a cães da raça rottweiler e o acusado do crime teria dito que daria sumiço ao corpo da vítima. As últimas informações passadas por anônimos a jornalistas davam conta de que os restos mortais, possivelmente da modelo, estariam enterrados em uma gruta na região de Sete Lagoas. Outra fonte chegou a adiantar que a polícia achou vestígios de corpo humano no local.

Delegados da Homicídios e agentes consultados terça-feira não confirmaram a informação. Peritos da polícia técnica desconversaram. Alguns dados referentes ao local onde poderiam estar os restos mortais, passados pelas fontes anônimas, têm semelhanças com detalhes de outros lugares onde a polícia já havia feito buscas. Ao enviar o inquérito à Justiça de Contagem, o delegado Edson Moreira, chefe do Departamento de Investigações, garantiu que não desistiria de procurar a importante prova.

Justiça

Advogados de defesa do goleiro Bruno estiveram terça-feira no gabinete do juiz Marco José Mattos Couto, da 1ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, para apresentar mais documentos e pedir novamente a revogação da prisão preventiva do jogador e de Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão. O juiz é responsável pelo processo no qual Bruno e Macarrão foram denunciados por agressão e sequestro da modelo, crimes que teriam sido cometidos em outubro de 2009, quando ela ainda estava grávida de um filho que dizia ser do atleta. Os dois também têm prisões decretadas pela Justiça mineira.