Publicidade

Estado de Minas CHEVROLET S10 HIGH COUNTRY 2.8 DIESEL

Detalhes que comprometem

Visual e desempenho são os pontos fortes da versão de topo da picape média, mas, apesar de trazer funções semiautônomas, faltam equipamentos mais importantes


19/09/2020 04:00 - atualizado 19/09/2020 14:47

(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)


A Chevrolet S10 acaba de passar por uma discreta reestilização, que ficou mais abrangente na versão de topo. Apenas quem topar pagar os R$ 213.290 cobrados pela High Country poderá ostentar a picape com dianteira exclusiva, com o nome Chevrolet grafado na barra em preto brilhante ligada aos faróis, e a “gravatinha” dourada deslocada para o lado da grade. A nova dianteira se junta a outros itens exclusivos da versão, como o santantônio que prolonga a carroceria, a capota marítima e as rodas pintadas em preto brilhante.
 
Na versão topo de linha, o nome Chevrolet vem em destaque na frente(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Na versão topo de linha, o nome Chevrolet vem em destaque na frente (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
No interior, o destaque são os assentos revestidos em couro marrom, mesmo material usado em apliques nos painéis das portas e no descanso de braço central. O painel também recebeu um aplique imitando couro com costura aparente. No mais, o acabamento faz uso exagerado de plástico duro. Outra falta é o para-sol do motorista não trazer espelho. Ambos mostram falta de zelo para uma versão de topo que supera os R$ 200 mil.
 
Caçamba tem boas dimensões e proteção de plástico, mas falta iluminação(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Caçamba tem boas dimensões e proteção de plástico, mas falta iluminação (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
O banco do motorista traz ajustes elétricos, mas o volante apenas regulagem em altura. O ar-condicionado digital poderia ter ao menos duas zonas de temperatura, presente em quase todos os concorrentes e em modelos que custam a metade. O banco traseiro tem bom espaço, mas o assento é baixo em relação ao assoalho, desconforto presente em todas as picapes médias. Também fazem falta para os passageiros de trás saídas de ar-condicionado e tomada USB. Essenciais para dar acesso ao veículo, os estribos parecem frágeis e se deformam ao serem pisados (P.S.: Não estou pesando nem 80 quilos!).
 
Muito plástico duro no painel e couro nos bancos definem o acabamento interno(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Muito plástico duro no painel e couro nos bancos definem o acabamento interno (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
A tampa da caçamba ganhou um amortecedor que torna a abertura mais segura, já que agora todo seu peso não é descarregado na mão de um desavisado. Mas, apesar de poder ser trancado com chave e trazer proteção de série, o espaço de carga fica devendo iluminação. A câmera de ré oferece dois sistemas para facilitar o uso do reboque: uma linha guia para alinhar os veículos e uma visão superior para facilitar o acoplamento.
 
As rodas de liga leve escurecidas são de 18 polegadas, com pneus 265/60(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
As rodas de liga leve escurecidas são de 18 polegadas, com pneus 265/60 (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

RODANDO O motor continua o mesmo 2.8 a diesel, de 200cv de potência e 51kgfm de torque, mas com uma nova calibração. O ganho de torque em baixas rotações ficou perceptível e deixou o veículo mais ágil na cidade, quando se usa velocidade mais baixa. Para a estrada, existe potência e torque de sobra para ultrapassagens e retomadas de velocidade. O câmbio automático de seis marchas tem relações bem escalonadas e uma gestão eficiente, com trocas no momento correto. Para o fora de estrada, a picape está equipada com tração 4x4 e reduzida. A S10 High Country traz também assistente de declive, que impede que as rodas travem e o veículo perca o controle.

CONTEÚDO Aliás, os assistentes são outro diferencial desta versão de topo. Os sistemas de detecção de pedestre e de colisão frontal, ambos com auxilio de frenagem, podem prevenir um acidente, mas o alerta é acionado por qualquer motivo, o que não ocorre com a frenagem autônoma. Outra função “inteligente” existente é o alerta de saída de faixa.
 
O conhecido motor 2.8 turbodiesel garante bom desempenho na cidade e estrada(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
O conhecido motor 2.8 turbodiesel garante bom desempenho na cidade e estrada (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
A S10 High Country ainda se destaca pelos airbags frontais, laterais e de cortina, os controles eletrônicos de estabilidade e tração, alerta de pressão dos pneus, assistente de partida em aclive e a partida do motor por controle remoto. Por outro lado, cabe mencionar que a chave presencial não é oferecida nem nesta versão de topo, uma falta grave que se junta a outras já listadas acima.

CONECTIVIDADE O Chevrolet MyLink é equipamento de série na S10 High Country. Seu destaque é oferecer o Wi-Fi nativo, capaz de disponibilizar internet para até sete dispositivos. O preço da assinatura do serviço varia entre R$ 29,90 e R$ 84,90. Segundo o fabricante, uma antena que equipa o veículo garante intensidade de sinal 12 vezes maior que o convencional. Porém, o equipamento não fez a diferença em um trecho de estrada onde sempre falta sinal 4G para o smartphone.
 
O sistema funciona a partir de uma tela tátil de oito polegadas. Outro destaque é a navegação nativa. Ainda é possível espelhar o smartphone sem o uso de cabos pelo Android Auto e Apple CarPlay. O sistema também conta com telefonia. As mídias disponíveis são rádio, Bluetooth, tomadas USB e auxiliar. O Bluetooth pode ser conectado com dois celulares simultaneamente. O sistema OnStar, oferece serviços de emergência, segurança e conveniência.

CONCORRENTES Entre os concorrentes, os que se equiparam à S10 High Country por trazerem funções semiautônomas são: Ford Ranger 3.2 Limited (R$ 219.890), que ainda tem assistente de permanência na faixa de rodagem, reconhecimento de placas de trânsito, controle ativo de velocidade de cruzeiro e farol alto automático; e a Mitsubishi L200 Triton Sport 2.3 HPE-S (R$ 232.990), com alerta de ponto cego, alerta de tráfego traseiro, alerta de mudança de faixa e farol alto automático.
 
Curiosamente a campeã Toyota Hilux 2.8 SR-X (R$ 229.140) é a segunda mais cara e a que oferece menor nível de equipamentos, mas ao menos traz chave presencial e ar-condicionado para os passageiros do banco traseiro. A Volkswagen Amarok 2.0 Highline (R$ 223.300) se destaca apenas pela frenagem pós-colisão e bancos dianteiros com regulagem elétrica, mas fica devendo airbags de cortina e chave presencial. Já a Nissan Frontier 2.3 LE (R$ 218.990) não oferece conteúdo semiautônomo, mas tem bom nível de equipamentos, com destaque para o teto solar e a visão 360 graus.
 
FICHA TÉCNICA

MOTOR
Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 2.776cm³ de cilindrada, turbodiesel, que desenvolve potência máxima de 
200cv a 3.400rpm e torque máximo de 
51kgfm a 2.000rpm

TRANSMISSÃO
Tração 4x4, com reduzida e câmbio automático de seis marchas, com opção de troca manual

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, com braços articulados e barra estabilizadora; e traseira do tipo eixo rígido, com feixe de molas semielípticas 
de dois estágios/7,5 x 18 polegadas (alumínio)/265/60 R18

DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cremalheira, 
com assistência elétrica

FREIOS
A discos na frente e tambores na traseira, com sistema antiblocante (ABS), distribuição da força de frenagem (EBD) e assistência de frenagem de emergência (BAS) nas quatro rodas

CAPACIDADES
Tanque de combustível, 76 litros; capacidade de carga (passageiro e carga), 1.108 quilos

DIMENSÕES (*)
Comprimento, 5,36m; largura, 1,87m; altura, 1,83m; distância entre-eixos, 3,09m

MEDIDAS DA CAÇAMBA (*)
Comprimento, 1,48m; largura, 
1,53m; altura, 46cm

PESO (*)
2.042 quilos

PERFORMANCE (*)
Velocidade máxima: ND
Aceleração até 100km/h em 10,1 segundos

CONSUMO (**)
Cidade, 8,3km/l
Estrada, 10,6km/l

(*) Dados do fabricante
(**) Dados do Imnetro
ND: Não divulgada

EQUIPAMENTOS

DE SÉRIE: Airbags frontais, laterais e de cortina; alarme; alerta de detecção de pedestre frontal com auxílio de frenagem; alerta de colisão frontal; alerta de pressão dos pneus; assistente de partida em aclive; alerta de saída de faixa; cintos de segurança de três pontos e apoios de cabeça para todos os ocupantes; controle eletrônico de estabilidade e tração; faróis e lanterna de neblina; luz de condução diurna; protetor de cárter; regulagem de altura dos faróis; sistema de imobilização do motor; tampa traseira com chave; capota marítima; estribos laterais; rack de teto; santantônio exclusivo; acendimento automático dos faróis; ar-condicionado digital; volante com regulagem em altura; computador de bordo; controlador de velocidade de cruzeiro; controle de velocidade em declive; desembaçador elétrico do vidro traseiro; retrovisor interno eletrocrômico; retrovisores com ajustes e rebatimento elétrico; partida do motor por controle remoto; sensor de chuva; sensores de estacionamento dianteiro e traseiro; vidros elétricos; antena no teto; câmera de ré; sistema multimídia; banco do motorista com regulagem elétrica; bancos revestidos em couro.

OPCIONAIS
Pintura metálica (R$ 1.800).

QUANTO CUSTA?
A Chevrolet S10 2.8 turbodiesel 4x4 automática High Country, com cabine dupla, custa R$ 213.290. Com o opcional listado, o preço da unidade testada chega a R$ 215.090.


NOTAS (0 a 10)

Desempenho 8
Espaço interno8
Caçamba 8
Suspensão/direção 8
Conforto/ergonomia  8
Itens de série/opcionais  7
Segurança 8
Estilo  9
Consumo 7
Tecnologia 9
Acabamento 7
Custo/benefício 7 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade