Publicidade

Estado de Minas

Grandalhão marrento

Versão esportiva do SUV da marca americana não chama a atenção só pelo visual, já que tem desempenho empolgante, além de bom espaço interno e importantes itens de segurança


postado em 03/08/2019 04:09

Modelo tem detalhes em preto na dianteira e na traseira, além de faróis e lanternas com LEDs(foto: enio greco/EM/D.A Press)
Modelo tem detalhes em preto na dianteira e na traseira, além de faróis e lanternas com LEDs (foto: enio greco/EM/D.A Press)


Quando se fala de SUV, normalmente, os primeiros pontos importantes que vêm à cabeça são espaço e conforto. Mas, de uns tempos para cá, vem aumentando o desejo por modelos desse segmento com desempenho esportivo. E já existem algumas opções no mercado, entre elas o Ford Edge ST, primeiro modelo com essa sigla a desembarcar no Brasil. Com um imponente motor V6 de 335cv e 54,5kgfm de torque, o grandalhão não “amarela” na performance e faz do carro familiar um foguete prazeroso de dirigir. Com acabamento sofisticado e sistemas de auxílio à condução, o SUV da Ford se aproxima muito de concorrentes alemães, mas com preço “um pouco” mais baixo.
 
O Edge passou a ser comercializado no Brasil somente na versão ST, ou Sport Technologies, que é preparada pela divisão de veículos especiais Ford Performance, de onde também saem modelos com as siglas RS, GT e Raptor. O primeiro a ganhar a chancela ST foi o Mondeo, em 1997, mas depois vieram o Focus e o Fiesta, porém, comercializados somente nos EUA, Europa e Ásia. Agora foi a vez de o Edge ST romper barreiras e chegar em território brasileiro, como versão única, voltada para performance e tecnologia.

VISUAL A esportividade da versão é denunciada de cara pelas letras ST pintadas de vermelho na ampla grade tipo colmeia em preto brilhante. A parte inferior do para-choque tem entrada de ar no mesmo estilo e as molduras dos faróis de neblina pintadas de preto completam o conjunto. Os faróis espichados com LED e luz diurna reforçam o aspecto aerodinâmico do SUV de grandes dimensões. Destaque também para as rodas de liga leve de 21 polegadas, cinco raios duplos, pintadas em preto brilhante e calçadas com pneus de perfil baixo, enfatizando a esportividade.
 
Um detalhe em preto contorna toda a parte inferior do veículo e nas portas funciona como uma saia, que raspa facilmente em calçadas mais altas. Na traseira, os detalhes em preto voltam a aparecer, mas o destaque fica por conta do defletor de ar superior e as duas saídas de escape em alumínio. As lanternas horizontalizadas também contam com LEDs. O modelo traz de série o teto solar panorâmico com cortina protetora, mas apenas a parte dianteira de vidro abre.

CONFORTO O SUV impressiona pela boa lista de equipamentos. Ele tem chave presencial e sistema de abertura das portas por meio de senha que pode ser digitada nos números que aparecem na coluna. Para abrir o porta-malas, que tem generosos 600 litros de volume, basta apertar uma tecla na chave ou simplesmente passar o pé sob o para-choque traseiro, naquelas situações em que as mãos estão ocupadas. O movimento pode ser repetido para fechar ou então basta apertar uma tecla na parte interna da tampa. O compartimento de carga leva tranquilamente toda a bagagem da família e ainda traz iluminação e revestimento de borracha bem resistente.
 
Conforto também é destaque no Edge ST, que tem bancos dianteiros anatômicos, com abas laterais, regulagens elétricas e aquecimento. Já o banco traseiro é bipartido e conta com encosto reclinável e saídas de ar-condicionado, o que garante conforto em viagens mais longas. Como na maioria dos automóveis, o espaço no meio do banco traseiro é prejudicado pelo túnel no assoalho e pelo console embutido no encosto, que causa desconforto para quem vai ali. Mas no quesito segurança, os sistemas de fixação de cadeiras infantis estão presentes. Sem falar nos oito airbags, que são de série, e o sistema de assistência de emergência, que faz uma ligação automática para o Samu em caso de acidente com acionamento das bolsas infláveis ou corte de combustível, por meio de um celular pareado.
 
O acabamento interno é de boa qualidade, com couro e tecido aveludado revestindo os bancos. O painel tem material emborrachado e detalhe imitando fibra de carbono. O painel de instrumentos tem duas telas configuráveis de 4,2 polegadas que podem ser alteradas por meio dos comandos no volante. Ali o motorista visualiza as informações do computador de bordo e do sistema de navegação. E por meio das teclas no volante, que tem ajustes elétricos de altura e distância, o motorista acessa sistemas de auxílio à condução como monitoramento de ponto cego com alerta de tráfego cruzado, sistema de permanência em faixa, alerta de colisão com assistente autônomo de frenagem, auxiliar de manobras evasivas, piloto automático adaptativo com Stop & Go e estacionamento automático.

DIRIGINDO Mas o grande destaque do Edge ST é o conjunto mecânico. O modelo traz um eficiente motor 2.7 litros, V6, biturbo, de 335cv e empolgantes 54,4kgfm de torque. O propulsor garante força bruta já em baixas rotações, proporcionando arrancadas rápidas e retomadas de velocidade seguras. A resposta ao comando do acelerador é imediata e, apesar de pesar mais de duas toneladas, o SUV grandalhão sai da inércia e imprime velocidade muito rápido, numa performance verdadeiramente esportiva.
 
O câmbio automático de oito marchas é comandado por um botão giratório no console e tem ao centro a tecla S, que garante desempenho ainda mais esportivo. As trocas de marchas são muito suaves e, dependendo da pressa do motorista, muito rápidas também. Podem ser feitas também por meio das aletas atrás do volante, ideais para os puristas que não abrem mão do comando. Quando a tecla S é acionada, até o ronco do motor muda e a pressão do turbo marca presença e empurra o corpo contra o encosto do banco. Uma sensação prazerosa para quem curte a direção mais esportiva.
 
O pacote do Edge ST inclui também suspensões recalibradas, mais rígidas, com barra estabilizadora maior, além de centro de gravidade mais baixo. O resultado prático é muita estabilidade em curvas e a sensação de voar rente ao chão. Por outro lado, o SUV ficou mais duro e transfere qualquer irregularidade do solo pra dentro da cabine, causando desconforto. A tração é AWD integral sob demanda, distribuindo o torque entre as rodas de acordo com a necessidade. A direção elétrica tem boa calibragem, mas o diâmetro de giro menor, as rodas grandes e as dimensões avantajadas do SUV dificultam as manobras em espaços pequenos. O sistema de freio com disco nas quatro rodas segura o “boizão” com total segurança.
 
Em termos práticos, o Ford Edge ST é um SUV esportivo com belo visual, bom acabamento, generosa lista de equipamentos e com um conjunto mecânico eficiente. O preço de R$ 299 mil até deixa de ser salgado quando comparado com o de seus concorrentes alemães, que podem até oferecer um pouco mais em conteúdo e tecnologia, mas não estão tão distantes do grandalhão da Ford.


Publicidade