Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

A aposta certa

O mundo está às voltas com mudanças nos meios de propulsão veicular e o vilão da vez passa a ser o CO²


postado em 29/06/2019 04:12

Em 1979, a Fiat apresentou o primeiro carro brasileiro 100% a etanol: o compacto 147(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press %u2013 13/7/06)
Em 1979, a Fiat apresentou o primeiro carro brasileiro 100% a etanol: o compacto 147 (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press %u2013 13/7/06)

 

 

Na próxima semana, a Fiat vai relembrar os 40 anos da homologação do primeiro carro brasileiro 100% a etanol. Em julho de 1979, o compacto 147 foi apresentado à então Secretaria de Tecnologia Industrial. Começou, então, o período superior a 10 anos de participação ativa do combustível renovável no mercado brasileiro. Atualmente, o mundo está às voltas com mudanças nos meios de propulsão veicular e o vilão da vez passa a ser o CO², um dos gases de efeito estufa.


Passadas quatro décadas, o protagonismo do etanol volta graças ao conceito chamado em inglês from well-to-wheel, que alguns leitores pedem para explicar melhor. Em tradução livre, “do poço à roda”. Significa medir emissões de CO² desde a obtenção do combustível (em sua forma bruta), transporte e refino até a combustão nos motores e escapamento do veículo. É o chamado ciclo de vida fechado. O biocombustível da cana-de-açúcar consegue “capturar” de 70% a 80% do CO² por meio da fotossíntese no processo de crescimento da planta. Alcançará até 100% de captura com etanol de segunda geração.


Esses aspectos e outros foram realçados na Ethanol Summit 2019, semana passada, a conferência bienal e internacional organizada em São Paulo pela Única (União da Indústria de Cana-de-açúcar). Este ano, o mais importante foi a assinatura, no evento, do programa Renovabio, do Ministério de Minas e Energia. Estimulará novos investimentos no setor por meio de compra de créditos de carbono para autossustentar a produção de bioetanol, biodiesel e até biometano.


Várias propostas estão em pauta: nova especificação do etanol, preços mais competitivos e motores específicos. Em curto prazo, a mais promissora está nos veículos híbridos flex. Toyota sairá na frente, já em outubro próximo, quando lançará o Corolla nessa configuração, primeira do tipo no mundo.


Países europeus vêm forçando solução puramente elétrica em grande escala. Há razões estratégicas para isso ao depender menos do petróleo, mas esquecendo de conseguir lítio de poucas fontes para fabricar baterias. Deverão enfrentar, ainda, processos caros de geração de energia elétrica de fontes de baixa emissão de CO².
Para ter ideia da encrenca, em 2030, um típico carro elétrico europeu poderá emitir 82 gramas de CO²/km, quando se avalia pelo critério correto “do poço à roda”. Exigirá grande esforço financeiro para recarregar baterias a partir de fontes “limpas” como vento, sol e termonuclear.


No mesmo ano, fim da próxima década, com avanços do Rota 2030, um automóvel brasileiro híbrido a etanol que exigirá apenas uma bateria pequena, não necessariamente de íons de lítio, mais barata e fácil de reciclar, emitirá somente 14g CO²/km. Um típico burocrata europeu, desses que querem impingir uma solução a qualquer custo, pode fingir que não entendeu. Ele acha que, um dia, não se sabe quando, toda a energia elétrica no continente não dependerá mais do petróleo. Não importa o custo dessa aposta e outros problemas por resolver.


O Brasil tem extensão territorial, terras férteis, água e sol em abundância como nenhum outro país. Portanto, cada um faça suas escolhas. O tempo demonstrará quem está certo.

 

alta roda

 

EMBORA a Renault nunca tenha confirmado oficialmente, o mercado considerava como certa a produção no Brasil do crossover-cupê Arkana em 2020. Houve estudo, de fato, mas a marca francesa desistiu. O planejamento concluiu que seria inviável, entre outros motivos, pelo preço não competitivo. Arkana será produzido na Rússia e na Coreia do Sul.

INFORMAÇÕES mais recentes dão conta de que não foi só o governo francês a atrapalhar  a proposta de fusão da FCA com a Renault. No Japão, a ideia também descontentou o governo, mesmo sem este ter qualquer participação no grupo Nissan-Mitsubishi. A FCA anteriormente havia conversado com a Ford, sem sucesso, como acaba de admitir o chefão Bill Ford.

PEUGEOT 2008 recebeu leve atualização frontal, ganhou 1 grau no ângulo de entrada (passou a 23°) e acabamento interno melhorado. Com motor 1.6 de aspiração natural e câmbio automático de seis marchas, tem desempenho e consumo apenas regulares. Ótimos o teto solar panorâmico e o volante ovalado de diâmetro reduzido, que permite visualizar melhor os instrumentos.

ASSOCIAÇÃO Brasileira de Bebidas (Abrabe) se encarregou de lembrar que no último dia 19 a chamada Lei Seca completou 11 anos e ajudou a reduzir em 14% o número de mortes no trânsito. O percentual pode parecer baixo, mas segundo dados do Sindipeças, a frota de veículos leves e pesados (sem incluir motos) cresceu no período quase 60%. Resultado muito bom.

SEGURADORA Zurich anunciou semana passada produtos específicos para veículos híbridos e elétricos, incluindo opção de cobertura de cabos de carregamento e oficinas especializadas. Esta semana, o Itaú Unibanco lançará financiamento a juros reduzidos para essa categoria. Operações do tipo começaram com Jaguar i-Pace e agora para todas as outras marcas nesses nichos.


Publicidade