Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Percalços da tecnologia

Acham, entretanto, que o conceito de propriedade de um veículo vai morrer em breve


postado em 11/06/2019 04:10

Uber continua apostando em condução autônoma para não depender de motoristas(foto: Angelo Merendino/AFP)
Uber continua apostando em condução autônoma para não depender de motoristas (foto: Angelo Merendino/AFP)

 

 

Empresas ligadas à tecnologia da informação (TI) estão sob a mira de governos dos dois lados do Atlântico Norte. Apple, Facebook, Google e até a gigante do comércio digital Amazon perderam, nos últimos dias, em conjunto, nada menos que US$ 131 bilhões de valor de mercado. É 50% superior à capitalização em bolsa de valores do Grupo VW-Porsche, o maior do mundo em produção e vendas de veículos. Ou quase o valor da Toyota (US$ 166 bi), na cotação em 4 de junho.


Entre os problemas gerados pelo gigantismo estão, principalmente, a privacidade dos usuários e a tendência monopolista. Já se fala até em cisão induzida dos grupos, como aconteceu há um século na indústria do petróleo. Ou seja, de tempos em tempos a história se repete.


No setor de mobilidade o cenário é um pouco menos exuberante. Acham, entretanto, que o conceito de propriedade de um veículo vai morrer em breve. E quase todos vão preferir usar aplicativos de transporte ou, simplesmente, alugar um carro por curtos períodos (até por horas). Nos EUA, por exemplo, o leasing é muito utilizado, mas nem por isso o desejo de posse de um automóvel considerado “seu” sofreu grandes abalos. Não há indícios de que isso mude tão cedo. Na Europa, compartilhamento parece mais palatável.


Vamos tomar o exemplo do Uber. Seu principal concorrente nos EUA, Lyft, decidiu antes abrir seu capital, porém suas ações desvalorizaram 30%. Uber até agora nunca teve um ano lucrativo, porém continua apostando em condução autônoma e assim náo depender de motoristas. Pouco antes de abrir seu capital na Bolsa de Nova York, há cerca de um mês, a empresa foi cautelosa ao advertir que se trata de tecnologia cara, consome tempo de desenvolvimento e até admitiu deixar de alcançar todos os objetivos.


Esses “ataques de sinceridade” são normais nesses casos. Sua capitalização inicial foi inferior ao estimado, em parte por um momento ruim na bolsa nova-iorquina. Agora, contudo, se recuperou para algo em torno de US$ 60 bilhões.
Algumas vozes discordantes surgem sobre a real consequência no trânsito urbano. Estudo publicado há menos de um mês nos EUA mostra que piorou em São Francisco e em outras grandes cidades. A pesquisa concluiu que os diversos aplicativos concentram a demanda em áreas muito congestionadas e em horários de pico.


Aqui, também acontece. Usuários perceberam casos de ficar menos caro chamar um carro do que pagar a tarifa de transporte público. Isso se tornou explícito depois de o Uber “inventar” a modalidade Juntos, apenas a versão modernizada do antigo lotação em táxis ou veículos particulares.


Essas empresas de tecnologia, em geral, apresentam relacionamento com os clientes um tanto pusilânime. Em caso de reclamação se “escondem” atrás de comunicação somente por escrito, em troca de mensagens ou chats que parecem não ter fim. Contatos por voz, muitas vezes, são mais fáceis de resolver, mas procuram evitar a todo custo. Acaba por gerar irritação.


Experimente, por exemplo, apontar rotas inadequadas de aplicativos que tanto ajudam no dia a dia, mas que te levam ao lado errado da rua do seu destino. Período de lua de mel um dia acaba...

 

alta roda

 

 

HYUNDAI dá pistas sobre a segunda geração do HB20, que deve chegar em outubro próximo. Espaço interno aumentará graças a 3cm extras na distância entre-eixos. Porta-malas também ficará um pouco maior. Novidade mecânica é o motor de 1  litro  turbo (120cv) e injeção direta (hoje, indireta, menos eficiente). Atualização estilística chega depois de sete anos no mercado.

MOTOR turbo de 1,5 litro e 173cv (apenas a gasolina, não é ideal) tornou o Honda HR-V um dos três mais rápidos SUVs compactos. Melhorias no acabamento, teto solar panorâmico e todas as luzes em LED destacam-se. Merecia conjunto de rodas exclusivo. Escapamento duplo diminuiu um pouco o porta-malas. Boa evolução no câmbio. Preço destoa: R$ 139.900.

VENDAS de automóveis e veículos comerciais leves e pesados ainda em ascensão. Nos primeiros cinco meses deste ano cresceram 12,5% em relação ao mesmo período de 2018. Os números foram ajudados pela recuperação forte de caminhões e ônibus. Presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., avalia estagnação nas expectativas até a conclusão das Reformas.

FORD abriu o leque na sua oferta de modelos da linhagem FreeStyle. Para o ano-modelo 2020, o Ka hatch oferece agora motor de 1 litro e preço menor: R$ 56.690 (câmbio manual). No caso do EcoSport, ao contrário, há uma versão mais cara que vai de R$ 87.290 a R$ 93.290. Cor preta está no teto, colunas, grade, molduras dos faróis de neblina e retrovisores.

VINTE anos no mercado de rastreamento veicular levou a Ituran a atribuir o maior avanço neste setor ao recurso de Big Data. Análise e interpretação de grandes volumes de dados, de modo contínuo, acelerou o processo de localização e recuperação de veículos furtados ou roubados. Também ajudou na precificação menor do seguro pela precisão das informações.


Publicidade