Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

EcoSport sem mochilinha

SUV ganha versão sem o estepe pendurado na tampa traseira. Mudança foi possível graças à adoção de pneus run flat, que, mesmo furados, permitem que o veículo continue rodando


postado em 02/02/2019 05:10

(foto: Ford/Divulgação)
(foto: Ford/Divulgação)




Marca registrada do modelo, o Ford Ecosport acaba de perder o estepe pendurado na tampa traseira, mas só na versão topo de linha Titanium. O pneu sobressalente naquela posição sempre foi alvo de diversas críticas – seja por estar mais acessível para furto, por deixar a tampa traseira mais pesada e até causar um baita estrago no veículo de trás no caso de uma manobra desatenta – mas, em uma escala bem maior, sempre foi um importante elemento de design para o modelo, verdadeiro fator decisivo para a escolha dele.

Independentemente da sua opinião sobre a “mochilinha”, o fato é que a retirada do estepe deu outra cara à traseira do EcoSport, que ganhou um estilo mais urbano. Porém, caso o cliente prefira aquele jeitão mais jipinho, todas as demais versões continuam com o sobressalente colado na tampa traseira, principalmente a versão aventureira Storm, com diversos adereços e tração nas quatro rodas.

Mas para onde foi o estepe subtraído da versão Titanium? Para lugar nenhum. O projeto do EcoSport nem prevê um local para guardar o sobressalente. Afinal de contas, não há espaço de sobra no modelo. A versão agora calça pneus do tipo run flat, que, mesmo furados ou rasgados, permitem que o veículo continue rodando por 80 quilômetros a velocidades de até 80km/h. Para complementar, o veículo traz de série um kit de reparo do pneu, dotado de um selante e um compressor de ar com manômetro, que permite rodar mais 200 quilômetros.

MOTOR
O EcoSport Titanium agora está equipado com motor 1.5 flex de três cilindros – com potências de  130cv (com gasolina) e 137cv (com etanol) e torques de 15,6kgfm e 16,1kgfm –, no lugar do  2.0, que hoje só equipa a versão Storm. O câmbio é automático de seis marchas, com opção de trocas manuais por aletas localizadas próximas ao volante. A adoção de pneus run flat exigiu uma recalibração da direção, já que este tipo de pneu é mais pesado (cerca de 2 quilos), e um novo ajuste da suspensão traseira, devido à perda de peso final (menos 13 quilos).

CONTEÚDO A versão Titanium custa R$ 103.890, e traz de série teto solar elétrico, sete airbags, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, sistema de monitoramento de ponto cego e tráfego cruzado, ar- condicionado digital, bancos em couro, chave presencial (para destravar as portas e ligar o motor), sistema multimídia com tela de 8 polegadas, sensor de chuva, rodas de liga leve de 17 polegadas, faróis de xênon e luzes diurnas de LED.

As demais versões do modelo também tiveram os preços ajustados: a de entrada SE 1.5 manual custa R$ 78.990; a SE 1.5 automática, R$ 84.990; a intermediária FreeStyle 1.5 manual tem preço sugerido de R$ 85.890; com câmbio automático, a mesma versão custa R$ 91.890; já o aventureiro Storm 2.0 automático 4x4 custa R$ 108.390. O EcoSport, precursor no segmento dos SUVs compactos, está em sua segunda geração. Com a chegada de muitos concorrentes no segmento que mais cresce, o modelo passou por uma reestilização que deixou o interior mais requintado e somou muito em conteúdo. Seu principal problema é o espaço interno da cabine e o porta-malas.

* Viajou a convite da Ford


Publicidade