Publicidade

Estado de Minas

Careta que queria ser livre

Hebe Camargo foi cantora, atriz, comediante, mas como apresentadora conquistou o país. Determinada, era considerada à frente de seu tempo, apesar de se assumir conservadora


26/07/2020 04:00

(foto: Fábio Rocha/Divulgação )
(foto: Fábio Rocha/Divulgação )
Figura icônica, Hebe Camargo (1929-2012) nasceu em Taubaté, no interior paulista. Foi cantora, atriz, comediante e apresentadora. Traçou uma trajetória que uniu coragem, força de vontade e carisma. Sem medo de dizer o que pensava e de correr atrás de seus sonhos, conquistou seu espaço e tornou-se um dos símbolos da TV brasileira. Os bate-papos em seu sofá revelaram boas histórias nas noites de segundas-feiras, no SBT/Alterosa, durante anos. Ela lutou pelo direito de se posicionar sobre tudo que acreditava ser importante, como discutir o aborto, o gênero e situação das mães solteiras, entre outros assuntos, sempre considerados inapropriados e polêmicos. Para Hebe,  liberdade de expressão era lei.

A trajetória desta mulher determinada, que morreu aos 83 anos, é contada na série Hebe, que estreia dia 30, na Globo. Dividida em 10 episódios, a produção – criada e escrita por Carolina Kotscho e com direção de Maurício Farias e Maria Clara Abreu – vai ao ar às quintas-feiras, após Fina estampa. No elenco, Andréa Beltrão faz a fase madura da apresentadora; Valentina Herzage, a jovem; e Marco Ricca interpreta o segundo marido de Hebe, Lélio Ravagnani.

Para viver Hebe, Andréa teve que assistir a vários vídeos e filmes, além de conferir inúmeras fotos e ainda ouvir as músicas cantadas pela apresentadora. A atriz ressalta que as contradições e as ambiguidades de Hebe lhe chamaram a atenção. “Ela foi uma mulher exuberante, solar, mas insegura. Avançada, porém, conservadora.”

A atriz confessa que se apaixonou pela personagem e pela coragem de Hebe. “Foi muito difícil interpretá-la, mas me senti muito apoiada pela equipe de criação e tudo foi levado para que chegássemos a um lugar de interpretação e releitura livre dela. E conseguimos. Esse trabalho teve essa alegria de conseguir construir uma mulher que era mãe, filha, careta e queria ser livre."

Andréa diz que fazer Hebe não foi uma tarefa fácil. “Ela era uma pessoa muito famosa, talvez a maior apresentadora do Brasil, uma comunicadora imensa, paulista e, por outro lado, sou bastante carioca. Sobre as questões das contradições dela, quero dizer que também tenho as minhas. Então, entendo o que é ser uma pessoa contraditória. Acho que ela se expunha muito, tudo nela era muito visível e eu, talvez, por ser uma pessoa mais reservada, o público não conheça tanto as minhas contradições”, compara.

Já Valentina Herzage afirma que assistiu a quase todas as filmagens de Andréa Beltrão para o longa Hebe – A estrela do Brasil. “Quando comecei a minha preparação, ela embarcou comigo para que pudéssemos construir, de forma dinâmica, as duas Hebes, ajudadas por nossas preparadoras maravilhosas. Uma coisa que achei desafiadora foi imitar o sotaque paulista de Hebe, pois sou muito carioca. Na verdade, tinha poucas referências dela jovem e tinha que trabalhar a fala e a musicalidade. Acho que fazer a fase jovem foi muito legal porque me identifico com a curiosidade que ela tinha das coisas”, revela a atriz.

O ator Marco Ricca interpretou a personagem central na vida de Hebe, Lélio Ravagnani. "Sou paulista e conheci Hebe, chegando até a ir por duas vezes ao programa dela. Tínhamos pensamentos políticos diferentes, eu militante de esquerda e ela, de direita. Mas se vamos fazer um personagem que já existiu, temos que achar uma pessoa com a energia dessa personagem e acredito que Andréa chegou nesse lugar com a Hebe.”

CONTRADIÇÕES Para o diretor artístico Maurício Farias, o trabalho foi desafiador. "Hebe era uma mulher de muitas qualidades e contradições e viveu muito à frente do seu tempo. A televisão tem o poder de falar para milhões de pessoas.” Já a diretora Maria Clara Abreu ressalta a importância da figura da apresentadora. "Sinto que estamos falando de uma alma e um percurso feminino, caminhando com todas as questões do que é ser mulher", pontua.

Completando o elenco, estão os atores Gabriel Braga Nunes, Danton Mello, Ângelo Antônio, Walderéz de Barros, Daniel de Oliveira e Emílio de Mello, entre outros. Camila Morgado e Otávio Augusto fazem participações.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade