Publicidade

Estado de Minas

Laços inspiradores

Éramos seis destaca a importância da solidariedade. Protagonista, Gloria Pires diz que novela fará pessoas lutarem por seus propósitos


postado em 29/09/2019 04:00

Isabel (Maju Lima), Carlos (Xande Valois), Julinho (Davi de Oliveira), Júlio (Antonio Calloni), Lola (Gloria Pires ) e Alfredo (Pedro Sol) na primeira fase de Éramos seis, que estreia na faixa das 18h (foto: Raquel Cunha/Globo)
Isabel (Maju Lima), Carlos (Xande Valois), Julinho (Davi de Oliveira), Júlio (Antonio Calloni), Lola (Gloria Pires ) e Alfredo (Pedro Sol) na primeira fase de Éramos seis, que estreia na faixa das 18h (foto: Raquel Cunha/Globo)
Quando escreveu o livro Éramos seis, lançado em 1943, Maria José Dupré certamente não fazia ideia do alcance que sua história teria. Estreia nesta segunda-feira (30), 76 anos depois, a quinta adaptação para a TV do romance. A nova novela das 18h da Globo explora a saga da família Lemos, principalmente entre as décadas de 1920 e 1940. E é narrada pela personagem principal, Lola, uma mãe de quatro filhos que precisa aprender a lidar com as perdas e as transformações que sua vida passa ao longo dessa trajetória.

A batalhadora e sensível tricoteira já foi vivida por Gessy Fonseca na RecordTV, em 1958; por Cleyde Yáconis na Tupi, em 1967; por Nicette Bruno, também na Tupi, em 1977; e por Irene Ravache no SBT, há 25 anos. Agora, depois de um ano fora do ar e reservada especialmente para a função, Gloria Pires encarna a heroína. Na trama, ela é casada com Júlio (Antonio Calloni) e os dois lutam para honrar as prestações da nobre casa que decidiram comprar na Avenida Angélica, na Zona Central de São Paulo, que exige o pagamento de juros anuais altíssimos.

"A novela é sobre os laços que se estabelecem na vida e a importância da solidariedade num contexto que pode ser adverso. É sobre Lola, como ela faz para manter a união e a harmonia familiar. Sobre a força dessa mulher e de sua família, que vive com poucos recursos, mas cercada de amor", explica a autora Angela Chaves.

Éramos seis foge da estrutura convencional dos folhetins, pois não aposta em vilões e mocinhos. Há apenas aqueles parentes e vizinhos que ajudam mais, os que são esnobes ou embates familiares. "Quem leu o livro sabe que, ali, há uma dureza que ninguém ousou colocar nas adaptações televisivas. A ideia é ter esse pano de fundo, mas mostrar por um ângulo inspirador, que faça as pessoas acreditarem nos seus sonhos e seus propósitos. E se dedicarem para realizar aqueles desejos. Aprendi a fazer tricô para a novela. Adorei. Só não tenho muito tempo para praticar em casa. Isso mostra um pouco o clima que a gente vai ver nas cenas", comenta Gloria Pires, que entrega quais foram as principais inspirações para o papel. "Minha mãe e minha avó paterna. As duas eram muito amigas e tinham essa sororidade, um termo moderno, mas que elas já exercitavam", diz.

TRAMAS PARALELAS

Apesar de a história central se guiar pelas provações e batalhas travadas por Lola, Éramos seis é recheada de coadjuvantes de peso. A começar pelos vizinhos da família Lemos, Genu (Kelzy Ecard) e Virgulino (Kiko Mascarenhas). Ela é uma fofoqueira ciumenta e ele leva a fama de adúltero porque se esconde em reuniões anarquistas clandestinas. Amante mesmo tem Júlio, que afoga suas mágoas com a bela Marion (Ellen Rocche). Na Avenida Angélica, Lola conta também com a parceria de Afonso (Cássio Gabus Mendes), dono do armazém, onde ela compra fiado. Ele é casado com Shirley (Barbara Reis), uma mulher amargurada e mãe de Inês (Gabriella Saraivah/Carol Macedo), criada por Afonso como filha, mas cujo pai é uma antiga paixão de Shirley, o abastado João Aranha, papel de Caco Ciocler. (Estadão Conteúdo)

Encontro de Lolas

Irene Ravache, Gloria Pires e Nicette Bruno (foto), que já viveram a Lola de Éramos seis, se encontram no Fantástico deste domingo (29). As três conversaram sobre a personagem, uma mulher forte, que batalha diariamente para manter a família unida frente às adversidades da vida.

QUEM É QUEM

Lola (Gloria Pires) – Mulher que vive para cuidar dos filhos e do marido. Esposa e mãe devotada, tem como orgulho da vida a casa onde mora com a família, comprada através de um financiamento. Para ajudar nas despesas, vende peças de tricô feitas por ela.

Júlio (Antonio Calloni) – Marido de Lola, é apaixonado pela esposa e por sua família, mas não consegue ter com os filhos a mesma relação amorosa que a esposa estabeleceu com eles. Vendedor de uma loja de tecidos, deseja ser rico. Frequenta um cabaré onde tem Marion (Ellen Rocche) como amante e confidente para seus conflitos.

Carlos (Danilo Mesquita/2ª fase) – Certinho e estudioso, o filho mais velho de Lola e Júlio sonha ser médico. Nutre uma paixão por Inês (Carol Macedo) e é correspondido. Tem uma relação conflituosa com o irmão Alfredo (Nicolas Prattes). Não mede esforços para ajudar a mãe quando a família enfrenta dificuldades financeiras.

Alfredo (Nicolas Prattes/2ª fase) – O mais bonito e genioso dos filhos de Lola e Júlio se envolve em confusões o tempo todo e não tem bom desempenho na escola. Além disso, rivaliza com Carlos, não se entende com o pai e abusa da paciência da mãe. Mas, apesar da rebeldia nata, tem bom coração e seu idealismo o levará a caminhos surpreendentes na vida adulta.

Julinho (André Luiz Frambach/2ª fase) – É o filho mais ambicioso de Lola e Júlio. Desde pequeno, sonha ser engenheiro.

Isabel (Giullia Buscacio/2ª fase) – A caçula de Lola e Júlio é o xodó do pai, que faz todas as suas vontades. A situação incomoda Lola, que não concorda com o tratamento diferenciado dispensado pelo marido à filha.

Maria (Denise Weimberg) – Mãe de Lola, Clotilde (Simone Spoladore) e Olga (Maria Eduarda de Carvalho), é uma famosa doceira de Itapetininga. Com a venda de seus quitutes caseiros sustentou, sozinha, as filhas, depois que o pai delas morreu.

CLotilde (Simone Spoladore) – Irmã do meio de Lola, é prestativa, amorosa com os sobrinhos, mas rígida e exigente consigo mesma. Apaixona-se por Almeida (Ricardo Pereira). Mas decepciona-se com a descoberta de que ele é desquitado.

Olga (Maria Eduarda de Carvalho) – A irmã caçula de Lola e Clotilde é a mais fogosa das três. Sonha se casar com um homem rico e desdenha da paixão de Zeca (Eduardo Sterblitch). Mas, no fundo, é apaixonada por ele.

Candoca (Camila Amado) – Irmã mais nova de Maria, não se casou. É preguiçosa, moralista e faladeira, mas também muito carinhosa com as sobrinhas.

Shirley (Barbara Reis) – É mãe de Inês (Gabriella Saraivah/Carol Macedo) e vive amargurada por ter sido rejeitada quando estava grávida. Recomeçou a vida ao lado de Afonso (Cássio Gabus Mendes).

Afonso (Cássio Gabus Mendes) – Dono de um armazém na Avenida Angélica, acolheu Shirley e Inês, a quem assumiu como sua própria filha. Quando João Aranha (Caco Ciocler) aparece, luta para manter sua família unida.

Emília (Susana Vieira) – Solitária, é viúva de um homem riquíssimo e irmã do pai de Lola. Tem duas filhas, Justina (Julia Stockler) e Adelaide (Joana de Verona). Enquanto Adelaide estuda em um colégio interno na Suíça, Justina tem distúrbio mental não diagnosticado pelos médicos e mora com ela.

Marion (Ellen Rocche) – Dançarina, amante e confidente de Júlio no cabaré frequentado por ele e Almeida (Ricardo Pereira). Apesar da experiência de vida, se ilude na expectativa de que um dia o amado deixe a família.


Publicidade