Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Na onda do 'faça você mesmo'


postado em 21/04/2019 05:08

Rita Wu, Marcelo Tas, Edgar Andrade e Ricardo Cavallini estarão no Batalha makers Brasil(foto: Discovery Channel/DIVULGAÇÃO)
Rita Wu, Marcelo Tas, Edgar Andrade e Ricardo Cavallini estarão no Batalha makers Brasil (foto: Discovery Channel/DIVULGAÇÃO)

Se você está em busca de algo novo para fazer a partir de suas habilidades, de mudar de rumo e se recolocar profissionalmente, vai, com certeza, querer saber o que é um “maker” e se interessar pelo novo reality show do Discovery Channel, intitulado Batalha makers Brasil’, que estreia no próximo domingo, 28 de abril, a partir das 18h. Agora, se você já tem conhecimento sobre o termo e está sintonizado com a onda do “faça você mesmo”, também deve ficar ligado na nova atração, pois é uma competição que envolve 10 pessoas com formações diversas e que disputam o prêmio de melhor “fazedor”.

A cada um dos oito episódios, apresentados por Marcelo Tas, os participantes terão que concluir dois projetos estipulados pelo júri do programa, composto pela arquiteta e designer Rita Wu e pelos educadores makers Edgar Andrade e Ricardo Cavallini. Ao fim do episódio, um participante será eliminado. Entre os desafiantes, de 19 a 50 anos, há uma engenheira, marceneiro, designer de objetos, estudantes de engenharia e até um origamista.

“É importante mostrar que ser um maker não depende de gênero, faixa etária ou escolaridade”, afirma o jurado Ricardo Cavallini, autor de livros sobre o assunto e fundador da Makers, plataforma de educação focada na prototipagem e desenvolvimento de produtos dentro da filosofia DIY (Do it yourself ou faça você mesmo). Segundo ele, a interação entre os makers e suas habilidades é um dos trunfos dos participantes para cumprir as tarefas.

“Um maker pode ser ótimo para trabalhar com eletrônica e programação, mas ter pouca experiência com madeira ou impressoras 3D. Assim, as provas que demandam criatividade e várias tecnologias, tudo junto e misturado, acabam sendo as mais desafiadoras”, diz Cavallini,

INSPIRAÇÃO Entre esses desafios a serem executados em um laboratório com ferramentas, estão a construção de uma cadeira customizada e de uma máquina de pinball ou fliperama.  “Mesmo o Batalha makers Brasil sendo um reality show de competição, na medida do possível, eles se ajudavam. É curioso e paradoxal que concorrentes se ajudem em momentos extremos. Isso é um ponto bastante positivo do programa”,  explica o diretor Fabio Ock.

Um dos principais lemas da filosofia do DIY, que está presente no reality’ é “Saber é igual a fazer”. “Em um país criativo e com tantas necessidades como o Brasil, a cultura maker pode ajudar nas frentes de educação e empreendedorismo de modo a colocar o país em outro patamar de inovação”, acredita Cavallini. (ESTADÃO CONTEÚDO)


Publicidade