Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

No túnel do tempo


postado em 03/02/2019 05:04

O ator João Vitti se surpreendeu com o telefone de disco (foto: João Cotta/divulgação)
O ator João Vitti se surpreendeu com o telefone de disco (foto: João Cotta/divulgação)


Nascido em 1995, Rafael Vitti comemora a oportunidade de viver uma época da qual tem poucas lembranças. Em Verão 90, novela das 19h da Globo, o ator interpreta o estudante de comunicação João Guerreiro, que na infância fez parte do grupo Patotinha Mágica com Manuzita (Isabelle Drummond) e Jerônimo (Jesuíta Barbosa), seu irmão.

Na década de 1990, o Patotinha não existe mais. O rapaz apresenta um programa na rádio Maremoto e vive brigando com Jerônimo. “João pode estar passando pelo maior problema, o mundo pode estar caindo, mas ele tem a qualidade de não pensar só nele. É admirável, pois não é egoísta”, afirma o ator.

João sempre foi invejado por Jerônimo, inconformado com a rejeição na infância, quando Manuzita se apaixonou pelo irmão. Com o reencontro dos ex-astros mirins, o triângulo se forma novamente.

Vitti se lembra pouco dos anos 1990. Ao preparar seu personagem, fez pesquisas em livros, tem colecionado histórias de quem viveu aqueles tempos. “A novela vai promover uma troca, com os pais trazendo lembranças para os filhos. É uma história muito astral”, entusiasma-se.

O ator, de 23 anos, confessa: estranhou objetos daquela época, como o telefone de disco. “Tive uma surpresa no cenário da rádio, pois João começa comandando um programa. Fui pesquisar as emissoras dos anos 1990. Pensei que chegaria lá e apertaria um botão, mas não... Você tem que pegar o LP e colocar (na picape)... Em outra cena, tinha de ligar para alguém, mas era telefone de discar!. Sinto até falta de um tempo mais esgarçado, pois hoje em dia é tudo muito rápido”, conclui. (Estadão Conteúdo)


Publicidade