Publicidade

Estado de Minas MINAS GERAIS

Resgate da tradição

Carnaval de Ouro Preto relembra história centenária de Jacubas e Mocotós


postado em 11/02/2020 04:00

Bloco do Zé Pereira dos Lacaios, um dos mais antigos de Ouro Preto(foto: fotos: Marcos Michelin /EM/D.A Press)
Bloco do Zé Pereira dos Lacaios, um dos mais antigos de Ouro Preto (foto: fotos: Marcos Michelin /EM/D.A Press)

 
Ouro Preto segue apostando na tradição histórica para fazer um dos melhores carnavais de rua do país. Em 2020, o carnaval homenageia os 40 anos do título de patrimônio mundial da cidade, relembrando a antiga e divertida disputa centenária dos moradores, com o tema “Entre jacubas e mocotós”.
Jacubas e mocotós eram os nomes dados aos habitantes de Ouro Preto de acordo com a região em que residiam. De um lado, o bairro de Antônio Dias, com sua imponente Matriz de Nossa Senhora da Conceição, e os jacubas, como eram chamados seus moradores. De outro, o bairro do Pilar, ostentando sua Matriz de Nossa Senhora do Pilar, uma das mais ricas do país, e os mocotós, apelido dado pelos jacubas aos que ali viviam.
 
Caricatos e divertidos, a tradicional banda folclórica Bandalheira arrasta uma multidão na Praça Tiradentes(foto: fotos: Marcos Michelin /EM/D.A Press)
Caricatos e divertidos, a tradicional banda folclórica Bandalheira arrasta uma multidão na Praça Tiradentes (foto: fotos: Marcos Michelin /EM/D.A Press)
 
 
A historiadora e moradora de Ouro Preto Deolinda dos Santos explica a origem dos nomes dos grupos. “Jacuba é um tipo de farinha misturada com um pouco de gordura ou sal, que é para o sustento do garimpeiro. Do outro lado, o mocotó é o caldo, e representa as pessoas ricas”, diz.
 
E, no meio, a hoje Praça Tiradentes, palco da festa de Momo, que atrai gente de todas as idades e dos quatro cantos do Brasil. Tudo organizado e mantido pelos moradores, que fazem questão de manter a tradição também no carnaval, mostrando que jacubas e mocotós, hoje em dia, não apenas se misturam, mas organizam juntos um dos melhores carnavais de rua do país.
 
Bloco Balanço da Cobra agita a cidade mineira há 45 anos(foto: Ane Souz/Divulgação)
Bloco Balanço da Cobra agita a cidade mineira há 45 anos (foto: Ane Souz/Divulgação)
 
 
A opção por um carnaval de rua inclusivo, gratuito e que valoriza a tradição é receita de sucesso há gerações. Tanto que o Zé Pereira dos Lacaios é o mais antigo bloco de sua modalidade no país. E segue arrastando crianças, adultos e até a terceira idade até hoje. “O bloco é uma das atividades do Clube dos Lacaios, que surgiu em Ouro Preto há 152 anos”, explica o presidente do Clube dos Lacaios, Arthur Nogueira.
 
E não só de Zé Pereira vive o carnaval de Ouro Preto. Outros, como a Bandalheira, o Vermelho e Branco, o Balanço da Cobra e o Sanatório Geral, não deixam ninguém ficar parado nos cinco dias de folia momesca. Umas das organizadoras do Bloco Balanço da Cobra, Cida Zurlo, fala das expectativas para o carnaval deste ano. “O nosso bloco já soma 45 anos de história. Neste ano, iremos para as ruas com nossa camiseta temática, com desenho e arte do artista plástico Carlos Bracher. A nossa expectativa é  que o movimento na cidade seja grande, já que este ano os blocos estão tendo mais espaço pelas ruas da cidade, o que deixa o carnaval muito mais animado”, revela Cida.

Confira a programação completa em www.ouropreto.org.br

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade