Publicidade

Estado de Minas TOUR INUSITADO

Museu eternizado

Diversas culturas no Brasil e no mundo relembram em 2 de novembro aqueles que já se foram desta vida. Em muitos destinos, os cemitérios não são moradas da morte, mas refúgios da arte e da paz


postado em 15/10/2019 04:00

Cemitérios em diversas partes do mundo abrigam diferentes tipos de ornamentação artística(foto: Carlos Altman/EM/D.A Press )
Cemitérios em diversas partes do mundo abrigam diferentes tipos de ornamentação artística (foto: Carlos Altman/EM/D.A Press )


Diversos cemitérios espalhados pelo Brasil e mundo afora se destacam pelas verdadeiras obras de arte que adornam túmulos, muitos deles de pessoas famosas, e se transformam também em pontos turísticos. Père-Lachaise, o mais famoso cemitério de Paris, recebe anualmente cerca de 3 milhões de visitantes. Lá estão enterrados artistas e personalidades famosas como Édith Piaf, Jim Morrison, Coco Chanel e Maria Callas.
 
Desde 2011, o túmulo de Oscar Wilde, no cemitério Père-Lachaise, recebeu uma proteção de vidro para evitar que os fãs do escritor britânico beijassem a lápide em pedra. A medida ocorreu por ocasião do 111º aniversário de morte do poeta. Mas, agora, os turistas estão deixando as marcas no vidro. Flores e mensagens são lançadas no interior do recinto, ficando espalhadas ao pé do túmulo.
Antes da reforma, o neto de Wilde, Merlin Holland, providenciou uma placa pedindo aos fãs que respeitassem o túmulo em vez de desfigurá-lo. Seu pedido foi em vão, pois a gordura dos batons infiltrava-se, na pedra prejudicando o túmulo do artista. Em cada trabalho de limpeza para retirar o produto, os jatos de água e produtos químicos desgastavam ainda mais a lápide no icônico cemitério francês.
 
 Em Paris, o túmulo do escritor Oscar Wilde é o campeão de visitas no cemitério Père-Lachaise(foto: Luke McKernan/Flickr )
Em Paris, o túmulo do escritor Oscar Wilde é o campeão de visitas no cemitério Père-Lachaise (foto: Luke McKernan/Flickr )
 
 
Tal como em Paris, visitar cemitérios passou a fazer parte de um roteiro turístico em várias cidades do mundo, a exemplo de Buenos Aires, Londres e Berlim.
 
Na capital argentina, o cemitério no Bairro Recoleta guarda os restos mortais de Evita Perón – a Mãe dos Pobres. Para os locais, uma oportunidade de tocar o jazigo da “Santa Eva”. Para os turistas, uma peregrinação no labirinto de descobertas. Anjos barrocos expiam do alto das lápides os intrusos do recanto de paz e silêncio na cidade portenha.
 
Em Berlim, no Centro da capital alemã, fica o Dorotheenstadt, um dos cemitérios mais interessantes na Alemanha, onde está enterrado o corpo do dramaturgo alemão Bertolt Brecht. Criado em 1762, abriga túmulos de artistas alemães, filósofos, como Georg Wilhelm Friedrich Hegel e Johann Gottlieb Fichte, e políticos, entre eles o ex-presidente alemão Johannes Rau. O local é aberto para visitas guiadas.
 
Em Buenos Aires, Evita Perón descansa no jazigo da família no cemitério da Recoleta(foto: Carlos Altman/EM/D.A Press)
Em Buenos Aires, Evita Perón descansa no jazigo da família no cemitério da Recoleta (foto: Carlos Altman/EM/D.A Press)
 
 
Em BH, existe um local que faz da capital mineira a Cidade dos Anjos. Bem próximo ao Centro, uma legião de seres celestiais divide com santos a atenção de quem frequenta o local. Lá, preciosidades artísticas do início do século passado passam despercebidas dos belo-horizontinos. Trata-se do mais antigo cemitério de Belo Horizonte – o Cemitério do Bonfim –, que há um bom tempo quer atrair mais pessoas para lugar. O projeto Cemitério do Bonfim: arte, história e educação patrimonial encabeça as visitas guiadas, principalmente com a proximidade do feriado de Finados.
 
 
 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade