Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Arte por todos os cantos


postado em 12/03/2019 05:07

Dezenas de grafites estão espalhados no entorno da Wynwood Walls
Dezenas de grafites estão espalhados no entorno da Wynwood Walls

 

Wynwood

O bairro mais hispter de Miami tem que estar no seu roteiro pela cidade. São dezenas de murais grafitados ao longo de 16 quarteirões. Mas o burburinho se concentra no entorno do Wynwood Walls, que fica na 2ª Avenida, entre as ruas 25 e a 26. O Wynwood é uma galeria a céu aberto, com lindos e enormes murais, pintados por mais de 50 artistas do mundo todo. De tempos em tempos eles renovam os painéis, mas sempre tem algo incrível para ver. Artistas brasileiros, como Os Gêmeos e Kobra, já deram suas pinceladas por lá. O legal é ir caminhando e descobrindo um novo grafite a cada esquina.

  A região tem atraído muitos bares e restaurantes interessantes. Foi lá que comemos o donuts mais cobiçado de Miami, no The Salty Donut, na Rua 23. Sempre tem fila para comprar as argolas fofinhas com coberturas que saltam aos olhos. Experimentei o de maple + bacon (US$ 3,5) e o de chocolate com avelã (US$ 4,25), que estavam maravilhosos. Para acompanhar, fui de chá gelado de tangerina com limão (US$ 5). 

Outra boa pedida foi o Taiyaki NYC, curioso sorvete japonês, com casquinha em formato de rabo de peixe, recheada com pasta de feijão (US$8). Tem sabores como chá-verde e gergelim preto. E o arremate com confeitos em formato de unicórnio deixa o quitute ainda mais instagramer. 


Downtown e Brickell

Meu passeio pelo Centro de Miami começou no Bayside Marketplace, um shopping ao ar livre com vista para o porto. Além de muitas lojas, lá estão as típicas redes de restaurantes americanos, como o Hard Rock Café, o Hooters, o Bubba Gump e o Fibe Guys. É de lá que saem os passeios de barco (US$ 38), que passam pelas mansões dos ricos e famosos. E o ônibus turístico (US$ 44), que percorre os principais pontos de interesse da cidade. Já tinha feito os dois da outra vez, e achei que não valia repetir. 

Ali do lado, no próprio Biscayne Boulevard, fica a Freedom Tower, um lindo edifício histórico que hoje abriga o Museu de Arte e Design, e em frente a ele está a American Airlines Arena, casa do Miami Heat, onde são realizados os jogos de basquete da National Basketball Association (NBA). 

Caminhando na direção oposta, chegamos ao Brickel, centro financeiro da cidade. Ficamos boquiabertos com a quantidade de arranha-céus espelhados, que parecem competir entre si para ver qual é o mais alto. Pessoas engravatadas corriam de um lado para o outro para fechar seus negócios. Foi interessante conhecer este lado corporativo de Miami. Ali também ficam muitos hotéis cinco-estrelas da cidade, e um shopping supermoderno, o Brickell City Centre. Uma forma interessante para conhecer o Centro da cidade é pegar o Metromover, um trem gratuito, com quatro linhas que circulam por todo o bairro. Você pode subir e descer onde quiser.


Publicidade