Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Perdição de consumo


postado em 12/03/2019 05:06

Entre um passeio e outro, os outlets espalhados pela cidade atraem turistas
Entre um passeio e outro, os outlets espalhados pela cidade atraem turistas

 

Estados Unidos é sinônimo de compras para brasileiros. Lá costumamos comprar os mesmos produtos vendidos no Brasil, mas pela metade do preço, além de ítens que não tem por aqui. Então, é claro que fui às compras. Fui umas quatro vezes no Dolphin Mall. Comprei de tudo, de calcinha a gorro, passando por roupas, tênis, bolsa e malas. Isso porque sou controlada nos gastos, adepta do minimalismo e do desapego. Quando chegar ao shopping, a dica é ir direto no balcão de informações, apresentar seu passaporte, e pegar o guia de descontos. O livrinho tem ofertas de quase todas as lojas, e elas se somam com os descontos já oferecidos nas vitrines. O que garante em média uns 50% a menos na maioria dos produtos.

Outro shopping que visitei foi o Sawgrass Mills, que fica a 40 minutos de Miami. Ele é o maior outlet da Flórida, com mais de 350 lojas, incluindo uma seção com grifes de luxo, como Prada, Gucci e Dolce & Gabbana. Lojas como Thommy Hilfiger, Victoria’s Secret, Calvin Klein, Kipling e Nike são paradas certas para os brazucas. Isso sem falar das lojas de departamento, como a Marshalls, a Ross e a BrandsMart.  Para eletrônicos, prefira a BestBuy, que tem preços melhores que lojas menores. E se você gosta de cosméticos, dê uma passada no Walgreens, uma mistura de farmácia e loja que enlouquece a mulherada. Para comprar comidinhas, uma boa pedida é ir ao supermercado. Fui algumas vezes no Publix e comprei muitos chocolates, além de cerveja artesanal e cafés gelados. O ideal é ficar pelo menos uma semana em Miami. Além dos passeios que fiz, você pode conhecer Design District, Bal Harbour, Little Havana, Coral Gables, Coconut Grove e Key Biscayne. Esticadinhas para ver os crocodilos em Everglades National Park, as fazendas de orgânicos em Homestead, e o ponto mais ao Sul dos EUA, em Key West, também valem a pena!

Onde se hospedar Amei me hospedar no W South Beach, um luxuoso hotel que fica na Collins Avenue, de frente para a praia. Ele tem 408 quartos, spa, restaurantes, quadras de basquete e tênis, piscinas, sauna, boate, academia e bicicletas.  A suíte é linda e enorme, com objetos de decoração modernos e uma varanda que dá para o mar. O banheiro tem bancada de mármore, duas pias e chuveiro multiduchas. Na minicozinha estavam sempre disponíveis café e chá.  O hotel tem também uma ótima estrutura na praia, com cadeiras, guarda-sóis e toalhas para hóspedes. Além do serviço de bar, com garçons que atendem na areia. A piscina do hotel é um convite para refrescar no fim da tarde, quando se chega dos passeios.  

A diária custa a partir de US$ 400, e o café da manhã é cobrado à parte. Informações: www.marriott.com.br/hotels/travel/miaws-w-south-beach 

 

Como ir

A Copa Airlines tem voos diários, que saem de Belo Horizonte para Miami, com conexão na Cidade do Panamá. A viagem dura cerca de 10 horas e custa a partir de US$ 750 na econômica e US$ 1.640 na executiva.  
l Seguro-Viagem  Para não passar nenhum perrengue, contratei um segur- viagem com a April. O seguro não é obrigatório para quem viaja para os Estados Unidos, mas não é bom arriscar, pois imprevistos acontecem. Para 7 dias custa R$ 142.   

Quem leva
A agência Lugares Viagens tem pacotes de uma semana em Miami, com passagem, hospedagem, seguro e transfer, a partir de R$ 6.000 por pessoa, em até 10 vezes sem juros.  Informações: www.lugaresviagens.com.br


Publicidade