Publicidade

Estado de Minas

Um game para usar o 'qranio'

Jogo criado por startup de Juiz de Fora diverte usuário ao mesmo tempo em que produz conhecimento por meio de perguntas e respostas. E ainda dá prêmios aos participantes


postado em 08/07/2014 11:15 / atualizado em 08/07/2014 11:10

Samir Iásbeck, fundador da startup e do game Qranio, já computa 2 mil usuários cadastrados (foto: Qranio.com/divulgação )
Samir Iásbeck, fundador da startup e do game Qranio, já computa 2 mil usuários cadastrados (foto: Qranio.com/divulgação )

Usar o celular ou, se estiver em casa, o computador para jogar e passar um bom tempo se divertindo é sempre uma boa. Imagine, então, jogar, se divertir, aprender e ainda poder ganhar prêmios. Não seria bem melhor? Pois é isso que ocorre quando se joga Qranio, criado pela startup de mesmo nome, que dá pontuação – que pode ser convertida em brindes –para quem acertar perguntas expostas em um grande quiz, que inclui as mais variadas categorias, de entretenimento a ufologia, passando por biologia, química, turismo, vocabulário etc. Tem, inclusive, uma seção com perguntas relativas a todas as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) já realizadas até hoje.


O principal responsável pela empresa e pelo jogo é o empreendedor de tecnologia e inovação Samir Iásbeck, um juiz-forano de coração e adoção (ele nasceu em Bicas, na Zona da Mata de Minas), que trabalha com internet desde os tempos do sistema operacional DOS. Depois de alguns empreendimentos, que não chegaram a ser sucesso, acabou criando a startup Qranio, que se desenvolveu com apoio da aceleradora Wayra. O sucesso do negócio, que conta com a participação dos sócios Giancarlos Wallyce Silva Menezes e Flávio Augusto, não demorou muito.

Como jogar

O game Qranio nada mais é do que uma plataforma on-line, que leva o usuário a aprender no momento em que ele desafia os seus conhecimentos. Ao se cadastrar no site (www.Qranio.com), o internauta pode escolher a categoria que mais lhe interessa (ou acha que domina) e responder às perguntas. Por cada resposta correta, ele ganha um valor específico de Qi$ (moeda virtual). O cadastro é muito simples, bastando preencher, nos campos determinados, o nome, sobrenome e o endereço de e-mail, além de criar uma senha com letras e números para acessar o jogo sempre que quiser.

As perguntas são de múltipla escolha e estão distribuídas por categorias. O valor dos Qi$ recebidos, e que poderão ser convertidos em brindes, variam de acordo com o nível de dificuldade da pergunta. Os prêmios distribuídos também são divididos em diversas modalidades, como eletrônicos, vales-compra, cursos, roupas, convites e cortesias, beleza e cosméticos, serviços etc.

Dentro de um limite mensal determinado, o jogador pode resgatar seus prêmios a qualquer momento, bastando, para isso, acessar a página e escolher o produto, desde que tenha o valor em QI$ correspondente ao brinde para efetuar a retirada. Portanto, quanto mais o internauta jogar e acumular pontos, mais prêmios terá condições de resgatar. As receitas da empresa para viabilizar os prêmios são oriundas das assinaturas premium (uma categoria de jogadores que respondem a uma seção de perguntas mais difíceis e com premiações diferenciadas), da venda de uma espécie de moeda que elimina respostas erradas e de contratos com clubes de futebol. O Qranio está expandindo sua atuação para essa área, ou seja, abrindo seções específicas para o usuário responder a perguntas específicas sobre um time. Segundo Samir Iásbeck, em Minas, já firmou contrato com o América e está prestes a fechar com um outro clube.

 

História de sucesso

A empresa Qranio conta hoje com investidores de peso, já tem profissionais trabalhando em países asiáticos e europeus e, praticamente, depois de apenas um ano de formalização, já apresenta mais de 1,050 milhão de usuários. Não foi à toa que a startup foi selecionada pela Microsoft como das mais inovadoras da América Latina.

Samir Iásbeck conta que o Qranio nasceu com ele desde que veio ao mundo, em 1981. “Nunca gostei de estudar, mas amava aprender. Já na faculdade, sentava nas primeiras carteiras, mas não tinha nenhum caderno para anotações. Como sempre fui apaixonado por tecnologia, apesar de cursar administração, desde a época da faculdade me dedicava a uma empresa de software que criei e que foi o embrião para a startup Qranio”, conta.

Em 2003, teve mais claramente a ideia de tornar o aprendizado algo mais divertido por meio de uma plataforma, mas viu que alcançar sucesso dependeria de muita energia e de dinheiro. “Usei a empresa onde trabalhava e era sócio, a eMiolo, e criei, em 2004, um quiz na internet. Continuei focado na minha fábrica de software, buscando formar uma boa estrutura financeira e, em setembro de 2010, já estava com um plano de negócio para o Qranio”, revela, informando que, em fevereiro de 2011, tudo já estava bem definido, necessitando, porém, de investidores.

(foto: Qranio.com/divulgação )
(foto: Qranio.com/divulgação )

Missão

“Foi quando chamei como cofundador o Giancarlos Wallyce Silva Menezes, que já trabalhava na minha fábrica de software, para ficar em tempo integral no projeto, e buscamos o Flávio Augusto, que depois virou sócio também, para cuidar da interface. Seguimos trabalhando, já com 2 mil usuários cadastrados, nos separamos da eMiolo e, desde o ano passado, nos dedicamos exclusivamente ao Qranio”, afirma. “A Qranio não é para mim apenas business. É, antes de tudo, um projeto e uma missão de vida,” conclui Samir Iásbeck.

 

Onde jogar
Você pode jogar Qranio, que é um game multiplaforma, tanto no seu site, www.Qranio.com, quanto por meio de aplicativos baixados para celulares.
Veja os endereços:

Por SMS:
Envie “Qranio” para 40333 de seu celular e jogue via mensagem de texto

Pelo Facebook: http://apps.facebook.com/PlayQranio

Para Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=androidsource.dashboard

Para iPhone: http://itunes.apple.com/us/app/qranio/id473459715

Para BlackBerry 10: http://appworld.blackberry.com/webstore/content/27815652/

Para Windows 8: http://apps.microsoft.com/windows/en-us/app/qranio/f41c3cd6-b42f-4873-a454-e714719a1333

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade