Publicidade

Estado de Minas

Homem participará pouco na condução do carro do futuro

Não está longe o tempo em que veículos vão circular pelas nossas ruas e estradas carregando tantas tecnologias que o homem terá pouca participação na sua condução


postado em 09/01/2014 10:55 / atualizado em 09/01/2014 11:30

Silas Scalioni

Os veículos equipados com internet vão desempenhar um papel fundamental para o futuro da comutação –  processos utilizados para estabelecer uma conexão entre múltiplas origens e destinos (uma central telefônica é um exemplo de comutação). Segundo estimativa do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE), até 2025 60% dos carros nas ruas e estradas estarão conectados à internet, o que vai originar dispositivos de segurança avançados, melhores softwares de proteção de veículos e a contínua adoção de carros autônomos.

Para Jeffrey Miller, professor do Departamento de Engenharia de Sistemas de Computação da Universidade do Alasca Anchorage e diretor do IEEE, veículos equipados com Bluetooth e a capacidade de interagir com dispositivos móveis mostram que tecnologias de conectividade estão ganhando mais espaço. "A adoção generalizada de carros conectados permitirá aos consumidores tratar seus veículos apenas como mais um de seus dispositivos. Hospedagem de sistemas operacionais móveis e compra de pacotes de dados de provedores wireless serão comuns no futuro," afirma.

Projeto brasileiro

Tecnologias de ponta na área de transporte já fazem parte também de projetos brasileiros, como o Maglev Cobra, um trem de levitação desenvolvido na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe) e pela Escola Politécnica por meio do Laboratório de Aplicações de Supercondutores (Lasup). O trem brasileiro, similar ao que já existe na Alemanha, flutua sobre os trilhos, tendo atrito somente no momento em que não está em deslocamento.

O Maglev Cobra, segundo o especialista brasileiro Richard Stephan – doutor em engenharia pela universidade alemã Ruhr Universitaet Bochum e coordenador do projeto –, foi concebido visando uma revolução no transporte coletivo por meio de alta tecnologia, de forma não poluente, energeticamente eficiente e de custo acessível para os grandes centros urbanos. "O custo de implantação do Maglev Cobra é cerca de um terço menor do que o de um metrô. E sua velocidade de operação varia de 70 km/h a 100 km/h, que é compatível à do metrô e ideal para o transporte público urbano", revela.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade