Publicidade

Estado de Minas

SimCity não perdeu a majestade

Mesmo com falhas técnicas e algumas frustrações relativas à obrigatoriedade de permanecer on-line ao jogar, simulador urbano da Electronic Arts continua angariando fiéis


postado em 02/05/2013 06:00 / atualizado em 02/05/2013 12:38

Paulo Renato Souza Cunha
Especial para o Estado de Minas


 

Visual encantador e desafios administrativos atualizados fazem o título valer a pena(foto: Eletronic Arts/Divulgação)
Visual encantador e desafios administrativos atualizados fazem o título valer a pena (foto: Eletronic Arts/Divulgação)
Ufa! Após quase seis anos de espera, a cultuada série criada por Will Wright volta a apresentar novidades. Para delírio dos adeptos mais tradicionalistas – aqueles que, por exemplo, acharam a jogabilidade da versão Societies de 2007 “chatinha e repetitiva” –, o novo título desenvolvido pela Electronic Arts tenta, de certa forma, voltar às raízes (ponto para eles). Contudo, apesar dos gráficos incríveis e das inúmeras ferramentas para construir cidades mirabolantes, o aguardado lançamento de SimCity foi ofuscado por uma sucessão de falhas técnicas, bugs e queixas. Criou-se certo alvoroço, jogadores frustraram-se e, para desespero dos fabricantes – que garantem que todos os problemas serão solucionados –, muitos decidiram devolver o jogo às lojas. Bom, depois do início agitado, vejamos como o game tem se saído.

Àqueles que ainda não conhecem, SimCity é um jogo de simulação no qual você é uma espécie de prefeito bastante poderoso e mandão – na gringa, esse tipo de gênero é conhecido como God Mode (ou modo Deus). O objetivo é construir cidades e tentar administrá-las da melhor maneira possível. No entanto, jogadores excêntricos também podem utilizar SimCity com trágicas vontades: são os tipos que gostam de criar megalópoles com o simples desejo de destruí-las com todo tipo de desastres (inclusive invasões alienígenas hostis). De todo modo, o jogo tem angariado fiéis seguidores desde a primeira versão, em 1989, e a cada lançamento a expectativa em torno da série cresce. Em 2013 não foi diferente.

(foto: Eletronic Arts/Divulgação)
(foto: Eletronic Arts/Divulgação)
REMAKE
Apesar dos percalços, pode-se dizer que a Electronic Arts conseguiu o retorno à boa forma. Por se tratar de um remake, SimCity novato apresenta o jeitão nostálgico dos títulos mais elogiados da série sem esquecer os desafios contemporâneos. O prefeito (você, no caso) terá de lidar com várias questões ambientais e administrativas: a população ficará feliz se morar perto de parques, se puder utilizar transporte público movido a combustíveis sustentáveis ou se o mandatário (você, de novo) disponibilizar lazer e cultura para todos. Porém, coloque indústria pesada próximo das áreas residenciais e prepare-se para uma onda de protesto que deixaria o Greenpeace com inveja.

Outro aspecto que impressiona no novo SimCity é o gráfico de tirar o fôlego. A qualidade visual do game é fantástica. E, por incrível que pareça, isso pode ser um problema para alguns. Acontece que muitos computadores não têm as ferramentas apropriadas para organizar tantos dados em alta definição. Em suma, se você tem uma placa de vídeo mais ou menos, prepare-se, porque o game ficará lento e a tendência é ficar zangado com a coisa toda.

O mesmo vale para o processador – quanto melhor a máquina, mais bonito o cenário. No fim das contas, o investimento vale a pena. As paisagens grandiloquentes e realistas, a trilha sonora hipnótica, os inúmeros desafios e a possibilidade de mostrar para os políticos de facto como é que se constrói uma cidade realmente interessante fazem com que o jogador perca completamente a noção do tempo.

FALHAS TÉCNICAS
O ponto negativo de SimCity fica por conta da necessidade de se manter on-line durante toda a duração do jogo. Isso significa que, além de um computador afiado, você precisará de uma boa conexão de internet. Entretanto, nada disso adiantará se o servidor da fabricante insistir em dar pane... Foi o que aconteceu com a Electronic Arts, que não esperava tanta demanda nos primeiros dias após o lançamento do título. Resultado: jogadores desesperados tentando iniciar ou salvar o game, mas sem sucesso. A desenvolvedora resolveu parcialmente o problema — a inicialização ainda pode demorar um pouco se a rede estiver muito lotada — e, à guisa de mimo, decidiu presentear aqueles que compraram SimCity com um jogo gratuito.

A pressão exercida pelos fãs apaixonados tem sido enorme. Portanto, acredita-se que os impasses serão solucionados em breve. Daí, poderemos dizer, sem ressalva, que, sim, damas e cavalheiros, a saga SimCity voltou com tudo.

 

(foto: Eletronic Arts/Divulgação)
(foto: Eletronic Arts/Divulgação)
Produção: Electronic Arts

Desenvolvimento: Maxis

Plataforma: PC e Mac

Número de jogadores: 1 (single-player on-line) até 16 (multiplayer on-line)

Preço: R$ 99,90

Avaliação
Jogabilidade: HHHH
Som: HHH
Entretenimento: HHHH
Gráficos: HHHH

 

Dicas

ALT + W$
» 100,000 ao orçamento da cidade

ALT + F
» Liga e desliga incêndios

ALT + C
» Liga e desliga crimes

ALT + M
» Liga e desliga problemas de saúde

ALT + A
» Liga e desliga poluição do ar

ALT + P
» Liga e desliga poluição do solo

ALT + S
» Liga e desliga esgoto 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade