Publicidade

Estado de Minas

Ao lado dos grandes

Produtoras nacionais de softwares concorrem com seus projetos, em São Francisco (EUA), pela atenção de compradores. Minas está no páreo com quatro jogos, entre eles uma divertida corrida de peixes


postado em 01/03/2012 11:19 / atualizado em 01/03/2012 11:21

Rodrigo Mamão e os jogos criados pela Ilusis: criatividade e força para buscar destaque em feira internacional
Rodrigo Mamão e os jogos criados pela Ilusis: criatividade e força para buscar destaque em feira internacional
O Brasil vai mostrar sua força no desenvolvimento de jogos na Game Connection São Francisco (EUA), que começa segunda-feira, dia 5, e vai até quarta-feira, dia 7, no luxuoso Sir Francis Drake Hotel. Serão 10 empresas produtoras de software nacionais representando o país em um dos maiores eventos da indústria dos games do mundo. Os mineiros também não ficam de fora da empreitada. A Ilusis Interactive Graphics, de Belo Horizonte, viaja para os Estados Unidos para mostrar seus trabalhos às maiores distribuidoras da área. EA Games, Nintendo, Blizzard, Rovio, Microsoft Studios e dezenas de outras gigantes da indústria dos jogos digitais estão entre as 100 potenciais compradoras dos produtos apresentados pelas produtoras de software ao redor do mundo. Entre elas, três são brasileiras: BoaCompra, Gamemaxx e Movile.

A produtora belo-horizontina Ilusis já tem 27 reuniões agendadas com publishers (editores) do mundo todo, para apresentar quatro projetos em construção. Um deles é o Jett Tailfin, divertido game de corrida de peixes, exclusivo para super-tablets com o processador Tegra da Nvidia.

É a terceira vez que a Ilusis se apresenta na Game Connection. “Fomos pela primeira vez em 2009, em Lyon, na França. Nossa segunda participação foi no ano seguinte, também em São Francisco”, comenta Rodrigo Mamão, de 40 anos,  diretor-executivo da companhia. Encontrar-se com grandes editores mundiais rendeu frutos para a empresa. Em Lyon, ela fechaou parceria com a norte-americana Hoplite, produzindo games para iOS e Android. No ano seguinte, foi a vez de a Sony entrar para a lista de parceiros da empresa mineira, liberando a produção para o portátil PSP. “Houve reuniões em que os interessados no outro lado da mesa falaram: ‘Seu projeto não vinga’, ‘não é do nosso interesse’, mas em outras o acordo fechou de maneira bem bacana” expõe Rodrigo.

A ambição da Ilusis é expandir o mercado para o PS3 e PS Vita, o mais novo víideogame portátil da Sony. Porém, facilidade e preço baixo não passam nem perto na hora de se conseguir as requisitadas software development kit (SDK- Kit para desenvolvimento de software). Rodrigo explica: “As SDKs são necessárias para produzir um jogo para determinada plataforma. Por exemplo, a Sony tem um kit para o PS3, outro para o Vita, a Microsoft tem para o Xbox 360 etc”. Além de serem caríssimas, as SDKs para consoles são dificilmente liberadas para produtoras, pois é preciso ter confiança de que o estúdio vai dar conta do recado em produzir para a plataforma. “O Brasil começa somente agora a ganhar reputação na criação de games lá fora”, diz o diretor-executivo.

Pessoal qualificado para incrementar a produção de softwares interativos no Brasil está sendo formado nas escolas, segundo João Victor Boechat Gomide, coordenador do curso de jogos digitais da Fumec. Para ele, o momento é de criar uma massa crítica de jogadores e produtores para ajudar na expansão do mercado de games, e trabalhar com jogos menores pode abrir caminho para a elaboração de games mais complexos. “O Brasil possui um dos maiores mercados de games do mundo, mas de acordo com a Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos (Abragames), 94% dos jogos comprados são piratas. Reduzir a tributação e criar uma linha de crédito para empresas produtoras de software pode aquecer mais a economia da área”, sugere o professor. Em Minas Gerais existe um mercado específico, que são os serious games, jogos para treinamentos de profissionais de determinadas áreas. Mineradoras são grandes clientes.

Para o coordenador do curso de jogos digitais da Fumec, João Victor Gomide, as escolas estão formando pessoal para incrementar produção de softwares interativos e mercado de games tem tudo para se expandir no Brasil
Para o coordenador do curso de jogos digitais da Fumec, João Victor Gomide, as escolas estão formando pessoal para incrementar produção de softwares interativos e mercado de games tem tudo para se expandir no Brasil
Recife

O Nordeste também participa do evento. A Manifesto Games, do Recife, vai para a Game Connection pela primeira vez levar dois projetos para tentar parcerias. Desde o ano passado, a empresa se internacionalizou com o jogo de simulação de fazenda Fruits Inc. Túlio Caraciolo, cofundador e produtor do título, quantifica em 8 milhões os jogadores do game casual, que se encontram inclusive na Europa e Ásia. A segunda versão do jogo, o Fruits Inc. 2 e mais um título, o Peggy Party, simulador de festas, vão na mala da Manifesto Games para a Califórnia.

Com parcerias com as distribuidoras BigFish, GameHouse e Oberon, a empresa se especializa nos jogos casuais mas tem entre seus objetivos migrar para as plataformas mobile, além do PC e Mac, com os quais já trabalham. “O mercado dos dispositivos móveis está em franca expansão, principalmente por causa dos smartphones. A estratégia da empresa é ter um mesmo jogo em todo lugar, toda plataforma”, conclui Túlio.

A Feira
Mais de mil empresas produtoras de games de dezenas de países de todos os continentes exibirão seus trabalhos. A partir daí, as 100 distribuidoras e publicadoras agendam reuniões com as desenvolvedoras de seu interesse por meio de um aplicativo criado pelo próprio evento. No app, cada empresa cria um perfil com informações e interesses em determinadas áreas e produções. São 40 slots que podem ser preenchidos com reuniões agendadas. Se as duas partes concordarem com o encontro, o sistema encaixa os horários durante os três dias de feira. Os fechamentos de negócios surgem desses encontros entre as empresas. De acordo com a Game Connection, cada expositor faz em média 10 reuniões por dia, e 90% dos participantes esperam negócios por meio do evento. (Com Raphael Pires)

Jett Tailfin Racers

Alegre e divertido, acompanhe as aventuras do peixe Jett Tailfin e seus amigos enquanto eles competem pelo Top Finn num colorido e interativo ambiente subaquático em corridas para vencer Tom Tsunami, uma lenda da velocidade. Pelo cenário, vários barris espalhados pela pista podem ser quebrados para adquirir power-ups que ajudam nas competições. No modo single player, à medida que o jogador vence as disputas novos amigos e inimigos se tornam disponíveis para mais desafios. Não gosta de jogar sozinho? O modo multiplayer suporta até 8 jogadores juntos em tempo real. O game será lançado nos próximos dias no mundo inteiro e poderá ser comprado pelo site Tegra Zone.
http://tegrazone.com

Quem vai

Dez produtoras de games brasileiras voam para São Francisco para representar o país na Game Connection. Confira quais são:

2 Mundos
www.2mundos.net

44 Bico Largo (São Paulo)
www.44bicolargo.com.br

Aquiris Game Experience
www.aquiris.com.br

Hoplon (Florianópolis)
www.hoplon.com

Ilusis (Belo Horizonte)
www.ilusis.com

Manifesto Game Studio (Recife)
www.manifestogames.com.br

Mother Gaia (Bauru)
www.mothergaia.com.br

Rockhead Games (Porto Alegre)
www.rockheadgames.com

Story Touch (São Paulo)
www.storytouch.com

Tendi (São Paulo)
www.tendi.com.br


Publicidade