Publicidade

Estado de Minas

Poluição altera a frequência e a quantidade de chuvas

Pesquisadores desvendam como os aerossóis agem sobre as nuvens. As partículas fazem com que as precipitações sejam menos frequentes e, ao mesmo tempo, mais fortes


postado em 15/12/2011 08:50 / atualizado em 15/12/2011 09:33

Brasília – Uma pesquisa feita na Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, e publicada recentemente na revista especializada Nature Geoscience traz novos dados sobre as emissões de gases poluentes ao explicar como os aerossóis alteram a formação das nuvens e, consequentemente, fazem com que tanto a seca quanto as chuvas fortes – que podem causar enchentes – se tornem ainda mais intensas.

Os aerossóis são partículas emitidas na atmosfera que podem ter causas naturais (cinzas de vulcão, por exemplo) ou não (fumaça de fábricas). Em entrevista ao Estado de Minas, o líder do estudo, o professor de ciências atmosféricas e oceânicas da Universidade de Maryland Zhanqing Li garante que ele e sua equipe desvendaram, pela primeira vez, os impactos a longo prazo dessas partículas na altura e na espessura das nuvens, bem como as modificações que causam na frequência e intensidade das precipitações.

“O estudo revela magnitudes sem precedentes dos impactos. Sob condições de muita poluição, a altura média das nuvens é duas vezes maior que a de ambientes limpos. E a probabilidade de ocorrerem precipitações fortes dobra, enquanto a chance de chuva leve é reduzida em 50%”, revela Li. Isso significa que uma alta concentração de partículas diminui a quantidade de chuvas, mas faz com que, quando ocorrem, surjam mais fortes (veja esquema ao lado).

Segundo ele, a parte mais complexa do trabalho foi separar, nos dados analisados, a influência de fatores meteorológicos dos efeitos dos aerossóis sobre o ambiente. “Para qualquer evento climático individual, o desenvolvimento de nuvens e chuva é dominante no sistema climático. Por isso, é extremamente difícil destacar os sinais das partículas nessas regiões.” Para eliminar outras explicações para mudanças climáticas, ele e sua equipe simularam os resultados fornecidos pelo centro de pesquisas U.S. Southern Great Plains, de Oklahoma, usando um modelo de nuvens computadorizado.

Importância
Para o especialista em poluição Augusto Brasil, coordenador de engenharia de energia da Universidade de Brasília (UnB), o estudo apresenta informações sobre os aerossóis que, até então, não haviam sido confirmadas. “Os pesquisadores identificaram grande impacto da poluição no balanço de recursos hídricos”, ressalta.

A especialista em química atmosférica Adriana Gioda, professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio), destaca a importância dos estudos sobre aerossóis, pois eles não influenciam apenas a formação das chuvas, mas também a visibilidade e a saúde da pessoa. “Além disso, essas partículas influenciam no balanço radiativo da Terra por espalhar e absorver a radiação solar”, diz Adriana. Segundo ela, esses efeitos influenciam no aquecimento e resfriamento do planeta.

O líder da pesquisa espera que a descoberta estimule políticas de redução da poluição: “Precisamos educar os indivíduos sobre a importância de manter o meio ambiente com qualidade, não apenas em benefício da saúde. Nosso estudo mostra a importância de mantermos o ambiente mais limpo para diminuir a ocorrência de eventos climáticos extremos que ainda não sabemos explicar bem como ocorrem”.

 

Entenda como a poluição atmosférica afeta a formação de nuvens e piora a seca e as inundações em todo o mundo

 

Os aerossóis são partículas sólidas ou líquidas emitidas na atmosfera. Podem ter como origem fontes naturais (poeira e fuligem de vulcões, por exemplo) ou atividades humanas (queima de combustíveis, fumaça das indústrias e gases emitidos por produtos como desodorantes e sprays)

Nas nuvens, os aerossóis funcionam como núcleos ao redor dos quais as gotas de água e as partículas de gelo se formam

Quando há excesso desses componentes, há muitos pontos de acúmulo de água. Consequentemente, as gotas formadas são menores, fazendo com que a quantidade de chuva no ambiente seja 50% menor do que se a atmosfera estivesse limpa

Além disso, a poluição faz com que as nuvens se formem em uma altura, em média, duas vezes maior. Assim, as pequenas gotas de água retidas nas nuvens poluídas congelam e formam cristais de gelo ou granizo mais facilmente

O resultado desse processo são chuvas em menos quantidade, porém mais fortes. Por isso, a poluição do ar pode tanto agravar secas quanto provocar inundações

As partículas também afetam a temperatura da superfície da Terra. Elas refletem a luz do Sol de volta para o espaço, reduzindo a radiação na superfície do planeta, ou absorvem essa radiação, aquecendo a atmosfera. Com essa ação, exercem influência sobre as alterações climáticas

Ao mudar a probabilidade e intensidade de chuvas em um sistema climático específico, os aerossóis podem afetar a previsão do tempo. Um meteorologista, portanto, precisa considerar a acumulação de aerossóis em cada local

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade