Publicidade

Estado de Minas

América: meta do Coelho é ficar no G-4


06/06/2022 04:00 - atualizado 06/06/2022 10:37


Autor do gol que garantiu a vitória do América por 2 a 1 sobre o Cuiabá, sábado, no Independência – resultado que permitiu ao Coelho subir na classificação e se aproximar do G-4 do Campeonato Brasileiro –, o atacante Felipe Azevedo foi enfático ao falar sobre a briga pelas primeiras posições na Série A. Para ele, esse é o lugar em que o time americano “merece estar”.

Azevedo destaca que a meta do Coelho é ambiciosa: encerrar a competição de 2022 em posição melhor do que a de 2021, quando terminou no oitavo lugar. “É o que a gente vem buscando: terminar este ano numa colocação melhor que a do ano passado. A gente sabia que, com a vitória, podia até terminar no G-4, que é onde a gente quer, onde o América merece estar”, afirmou.

Feliz por ter balançado a rede, Felipe Azevedo aproveitou para homenagear o sobrinho recém-nascido, Matias. “Quero dedicar esse gol ao meu sobrinho Matias, que nasceu ontem (sexta-feira). Para a Bruna e o Ronaldo. Esse gol vai para ele. Quando ele estiver maiorzinho, vai poder ver (risos)”, disse.

Além de ajudar o time, com o gol o experiente jogador alcançou uma marca individual. Agora, divide a artilharia do Coelho na temporada com Pedrinho e Iago Maidana, com quatro gols cada. Azevedo já havia marcado contra o Democrata-GV, na primeira fase do Campeonato Mineiro; o Atlético, pela fase de grupos da Copa Libertadores, e o Juventude, pela segunda rodada do Brasileiro.

No grupo atual americano, ele é o atacante com mais tempo de casa: está na quarta temporada no Lanna Drumond. Em 2019, seu primeiro ano com a camisa alviverde, Azevedo marcou quatro gols em 47 partidas. Em 2020 e 2021, melhorou de rendimento e anotou seis gols em 30 e 45 jogos, respectivamente.

JAILSON O técnico Vagner Mancini revelou que o grupo americano recebeu um pedido de desculpas do goleiro Jailson após a partida contra o Cuiabá, por ter errado em uma saída de bola, no segundo tempo, colocando em risco a importante vitória.

“Nem precisei puxar a orelha dele. Ele já entrou no vestiário se desculpando com todo mundo, dizendo que havia errado. O Jailson é um cara muito humilde nesse sentido. Não quis encobrir em nada a sua falha. Os erros acontecem”, disse Mancini.

O treinador relatou a explicação do goleiro: “A partir do momento em que fez a cobertura, foi uma virtude dele. Na sequência, quis sair jogando e dar um bico na bola. Ele me disse que não quis chutar a bola para fora, porque ela poderia pegar na placa e voltar rapidamente, não dando tempo para que ele voltasse para o gol. Quis virar o corpo e dar um bico mais para longe. Mas é tudo muito rápido”.

Para alívio do treinador, dos companheiros do goleiro e dos torcedores americanos, o lance de Jailson não resultou no gol de empate do Cuiabá. “Houve milhares de suspiros no estádio. Felizmente, não saiu o gol do Cuiabá nesse lance, e a gente conseguiu chegar a mais uma vitória.”

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade