Publicidade

Estado de Minas CAMPEONATO MINEIRO

América vence o Cruzeiro de virada, 2 a 1, e mantém vantagem nas semifinais

Em um clássico marcado por emoção, reclamações e tumulto, o Coelho superou a Raposa no Mineirão e pode até perder por diferença de um gol no próximo jogo


03/05/2021 04:00

Ademir recebeu lançamento certeiro de Leandro Carvalho e só empurrou para o gol de Fábio, fazendo o gol da virada(foto: Fotos: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Ademir recebeu lançamento certeiro de Leandro Carvalho e só empurrou para o gol de Fábio, fazendo o gol da virada (foto: Fotos: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


A imprevisibilidade do futebol confirma o fascínio de quem ama este esporte. O clássico entre Cruzeiro e América, no primeiro jogo das semifinais do Campeonato Mineiro, ontem, no Mineirão, parecia estar nos pés do time celeste, que foi superior no primeiro tempo do jogo, fazendo 1 a 0. Mas, na etapa final, tudo mudou, o Coelho tomou às rédeas da disputa, virou a partida e venceu por 2 a 1, em um confronto com todos os ingredientes da tradição: emoção, reclamação, tumulto, gols e alternância na qualidade do futebol apresentado ao longo dos tempos. Agora, os times voltam a se encontrar no próximo domingo, às 16h, no Independência, para saber quem vai lutar pelo título mineiro de 2021. Rafael Sóbis marcou para a equipe celeste, enquanto Alê e Ademir foram os responsáveis pela virada do Coelho.

Sobre a virada, Ademir, que chegou a ser afastado para uma possível saída do América, foi reintegrado e mostrou competência e estrela: “Cheguei a pensar ontem, na véspera do jogo, que se entrasse e fizesse um gol seria o da volta por cima. Se não sair do América é porque Deus tem um propósito para mim neste clube”.

Assim, foi um clássico de tempos distintos. Com o Cruzeiro dominando o primeiro tempo e o América, mesmo sem grande atuação, ser cirúrgico no segundo e fazer o suficiente para ganhar a partida e manter a vantagem conquistada na primeira fase do Mineiro pela melhor campanha. O Coelho agora pode perder por um gol de diferença para ter a chance de disputar o título mineiro.

No primeiro tempo, quem ditou o ritmo foi o Cruzeiro. Com maior posse de bola, encurtando o campo para o América, pressionando a saída de bola, o time do técnico Felipe Conceição foi superior, ainda que o Coelho tenha tido chances, parando nas boas defesas de Fábio. Mas o domínio foi celeste. Faltou criatividade ao Coelho, que aceitou jogar com o contra-ataque com o time celeste se impondo mais, mesmo diante de algumas bolas rápidas americanas para Rodolfo. Chamou a atenção o comportamento do técnico Lisca, que reclamava muito da arbitragem e demonstrou nervosismo.

Foi um jogo corrido. Fábio mostrou a conhecida competência aos 22min. Rodolfo roubou a bola de Adriano e lançou para para Alê, que cruzou na área. Felipe Azevedo finalizou com estilo e o goleiro celeste fez bonita defesa. Aos 31min, Rafael Sóbis arriscou chute de longe, a bola desviou e caiu de repente. Matheus Cavichioli segurou a bola e, na queda, percebeu que cairia com ela dentro do próprio gol e mandou a bola por cima do travessão. Aos 32min, Sóbis finalizou de dentro da área, a bola desviou na zaga e quase engana o goleiro americano. Lance de perigo. Com a partida intensa, aos 35min, Rodolfo cobrou falta direto e Fábio se joga para afastar a bola, outra boa defesa.

Com chances criadas e desperdiçadas, a competência do Cruzeiro foi maior. Aos 37min, Bruno José recebeu lançamento, ganhou de Eduardo Baumermann e tocou para Rafael Sóbis marcar de canhota: 1 a 0. O gol chegou a ser anulado por impedimento, mas o VAR confirmou a legalidade. Inconformado, Lisca ficou revoltado e acabou levando cartão amarelo, o que o suspende do próximo jogo, domingo. Superior, o Cruzeiro quase ampliou aos 44min. Bruno José invadiu a área, livre, escapou de um carrinho de Bauermann, tentou driblar Cavichioli, mas errou ao não conseguir concluir. A zaga do América se recuperou.
 
Felipe Conceição, técnico do Cruzeiro:
Felipe Conceição, técnico do Cruzeiro: "Tivemos bom desempenho e estamos vivos. Tem mais um jogo e temos de aprender com os erros"
 

“VAI TER VOLTA”

Na etapa final, para tentar reverter o cenário, Lisca fez mudanças de uma vez só. Apostou em Leandro Carvalho, Ribamar e Gustavo. E também promoveu o retorno de Ademir. Teve resultado. A produção ficou mais efetiva. O treinador americano conseguiu mudar a estrutura tática do Coelho e deu tudo certo. Enquanto as mudanças de Felipe Conceição no Cruzeiro fizeram a equipe da Toca da Raposa cair de rendimento.

Depois de Rodolfo mandar uma bola no travessão aos 9min e o Cruzeiro responder com Airton aos 13min, com um gol anulado por impedimento confirmado pelo VAR, o América só foi. Aos 41min, Alê empatou o jogo de cabeça, depois de Leandro Carvalho cobrar escanteio com perfeição. E aos 45min, Ademir virou o clássico com visão certeira de Leandro Carvalho. Ele lançou entre Weverton e Ramon, e Ademir se infiltrou, esticando a perna e desviando para “matar” Fábio: 2 a 1.

Fim de jogo e a nota inaceitável do clássico foi o tumulto na descida para o vestiário, com corre-corre e bate-boca entre cruzeirenses e americanos. Com o Cruzeiro chateado com a postura do técnico Lisca, desde reclamações até comemoração dos gols. Houve, inclusive, uma discussão do técnico do Coelho com o capitão da Raposa. Lisca teria feito o gesto de “fala muito” para Fábio, que, como resposta, teria respondido: “Eu te respeito pra c....”. E Marcelo Moreno mandou um recado: “Vai ter volta”.

Cobranças e afagos

Entre os bordões do futebol, clássico é clássico. Tudo pode acontecer, os nervos sempre estão à flor da pele e as cobranças e os elogios das torcidas ganham outro patamar. Ontem, depois da virada do América em cima do Cruzeiro, o técnico do time celeste, Felipe Conceição, foi cobrado e teve de dar explicações. E o do Coelho, Lisca, foi aplaudido e exaltado pelo feito.

O América completou 109 anos na última sexta-feira, dia 30, e Lisca começou a entrevista pós-jogo dando parabéns à torcida e exaltando o aniversário do clube, data que foi “coroada com a nossa vitória”. Para o treinador, agora é buscar concentração para chegar à final e esquecer qualquer tipo de tumulto: “O Campeonato Mineiro não é a prioridade do América, mas a Séria A e a Copa do Brasil. Mas o Estadual é importante para que possamos evoluir e crescer. A confusão no jogo é normal. O banco deles (do Cruzeiro) provocou e o América não aceita mais isso. Se provocar, terá volta. Quando ganhavam, eles nos humilhavam. Discussão dentro de campo, morre lá. Não sei o que ocorreu fora, não vi porque já estava no vestiário. Entendo que é desvio de foco, perder no final dói. Vida que segue”.
 
Lisca, técnico do América:
Lisca, técnico do América: "O Campeonato Mineiro não é a prioridade do América, mas a Séria A e a Copa do Brasil"
 
Para Lisca, a vitória foi importante, mas ele reconhece que o América não jogou bem: “Não fizemos um grande jogo, não saímos satisfeitos com o desempenho. No segundo tempo, houve alternância tática, as substituições foram assertivas e fomos mais agressivos. No primeiro, faltou pressão na bola, não podemos deixar o Cruzeiro jogar porque é um time organizado, bem treinado e que evoluiu muito”.

Quanto ao rendimento de Ademir, Lisca se mostrou feliz: “É a volta definitiva, reequilibrado na questão do foco. Está reintegrado e passa confiança para ele e para o grupo. Tem até chance de ser titular”.

Questionado sobre o que de mais positivo ocorreu no clássico, Lisca alfinetou: “Quebrar o paradigma, porque todos esperam o clássico dos 100 anos. Só falam disso, querem muito, têm expectativa. Contra tudo e todos, o América pretende ser o convidado indesejado. Estamos vivos e vamos brigar até a última bola para evitar. Final que provavelmente deve ser contra o Atlético, que só joga um campeonato diferente, ao fazer só dois jogos fora enquanto são 11 partidas, até mesmo na semifinal fica em casa. E para quem ainda não percebeu, digo que vivemos uma nova realidade, porque hoje quem está na Série A é o América”.

DESEMPENHO DA RAPOSA

Na análise de Felipe Conceição, o Cruzeiro “se portou bem a maior parte do jogo, que foi decidido em detalhes”. Para ele, “tivemos bom desempenho e estamos vivos. Tem mais um jogo e temos de aprender com os erros”.

Para Felipe Conceição, claro, “a derrota incomoda”, mas não concorda que a equipe teve um apagão no segundo tempo, quando sofreu a virada: “Buscamos o gol o tempo todo e jogo deste nível é o tempo todo tenso. Vamos ajustar o que precisa para estarmos mais fortes”.

Conforme o comandante azul, o Cruzeiro demonstra evolução, o que tem de ser exaltado: “É resultado de muito trabalho. Vamos colher frutos a médio e longo prazo. Mostramos força no desempenho que estamos construindo. O que dá tranquilidade e confiança para estarmos vivos. Vamos buscar a classificação”. Quanto a postura do técnico Lisca, Felipe Conceição disse que “dentro da ética só falo da parte técnica. É um grande treinador”. 

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 x 2 AMÉRICA
CRUZEIRO: Fábio; Raúl Cáceres, Weverton, Ramon e Matheus Pereira; Adriano (Matheus Neris 29 do 2º), Matheus Barbosa (Jadson 36 do 2º) e Rômulo; Bruno José (Felipe Augusto 36 do 2º), Airton (Stênio 27 do 2º) e Rafael Sóbis (William Pottker 27 do 2º)
Técnico: Felipe Conceição
AMÉRICA: Matheus Cavichioli; Diego Ferreira, Eduardo Bauermann, Anderson e João Paulo (Marlon 47 do 2º); Zé Ricardo, Juninho (Ademir 34 do 2º) e Alê; Bruno Nazário (Leandro Carvalho 21 do 2º), Felipe Azevedo (Gustavo 21 do 2º) e Rodolfo (Ribamar, 21 do 2º)
Técnico: Lisca
Campeonato Mineiro – Semifinais (ida)
Estádio: Mineirão
Gols: Rafael Sóbis 37 do 1º; Alê 41, Ademir 45 do 2º
Cartão amarelo: Lisca, Jadson, Gustavo
Árbitro: Marco Aurélio Augusto Fazekas Ferreira
Assistentes: Celso Luiz da Silva e Marcus Vinícius Gomes
Árbitro de vídeo (VAR): Emerson de Almeida Ferreira



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade