Publicidade

Estado de Minas AMÉRICA

Lisca garante América corajoso na Série A: 'Vamos agredir pra caramba'

Treinador relembrou campanha de recuperação no Ceará e destacou tempo de trabalho como fator crucial para a criação de 'variações táticas' no Coelho


26/03/2021 08:25 - atualizado 26/03/2021 08:29

Lisca garantiu América corajoso na Série A de 2021 (Foto: Mourão Panda/América)
Lisca garantiu América corajoso na Série A de 2021 (Foto: Mourão Panda/América)
A solidez defensiva é, talvez, a característica mais marcante do América comandado pelo técnico Lisca. Foi assim na última edição da Série B do Campeonato Brasileiro e também na histórica campanha da Copa do Brasil. Mas, em entrevista exclusiva ao Superesportes, o treinador do Coelho garante que seu time será 'corajoso' na Série A de 2021. 'Vamos agredir pra caramba', afirmou o gaúcho.

“Torcedor do América, nós não vamos nos 'achincalhar'. Não vamos ficar só marcando os caras. Vamos marcar, mas nós vamos agredir pra caramba também. Esse é o nosso objetivo: ter essa identidade, mas saber variar as maneiras de jogo”, garantiu Lisca.

“Nós não vamos mudar muito não. Vamos continuar com os mesmos princípios. Podemos ter variações táticas, mas os princípios de bloco alto, pressão, linha alta, compactação nós vamos manter. Claro que em algumas situações do jogo nós vamos ter que baixar um pouco o bloco, vamos ter que transitar mais, vamos ter que atrair um pouco mais o adversário”.
 
Lisca também falou sobre as diferenças de cenários nos jogos das Séries A e B do Brasileirão, e ressaltou que a postura do time, inevitavelmente, será diferente diante dos 'gigantes' do futebol nacional

“Na Série A os adversários propõem muito mais jogo também, em relação aos times da Série B. Qual é a ideia quando o Flamengo vai jogar contra o América? 'Nós vamos ganhar. Vamos em cima desses caras'. Automaticamente, esses times virão mais dentro do nosso campo. Agora, vai jogar América e CRB. O CRB vai dizer: 'Opa, nós vamos nos fechar. O América é time poderoso. Se ganharmos um ponto lá está bom'. Já muda todo o contexto da preparação para o jogo. O treinador tem que saber disso”.

“O Santos vai jogar com o América na Vila Belmiro; o Santos 'vai para dentro'. E o América vai ter que saber sofrer, marcar, contra-atacar, empurrar o Santos para o seu campo. E aí, quando o Santos olhar e dizer: 'Opa, nós estamos correndo atrás dos caras, velho! Quê isso? Não era isso o planejado!'. Então, vamos ter que quebrar paradigmas”, completou.

Ao Superesportes, Lisca relembrou a campanha de recuperação que conduziu no Ceará em 2018. Naquela oportunidade, na 9ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Vozão tinha três pontos e era lanterna. Sob o comando do gaúcho, a equipe se consolidou defensivamente e, dos 29 jogos restantes, venceu dez, empatou 11 e perdeu apenas oito.

“Aconteceu isso comigo no Ceará. Nos primeiros dez jogos, todo mundo vinha em cima do Ceará. Vocês tinham que ver o que tinha de espaço para a gente contra-atacar. A gente começou a ganhar jogo. Aí, já não vinham mais. Aí, eu disse para o Robinson (Castro), presidente do Ceará: ‘Vamos tirar aqui do PV (Presidente Vargas), que é um estádio menor, e vamos levar para o Castelão, porque agora os times vêm fechados contra o Ceará’. Ceará ganhou do Corinthians, ganhou do Flamengo, ganhou do Atlético… ninguém mais queria atacar o Ceará. Todo mundo passou a jogar em transição contra o Ceará”.

“Depende muito também do teu início, da tua campanha, daquilo que tu vem apresentando. E como eu falei para vocês: nós temos que estar preparados para tudo, cara! Hoje, um time não pode jogar só de uma maneira. Ele tem que ter variação - tática e de modelo de jogo, e é isso que estou trabalhando no América”, finalizou o treinador.

Modelo de jogo

Questionado sobre a consolidação do modelo de jogo do América e a evolução do trabalho com a equipe, Lisca voltou a relembrar a 'herança' deixada por Felipe Conceição - hoje técnico do Cruzeiro -, que deixou a equipe alviverde em janeiro de 2020.

“Em relação ao modelo de jogo, eu sempre falei isso: já cheguei no América com um time estruturado, com uma ideia de futebol bem interessante. Bloco alto, linha alta, pressão na bola, basculação defensiva, balanço. Eu fui dando uma sequência e acrescentando muitas variações táticas. Variações de ritmo também, velocidade de execução”, pontuou Lisca ao Superesportes.

O treinador falou também sobre essas variações que tem colocado em prática no América, além da adaptação aos contextos de cada jogo e às características do adversário.

“O América hoje não tem só uma maneira de jogar - nem técnica nem taticamente. Tem variações. Agora, no jogo contra o Cruzeiro, nós usamos uma variação muito interessante, que funcionou demais. Trocamos quase todos os jogadores de função em relação ao último jogo, e a resposta foi muito interessante, mesmo com pouco tempo de treino”.

“Durante a pré-temporada, a gente vem desenvolvendo maneiras diferentes de jogar. Eu acredito que o futebol está caminhando para isso. Futebol, handebol, basquete, futsal… você mudar a maneira de jogar no decorrer do jogo, e não ficar jogando só de uma maneira o tempo inteiro, de acordo com o adversário, de acordo com a sua necessidade no jogo, de acordo com a característica dos jogadores que você tem para aquela partida”.

“O América está trabalhando muito isso, e a sequência de trabalho - um ano e dois meses - te dá essa possibilidade. Os jogadores já conhecem isso, a dinâmica de várias maneiras de jogar, as variações que a gente pode utilizar. Realmente, são as evoluções que a gente quer fazer no time e estamos conseguindo. Alguns jogadores fazendo funções diferentes também. Encaixando as peças, sincronizando cada vez mais os movimentos. (...) Isso faz parte do futebol moderno e talvez seja uma tendência maior ainda esse ano, na Série A do América”, completou Lisca à reportagem.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade