Publicidade

Estado de Minas AMÉRICA

Maratona de jogos desafia o Coelho

América tem um adversário extra neste fim de ano: o cansaço. O clube vem de maratona de 25 jogos nos últimos 90 dias


25/12/2020 04:00 - atualizado 25/12/2020 09:34

Detalhe da partida entre América e Palmeiras: em duas competições, desde outubro time fez média de uma partida a cada 3,6 dias(foto: JOÃO ZEBRAL/AMÉRICA)
Detalhe da partida entre América e Palmeiras: em duas competições, desde outubro time fez média de uma partida a cada 3,6 dias (foto: JOÃO ZEBRAL/AMÉRICA)


Muito perto de garantir o acesso à Série A do Campeonato Brasileiro e a uma vitória da decisão da Copa do Brasil, o América tem um adversário extra neste fim de ano: o cansaço. O clube vem de maratona de 25 jogos nos últimos 90 dias, tendo entrado em campo uma vez a cada 3,6 dias, em média, no período.

Por isso, mais do que treinar, a ordem no clube é descansar. Afinal, segundo o técnico Lisca, se não fosse a dedicação dos jogadores, não seria possível ter desempenho tão bom: foram 13 vitórias, nove empates e apenas três derrotas, com aproveitamento de 64%. Os números ainda melhoram se for levado em conta que na derrota para o Internacional, no jogo de volta das quartas de final do mata-mata nacional, venceu nos pênaltis e se classificou às semifinais.

O próximo compromisso será amanhã, às 18h30, contra o CRB, no Independência, pela 31ª rodada da Série B. O time é vice-líder, com 57 pontos, a dois da Chapecoense. Já na quarta-feira, às 21h30, haverá o confronto decisivo com o Palmeiras, pela Copa do Brasil – na ida, em São Paulo, o Coelho arrancou empate por 1 a 1. E no dia 2 de janeiro, visita o Guarani, novamente pela Segunda Divisão.

“Sentimos o cansaço no fim do jogo (de quarta-feira), pois é uma coisa impressionante o que estamos vivendo. Faz três meses que a gente não tem semana livre para treinar. Nosso ritmo está muito forte também na Série B. Tem de cumprimentar meu grupo por essa superação no aspecto físico também”, declarou o treinador americano, depois da partida no Allianz Parque.

Justamente pela sequência de jogos, alguns jogadores acabaram se lesionando. O lateral-direito Diego Ferreira e o lateral-esquerdo João Paulo estão desfalcando o time por causa de lesões musculares na coxa direita e coxa esquerda, respectivamente.

Nos lugares entraram Daniel Borges e Sávio, que ainda não estão no mesmo nível dos titulares. O próprio Lisca admite que o grupo americano não tem tantas opções, mas nem por isso a equipe deixa a desejar quando ocorrem mudanças.

“O Palmeiras, por exemplo, é uma equipe de investimento muito superior. Tanto que na quarta-feira entraram jogadores como Viña, Luiz Adriano, Lucas Lima. Nós não temos o nível de investimento deles. Mas nossos jogadores deram uma resposta interessante”, avaliou.

Retorno

Para o jogo de amanhã, o treinador americano terá a volta de Alê, que estava suspenso na Copa do Brasil. Porém, ele pode ser preservado para o duelo de quarta-feira.

Uma das preocupações, além da parte física, é com o lado psicológico, pois é preciso fazer os jogadores “virarem a chave” para o confronto pelo Brasileiro. “Nossa preocupação agora é o CRB. Estamos bem colocados, mas temos de ter alguns cuidados na Série B. Tem alguns clubes crescendo muito, como Ponte Preta, Guarani, CSA. Juventude e Cuiabá patinaram na última rodada, mas devem brigar até o final. Então, vai ser acirrado nesta reta decisiva. A partir de domingo a gente começa a pensar no Palmeiras de novo.” 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade