Publicidade

Estado de Minas CRUZEIRO

Com chances mínimas de voltar à 1ª Divisão, Cruzeiro está de olho em 2021

Clube começa a pensar a montagem do grupo para o ano que vem e um dos desafios será definir salários dos medalhões


25/12/2020 04:00 - atualizado 25/12/2020 09:29

Aos 32 anos, o zagueiro Leo é um dos jogadores que têm permanência indefinida e dependeria de renegociação salarial(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 9/2/20)
Aos 32 anos, o zagueiro Leo é um dos jogadores que têm permanência indefinida e dependeria de renegociação salarial (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 9/2/20)


A renovação do contrato do goleiro Fábio até o fim de 2021 é apenas uma das ações do Cruzeiro para tentar montar um time mais forte para a próxima temporada. Com chances mínimas de voltar à Série A, dirigentes e comissão técnica traçam planos, que incluem a contratação de reforços e a diminuição da folha salarial – sem o acesso e bastante endividado, a penúria financeira deverá continuar.

Justamente por ter pouco dinheiro, o investimento terá de ser cirúrgico. O clube deve buscar um lateral-esquerdo para brigar pela posição com Matheus Pereira, um armador e um atacante de velocidade. Alguns alvos estão definidos, mas as propostas só serão concretizadas quando estiver matematicamente definido o futuro do clube. “Nós estamos trabalhando todos os dias para termos detalhes de uma equipe futura melhor do que temos hoje”, afirmou o técnico Luiz Felipe Scolari, que ainda está preocupado em afastar matematicamente qualquer possibilidade de queda para a Série C para tomar qualquer decisão.

Ele deixa a questão financeira para a diretoria. Mas tem dado sugestões sobre as contratações, ainda que saiba que a verba seja reduzida. “Tenho de resolver a minha parte dentro de campo, e a minha parte nós temos conversado sobre algumas situações. Mas, em primeiro lugar, precisamos conversar sobre a situação atual. A situação atual ainda nos preocupa, e vamos esperar ter uma situação definitiva de conversa, de acerto e de detalhes, quando estivermos com os pontos garantidos pelo menos para a permanência na Série B.”

Alguns “reforços” podem estar na própria Toca da Raposa II. O zagueiro Leo, de 32 anos, por exemplo, já voltou a treinar com o grupo depois de se recuperar de edema ósseo no joelho direito que o impede de jogar desde setembro.

Já o volante Henrique, de 35, passou, em meados de outubro, por cirurgia para correção de lesão no menisco lateral do joelho direito. Ele faz trabalhos específicos para voltar a treinar com os companheiros. De qualquer forma, a permanência deles dependerá de acerto quanto à parte financeira. Afinal, eles aceitaram redução temporária de salário, que vence no início de 2021, e dificilmente vão permanecer se quiserem voltar ao patamar anterior.

Na mesma situação está o zagueiro Manoel, de 30 anos, e um dos melhores do Cruzeiro neste segundo semestre. O problema é que o contrato dele termina no meio da próxima temporada e isso pode dificultar a permanência – em janeiro já pode assinar vínculo com outra equipe.

Redução

Uma das formas de reduzir custos do futebol é justamente abrindo mão de jogadores que ganham mais, contratando outros com salários menores. O desafio é não deixar a qualidade cair, pois o Cruzeiro sentiu na própria pele nesta temporada os efeitos de não ter montado um time em condições de brigar nem sequer pelo título mineiro. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade