Publicidade

Estado de Minas CRISE CELESTE

Presidente 'marqueteiro' e críticas a Deivid e Benecy: eleição do Cruzeiro é marcada por protestos no Barro Preto

Ex-presidentes Gilvan e Perrella também foram alvos de críticas; atual mandatário do Conselho Deliberativo, Paulo Pedrosa foi outro muito xingado


07/10/2020 20:54 - atualizado 08/10/2020 00:30

Torcedores do Cruzeiro se manifestaram contra atual momento do clube(foto: Túlio Santos/EM/D.A. Press)
Torcedores do Cruzeiro se manifestaram contra atual momento do clube (foto: Túlio Santos/EM/D.A. Press)

Centenas de torcedores do Cruzeiro se aglomeraram no início da noite desta quarta-feira, no Barro Preto, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, para protestar contra o momento da equipe. Eles aproveitaram a eleição, que confirma a recondução do atual presidente, Sérgio Santos Rodrigues, para mais um triênio no cargo.

 

O mandatário, inclusive, foi um dos principais alvos das críticas. “P*** que pariu, cadê o presidente, ninguém sabe, ninguém viu” e “Sérgio Rodrigues, seu marqueteiro, tem que ter peito para comandar o Cruzeiro”, cantaram os torcedores. Antes do ato, às 16h, Sérgio chegou ao Barro Preto para votar acompanhado de assessores.

 

Uma das faixas também atacava Sérgio Rodrigues. ‘Menos live, mais futebol”, pediram os participantes do ato, que durou cerca de duas horas. Desde o início de sua gestão, em junho, o presidente promove lives semanais no canal oficial do Cruzeiro no Youtube para, segundo o clube, tentar interagir com o torcedor.  

 

A diretoria do Cruzeiro também não foi poupada. Destaque para cânticos contra o diretor de futebol Deivid, muito criticado pelas decisões tomadas nos últimos três meses, mas, especialmente, o supervisor administrativo Benecy Queiroz. “Fora Benecy”, dizia uma das faixas da manifestação.

 

Nas últimas semanas, o Cruzeiro até mudou o cargo do dirigente. Ele deixou o departamento de futebol para se dedicar exclusivamente ao setor administrativo da Toca da Raposa II. Isso, no entanto, parece não ter bastado para o torcedor, que exige sua demissão pelo menos desde o ano passado. "Ih, ih, que medo é esse de tirar o Benecy?", cantaram.

 

Ex-presidentes do Cruzeiro, Zezé Perrella e Gilvan de Pinho Tavares foram outros atores da política do clube a receberem muitos xingamentos. Outro que não escapou foi o atual mandatário do Conselho Deliberativo, Paulo Pedrosa, eleito no início do ano com boa parte de votos de associados ligados ao ex-presidente Wagner Pires de Sá.

 

Confusão e 'segundo tempo'

O protesto aconteceu de forma pacífica na maior parte do tempo. Em determinado momento, no entanto, um grupo tentou forçar a entrada no Parque Esportivo do Barro Preto, local em que acontecia a eleição. Os seguranças do Cruzeiro impediram e logo a Polícia Militar (PM) foi acionada para ajudar a controlar o ímpeto dos manifestantes.

 

Na manhã desta terça-feira, integrantes de organizadas invadiram a Toca da Raposa II. O objetivo era fazer uma cobrança aos jogadores pelo desempenho ruim em campo. Na manifestação no Barro Preto, eles cantaram: “O povo não é bobo, se precisar, vamos invadir de novo”.

 

Depois da aglomeração na Rua Guajajaras, parte dos torcedores seguiu para a porta da Sede Administrativa, na Rua dos Timbiras, também no Barro Preto. A PM fechou um trecho da via para que a manifestação continuasse.

 

Atualmente, o clube é apenas o 17º colocado na classificação da Série B do Campeonato Brasileiro. A possibilidade de passar o ano do centenário fora da elite do futebol nacional parece cada vez mais real para o torcedor celeste. Nesta quinta-feira, o Cruzeiro entra em campo para jogo diante do Sampaio Corrêa, às 18h30, no Mineirão. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade