Publicidade

Estado de Minas SÉRIE B

Unindo maturidade e vigor

Com espinha dorsal formada por jogadores mais experientes, Cruzeiro tem apostado na presença de jovens atletas para garantir mais intensidade à equipe, 100% no Brasileiro


19/08/2020 04:00 - atualizado 18/08/2020 23:19

Aos 17 anos, o atacante Stênio é um dos mais novos do grupo celeste (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 26/7/20)
Aos 17 anos, o atacante Stênio é um dos mais novos do grupo celeste (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 26/7/20)
O Cruzeiro, que alcança 100% de aproveitamento sob o comando de Enderson Moreira, tem mostrado interessante mescla entre juventude e experiência. Em praticamente todos os seis jogos desde que assumiu a equipe, o treinador tem conseguido conjugar jogadores mais velhos com outros mais jovens, o que ajuda a explicar o sucesso, ainda que nem sempre o time tenha se apresentado bem.

Um dos segredos é a espinha dorsal formada por atletas com muita rodagem. Do goleiro Fábio, beirando os 40 anos, ao atacante Marcelo Moreno, que fez 33 há pouco, passando pelo zagueiro Leo, o volante Ariel Cabral e o armador Régis, são todos muito rodados. Para completar, o lateral-direito Cáceres é outro com essa característica. O diretor de Futebol Ricardo Drubscky disse que, por carência financeira, Cruzeiro tem dois terços de jogadores jovens, abaixo de 21 anos. “O objetivo é ter 60% de experientes e 40% de jovens ou, no máximo, 50-50".

No auxílio deles e garantindo fôlego estão os jovens como o zagueiro Cacá, de 21, o lateral-esquerdo Patrick Brey, de 23, o volante Jadsom e o armador Maurício, ambos de 19, além dos atacantes como Stênio, de apenas 17 anos, Welinton, de 20, e Thiago, de 21. Ao mesmo tempo, outros lutam para ter mais chances, como Riquelmo de 18, e Caio Rosa, de 19.

Já o goleiro Fábio, aos 39 anos, garante maturidade de sobra à Raposa (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 7/3/20)
Já o goleiro Fábio, aos 39 anos, garante maturidade de sobra à Raposa (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 7/3/20)

Foi com os mais velhos instruindo e passando calma aos mais novos e recebendo em troca muita vontade que o time conseguiu sair de situações difíceis, especialmente na Série B do Campeonato Brasileiro. Logo na estreia, tomou gol aos 40min da etapa final, mas conseguiu marcar o gol da vitória dois minutos mais tarde depois de boa jogada de Welinton e finalização certeira do experiente Jean.

Já na segunda rodada, lutou até o fim e chegou a novo triunfo com gols de Régis, Marcelo Moreno e Leo. “Nosso time vem se doando bastante, evoluindo a cada jogo e a cada treino. Tem conseguido os resultados com muita garra e concentração, com todo mundo junto para alcançar nossos objetivos”, afirma Leo.

Já o jovem Stênio destaca o apoio dos mais velhos para quem, como ele, até pouco tempo estava nas categorias de base. “Venho ouvindo os conselhos dos mais velhos, inclusive do Régis, que sempre me dá carona para os treinos. Isso é importante para meu crescimento”, diz o jogador, que acredita que este bom começo acaba facilitando a adaptação ao profissional. “Não podemos nos acomodar, temos de evoluir sempre, procurar crescer.”

Sem pressão


Apesar dos bons resultados, Enderson tem procurado tirar a pressão dos ombros de seus comandados, principalmente os mais jovens. Ele já disse ter ficado até surpreso com os resultados tão bons em tão pouco tempo e destaca o número de novos na equipe, que aos poucos vão ganhando experiência para dar respostas ainda melhores.

Estrelada

Contaminado


Um jovem que não está à disposição do treinador é o zagueiro Arthur, que teve confirmada a presença do novo coronavírus em contraprova. Segundo o clube, o jogador, “que não esteve relacionado para os últimos jogos do Cruzeiro, está completamente assintomático e cumpre as orientações de isolamento social em sua residência”. Assim, ele está fora do jogo com a Chapecoense na quinta-feira, às 21h, no Mineirão.



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade